Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Cátia Tocha
Cátia Tocha
14 Mai, 2018 - 23:37

Casamento em risco? Saiba como proteger as finanças

Cátia Tocha

Está numa situação em que tem o seu casamento em risco? Saiba como proteger as finanças. Não perca a batalha matrimonial, lute pelos seus direitos.

Casamento em risco? Saiba como proteger as finanças

Tem o seu casamento em risco? Saiba como proteger as finanças. Conheças as dicas dadas pela autora do livro Money Confidence, Kerry Hannon, que partilha os passos mais importantes para proteger o seu dinheiro, caso o matrimónio esteja à beira do colapso ou se a pessoa com quem tem uma relação está em risco de falecer.

Se a sua relação estiver prestes a terminar, o melhor é agir antes do tempo. Em termos práticos, basta atuar na altura certa, apesar de, em termos psicológicos, ser possível que se encontre num estado de desânimo e de negação. Mas deve arranjar forças para que, em vez de ficar mal apenas a nível emocional, não se prejudique também a nível económico.

Casamento em risco? Saiba como proteger as finanças ao ler a história de Melissa

Kerry Hannon dá-nos o exemplo imaginário da Melissa, cujo marido a deixou por outra mulher. Ainda assim, Melissa achava que poderia recuperá-lo. Ao convencer-se de que esta era apenas uma situação temporária e ter perdido tempo a ir a sessões de aconselhamento, ao mesmo tempo que também tinha pena da situação financeira do marido, não estava a lutar pelo que era dela por direito.

Esta é uma reação comum, tendo em conta os anos passados ao lado de alguém que se amou. Melissa não queria prejudicar o marido e exigir o dinheiro que lhe pertencia pois achava que um dia iriam voltar a estar juntos. No entanto, quando a esperança morreu e o dinheiro passou a ser o único problema, uma vez que é através do mesmo que a pessoa pode ultrapassar melhor os problemas e começar de novo. Apesar da frieza não ser atraente, é esse sentimento que garante a sobrevivência, principalmente após ter sido trocada por outra.

Tendo em conta toda a história de Melissa, o que poderia ela fazer para proteger as suas finanças?

Saiba como proteger as finanças em 3 passos

casamento-em-risco-saiba-como-preteger-as-financas

1. Ligue a um advogado

Quando sentir que a sua situação se está a complicar, o melhor é ouvir os conselhos de alguém imparcial e especializado na matéria relacionada com divórcios e finanças. Um amigo ou familiar não irá conseguir ajudá-lo neste caso, pois serve apenas como apoio emocional ao ouvir os seus desabafos. Tem de se mentalizar que esta é uma batalha matrimonial e que deve olhar não só por si, mas também pelos seus filhos se for o caso.

Se se sentir reticente em relação à contratação de um advogado, que deve ser especialista em direito matrimonial, vá apenas a uma consulta. Isto não significa que terá de avançar com a decisão de contratá-lo e irá ser uma mais-valia se este o ajudar a avaliar seus ativos e lhe indicar a melhor solução possível. O processo de divórcio pode demorar um bom tempo e, até a situação ser resolvida, irá precisar de dinheiro para viver.

Se conhecer um familiar, amigo ou colega recém-divorciado, peça-lhe recomendações, que podem ser igualmente dadas por um advogado fiscal ou imobiliário. Não se esqueça de evitar usar o mesmo advogado do seu companheiro, por exemplo. Este é um erro cometido por muitos casais, que decidem poupar dinheiro ao colocarem um advogado a fazer tudo. No entanto, se quer vencer, precisa de alguém que se dedique a tratar melhor dos seus interesses, e não um profissional que tenha como objetivo garantir que o divórcio seja realizado de forma tranquila e barata.

Quer outra dica para sair a ganhar de um casamento em risco? Saiba como proteger as finanças ao usar o tempo do seu advogado com sabedoria. Se está a pagar pelos serviços dele, vai querer que as consultas sirvam para discussões concretas sobre as suas finanças e não sobre o seu sofrimento emocional. Nisso só um terapeuta poderá ajudar, dando-lhe dicas para lidar com sentimentos emocionais.

2. Aprenda os 3 elementos básicos do divórcio

Se quiser aproveitar plenamente as leis aplicáveis, deve familiarizar-se rapidamente com três fatores importantes: pensão de alimentos, apoio financeiro para a criança e divisão de bens.

Pensão de alimentos

Este é quase sempre um direito concedido. Independentemente de onde mora, um indivíduo tem de dar apoio financeiro a um ex-parceiro por um período limitado de tempo, que costuma ser entre dois a cinco anos. Esta pensão é ordenada por um tribunal com base na necessidade ou direito de um parceiro e capacidade do outro parceiro para pagar. A pensão alimentar é tributável para o parceiro que recebe e é uma dedução fiscal para o parceiro que paga.

Apoio à criança

Casamento em risco? Saiba como proteger as finanças do seu filho. Cada estado tem as suas próprias regras para decidir a quantidade financeira de apoio à criança para os pais que se divorciam. Dependendo do estado, os pagamentos de apoio à criança costumam durar até que o filho tenha dezoito anos. Esses pagamentos não são tributáveis.

Se tiver um filho que quer ir para a faculdade, escreva um acordo onde deve declarar claramente quem irá pagar pela educação universitária da criança. Além disso, se receber pagamentos de pensão alimentar, insista para que o parceiro que paga adquira uma apólice de seguro de vida cobrindo o prazo dos pagamentos, devendo o mesmo nomeá-lo como proprietário e beneficiário da apólice. O seu ex-parceiro não poderá mudar o beneficiário sem o seu consentimento.

Divisão de bens

Estas são as três definições básicas de divisão de bens:

Propriedade comunitária: Todos os bens e ativos acumulados durante o casamento são considerados propriedade da comunidade, que é dividida igualmente entre as partes que se divorciam. No entanto, um imóvel adquirido antes do casamento e uma propriedade herdada são excluídos desta divisão.

Propriedade de direito comum: A propriedade dividida de acordo com quem detém o título do ativo é considerada propriedade de direito comum.

Distribuição equitativa: Este é o método básico de distribuição de propriedade em alguns estados. O tribunal decide como dividir os ativos com base em critérios como necessidade, potencial de ganhos e contribuição financeira para o casamento. Mas tenha em mente que equitativo nem sempre significa justo.

3. Determine o seu património líquido

É crucial fazer uma avaliação rigorosa da sua situação financeira. Descubra exatamente o valor do que possui (ativos) e do que deve (passivos). Só irá conseguirá calcular o seu património líquido através da subtração de ativos com passivos. Não pense logo que sabe o valor dos seus ativos, uma vez que o seu parceiro pode ter propriedades ou investimentos dos quais não tem conhecimento. Outra hipótese é não ter informações corretas sobre a sua pensão ou pensões, como por exemplo se ele ou ela trabalhou para vários empregadores ao longo de uma carreira.

Se realmente está à beira do divórcio e vai entrar numa batalha matrimonial, como sair bem de um casamento em risco? Saiba como proteger as finanças ao verificar como se está a sair financeiramente o seu parceiro. Para saber montantes de plano de pensão e reforma, ligue para os departamentos de benefícios do empregador do seu parceiro. Se não conseguir obter a informação do empregador, talvez encontrará essa documentação em arquivos domésticos. Faz parte dos seus direitos estar a par destas informações, por isso seja persistente.

Mesmo que não consiga obter o valor exato de todos os seus recursos, faça o possível para tentar alcançar um valor aproximado. Contrate um avaliador se for necessário, de forma a ter um valor realista em relação aos seus móveis, jóias e colecionáveis. Confira o conteúdo de qualquer caixa de depósito seguro e certifique-se que não perdeu nenhuma ação ou documento que será adicionado à sua lista. O seu retorno de imposto do ano passado ajudará a identificar os ativos que possa ter esquecido de incluir.

Se estiver a ter problemas para verificar os números, deve ligar para o seu contabilista ou agente de seguros. Ligue ainda para cada emissor do cartão de crédito, para o seu corretor de hipoteca e outros credores, de forma a obter uma contabilidade atualizada e assim perceber se deve algo. Eles podem dar-lhe uma cópia do seu relatório de crédito, que terá uma lista de todos os seus credores. Há quem possa descobrir um cartão de crédito, ou mais, usados pelo parceiro sem que tenha conhecimento disso.

Tem realmente o seu casamento em risco? Saiba como proteger as finanças executando mais esta dica. Quando a decisão de divórcio for mesmo irreversível, informe as agências de crédito por escrito sobre o seu novo estado civil.

Veja também: