Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Valdemar Jorge
Valdemar Jorge
11 Ago, 2020 - 17:20

Alemães vs Japoneses: a eterna batalha automóvel. Quem vence?

Valdemar Jorge

O debate não é novo. No que toca a automóveis, escolher entre alemães e japoneses dá sempre azo a discussão. Mas quais as diferenças e quais os melhores?

Toyota RAV4

A legião de fãs de carros alemães e de carros japoneses é grande. Uns e outros dirimem argumentos para justificar quais são os melhores, se as marcas com origem na Alemanha, se as marcas com origem no Japão.

O facto é que marcas de ambos os países têm, ao longo dos tempos, conquistado diverso público ávido de possuir o que julgam ser o melhor.

Para chegar a uma decisão há que explorar primeiro. Ou melhor, há que analisar quais as vantagens e desvantagens de ambos, carros alemães e japoneses.

Carros alemães vs Japoneses: PERFORMANCE E CONFORTO ou FIABILIDADE E ECONOMIA?

audi a6 avant
Audi A6 Avant

Neste sentido, produtos das marcas alemãs como BMW, Mercedes-Benz e Audi estão conotados com bom desempenho e fiabilidade; além de aparentemente apresentarem níveis superiores de potência e maneabilidade.

A estes predicados junta-se o facto dos modelos com origem europeia apresentarem um design mais consensual, também por vezes mais agressivo, e em regra bons resultados nos testes de segurança de que são alvo.

Por seu lado, e também no campo das vantagens, os automóveis japoneses defendem-se apresentando bom nível de segurança, embora no design, por vezes, possam perder alguma simpatia por parte dos potenciais compradores.

Paralelamente, apresentam níveis de fiabilidade capazes de competir com os mais exigentes modelos alemães. E aqui não podemos esquecer marcas como Toyota, Lexus, Honda ou Mazda, com forte posicionamento na Europa, devido à eficácia e economia dos seus produtos.

Outro elemento que não podemos esquecer e que eleva a reputação das marcas japonesas é a fiabilidade e a manutenção, a par de um outro factor, o de menor desvalorização quando comparados com os carros alemães.

Eletrificação está a chegar em força

Há marcas que já apontam 2025 ou 2035 para acabarem com a produção de automóveis cujos motores utilizem combustíveis fósseis. E, nesta conjugação de tempo, encontramos marcas generalistas e outras que se dedicam à produção dos automóveis mais luxuosos e caros do mundo.

E quando a eletrificação for uma realidade – e aqui incluímos todas as marcas – os carros das marcas alemãs e japonesas alvo desta reflexão continuarão a ser alvo da mesma questão: mas quais os melhores?

Sistemas de ajuda à condução cada vez mais presentes

Em todas, devemos reconhecer, atualmente, o empenho em dotar os seus modelos com os mais avançados sistemas de ajuda à condução, reforçando em muito a segurança de automóveis, passageiros e peões.

Exigência ainda que têm de cumprir, nas diversas motorizações propostas, quer sejam a gasolina ou diesel, são os restritivos indicadores de emissão de gases noviços para o ambiente. Ação que obriga as marcas a gastar milhões de euros em tecnologia e a desenvolver sistemas que ajudem a controlar e a baixar a emissão dos gases nocivos ao ambiente.

Neste capítulo, cremos que todas estarão em patamares similares dependo, a oferta de soluções, dos diversos níveis de equipamentos que permitem a diferenciação dos modelos de cada marca.

Carros alemães ou japoneses? escolha será sempre temperamental e os comparativos inconclusivos

Mazda 3
Mazda 3

Só por estes indicadores, e sem querer abordar em profundidade os mais diversos estudos realizados por entidades especializadas, podemos concluir que ambos – alemães e japoneses – apresentam vantagens e algumas desvantagens, se bem que os primeiros estejam conotados por terem melhor desempenho (leia-se performance) enquanto os segundos estão associados a fiabilidade e economia de manutenção.

A escolha acabará por ser sempre temperamental. Isto é. Parte muito do sentir de cada um e, à partida não há vencedor nem vencido. Carros alemães e carros japoneses convivem de forma salutar num sector que a cada dia que passa sofre mutações que atualmente apontam para a eletrificação e para a sustentabilidade.

Veja também