Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Filomena Morais
Filomena Morais
30 Mai, 2016 - 07:25

Canábis com efeitos positivos na doença de Alzheimer

Filomena Morais

Segundo um estudo feito em ratos de laboratório, a canábis poderá melhorar o consumo de energia pelo cérebro, deficitário na doença de Alzheimer.

Canábis com efeitos positivos na doença de Alzheimer

{%%affiliation_html_713%%} Os autores desta investigação internacional procuram separar os efeitos positivos dos negativos desta substância no cérebro. O estudo, liderado por investigadores dos Centros de Neurociência e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, contribuiu para a Investigação Biomédica em Doenças Neurodegenerativas de Espanha (Instituto Cajal). Os resultados demonstram que alguns ingredientes da marijuana podem ajudar a combater a degeneração dos neurónios provocada pelo Alzheimer.


O papel da canábis nas terapias paliativas do alzheimer

O principal ingrediente psicoativo da marijuana (tetrahidrocanabinol – THC) atua sobre dois recetores localizados no cérebro que se caracterizam por atuarem como polícias maus e polícias bons. “Os recetores CB1 estão associados à morte neuronal, distúrbios mentais e vício em diferentes drogas ou álcool”. Por outro lado, os CB2 “anulam muitas das ações negativas dos CB1, protegendo os neurónios, promovendo o consumo de glucose (energia) pelo cérebro e diminuindo a dependência de drogas”, avança a Universidade de Coimbra (UC).

Na nota divulgada pela UC, ficámos a saber que através de diversas técnicas laboratoriais se descobriu que os recetores CB2, ao serem estimulados por substâncias similares ao THC, evitam os efeitos psicotrópicos e mantêm os efeitos benéficos, promovendo o aumento de captação de glucose no cérebro.

Outras experiências mostraram ainda que o efeito dos recetores CB2 não se limita apenas aos neurónios, mas alarga-se a outras células cerebrais que ajudam no seu funcionamento – os astrócitos. Esta descoberta abre portas para uma nova forma de encarar as terapias paliativas na doença de Alzheimer.

Este estudo foi financiado pelo Prémio Belard Santa Casa da Misericórdia e por um programa norte-americano para o desenvolvimento de tecnologias emergentes. A investigação contou ainda com fundos da União Europeia, através do Programa Operacional Fatores de Competitividade, via Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
{%%affiliation_html_714%%}
Veja também: