Inês Pereira
Inês Pereira
03 Out, 2018 - 11:12
10 boas razões para não ficar sentado

10 boas razões para não ficar sentado

Inês Pereira

O trabalho a isso obriga muitas vezes, mas o seu corpo não foi feito para estar numa cadeira um dia inteiro. Ora, aqui ficam 10 boas razões para não ficar sentado.

O artigo continua após o anúncio

Quando não é o trabalho é a televisão; quando não é a televisão é o computador; quando não é o computador é qualquer outra distração. Parece que, atualmente, poucos são os motivos que não o levam a ficar sentado durante horas. Problema? Bom, de certeza que já ouviu dizer que o sedentarismo é extremamente nocivo para a saúde. Está na hora de conhecer boas razões para não ficar sentado e proteger o seu bem-estar.

O corpo fica relaxado, a má postura toma conta de si e as pausas para sequer esticar as pernas são cada vez mais esquecidas. Desde dores de costas à obesidade, passando por problemas de coração, ficar sentado horas a fio só traz desvantagens. Tome nota dos motivos pelos quais deve contrariar esta tendência sempre que possível.

Boas razões para não ficar sentado: conheça 10

fique a conhecer boas razões para não ficar sentado

Evitar dores nas costas

Este é um dos motivos mais óbvios mas nunca é de mais referir: ficar horas sentado na mesma posição (especialmente se for incorreta) vai trazer-lhe dores de costas que, por vezes, podem ser bastante insuportáveis. Esta é uma posição que exerce pressão sobre os discos vertebrais, pelo que os resultados não bastante nocivos.

Evitar o aumento de peso

Já não é surpresa para ninguém que o sedentarismo é sinónimo de aumento de peso, graças à ausência de atividade física. Contudo, existem determinados problemas associados a este aumento, como a resistência à insulina, o risco de obesidade e, até mesmo, doenças cardiovasculares.

Aumentar a esperança de vida

Talvez lhe pareça estranho mas a partir dos 25 anos, cada hora que passa sentado e em inatividade está associada à redução de cerca de 20 minutos na esperança média de vida. Deve, por isso, levantar-se, no mínimo, 10 minutos a cada hora que passa sentado.

Aumentar o metabolismo

Quando está sentado a queima de calorias é bastante inferior por oposição a quando está em movimento ou levantado. Resultado? Até o colesterol bom fica diminuído. Ora, isto significa que deve levantar-se para garantir que aumenta o seu metabolismo.

Prevenir enfartes e tromboses

A diminuição do metabolismo pode originar problemas cardiovasculares, como é o caso de um enfarte ou de uma trombose nas pernas. Assim, movimentar o corpo evita este tipo dramas na medida em que o coração trabalha com maior tranquilidade e a circulação funciona corretamente.

Prevenir a invalidez

Investigadores norte-americanos concluíram que estar sentado longos períodos de tempo e a invalidez estão relacionados. Uma pessoa com mais de 60 que passe horas no sofá, por exemplo, aumenta o risco de invalidez em 50%.

O artigo continua após o anúncio

Melhorar a saúde mental

Uma profissão demasiado rotineira e sedentária já acarreta riscos para a saúde mental por si só. Contudo, o problema aumenta quando, para além das horas laborais, passa grande parte do seu tempo sentado. Se calhar não se apercebe mas está a afetar negativamente a sua saúde psicológica.

Prevenir diabetes e colesterol alto

Quanto mais tempo passa sentado menor é a expressão de óxido nítrico no organismo e a ativação da lipase lipoproteica. Esta é uma enzima crucial no metabolismo oxidativo, que auxilia também no controlo do colesterol e dos triglicerídeos. Resultado? Risco de diabetes e colesterol mais alto do que o aconselhável.

Prevenir doenças renais

Uma das boas razões para não ficar sentado é o facto de reduzir o risco de desenvolver uma doença renal. De facto, algumas pesquisas indicam que passar apenas 3 horas sentado no trabalho diminui o risco de problemas nos rins em 30%.

Diminuir a taxa de mortalidade no cancro colorrectal

Se sofre deste tipo de cancro tem mesmo de evitar estar sentado longos períodos de tempo. Para os pacientes com esta doença isso significa um risco acrescido de morte.

Veja também: