Valdemar Jorge
Valdemar Jorge
20 Out, 2022 - 10:38

Citroën 2CV Fourgonnette: um clássico que regressa em 2023

Valdemar Jorge

O mítico Citroën 2CV Fourgonnette renasce fruto da parceria entre a Caselani e os designers da marca francesa. Chega em 2023.

Novo Citröen 2CV Fourgonnette

É a tendência vintage a ditar leis. Muito em voga atualmente em especial no mercado automóvel italiano, está a ser utilizada em automóveis particulares e profissionais, e que “consiste em reviver um modelo de culto pertencente ao passado”. Daí que o carroçador italiano Caselani se tenha juntado aos designers da Citroën para transformar um Citroën Berlingo num 2CV Fourgonnette.

A nova proposta recupera a aura de estilo do 2CV Type AU (Veículo Comercial), viatura de culto francesa, que atravessou várias gerações, mas dota-a da necessária modernidade, equipamentos e performance de um veículo do Século XXI.

Homenagem ao 2CV Fourgonnette de 1951

A ideia passa por reinterpretar o 2CV furgão AU, que na versão original era muito semelhante ao icónico Citroën 2CV, dito normal, quer em termos de motorização, quer mesmo no habitáculo.

A marca francesa iniciou a produção do AU em 1951. O sucesso foi imediato e seguiram-se ao longo dos anos versões como o AZU, em 1954, e mais tarde o AZU250, entre outras.

A produção do 2CV Fourgonnette foi interrompida em 1979. O último modelo a sair da linha de montagem foi uma versão AZU250. No total foram produzidas 1.246.335 unidades do 2CV Fourgonnette, entre 1951 e 1977. O 2CV Fourgonnette foi substituído pelo modelo Acadiane, em 1979.

O furgão destinava-se essencialmente a ser utilizado por empresas para o transporte de mercadorias.

Os modelos originais

1

2CV AU

  • A produção do 2CV tipo A começou de forma algo tímida. A pouco e pouco os prazos de entrega encurtaram, com a Citroën a dar pronta resposta à procura do modelo. O sucesso começou aí. A maior procura do modelo obrigou a que a marca francesa introduzisse uma nova versão, o AU, em 1951. Chamava-se o Citroën A Utilitaire, ou AU de forma abreviada. O furgão tinha capacidade de carga de 250 kg. O sistema de suspensão era o mesmo do 2CV e o motor de 375 cc apenas debitava simples 9 cv de potência.
2

2CV AZU

  • Três anos após o lançamento do AU, a Citroën colocou no mercado um novo modelo, o AZU (1954). Este apresentava-se com motor mais potente de 425 cc que debitava ainda parcos 12 cv. Um bloco motriz curto para as aspirações que a marca francesa queria conquistar com o furgão. A carga útil permanece em 250  kg. O modelo, ainda assim, mantém-se até 1959.
3

2CV AZU250

  • O Citroen AZU250 não é muito diferente do AZU. O AZU250 possui um motor 2CV e design exterior, com menos nervuras. O número 250, no nome do modelo, continua a especificar a carga útil de 250 kg.
4

2CV AK e AKS

  • O 2CV Fourgonnette AK surge em 1963 e nele eram visíveis as diferenças estéticas, quando comprado com os modelos anteriores. Menos nervuras (o capot apresentava apenas cinco sulcos) e as laterais também estavam mais lisas, principalmente na parte superior onde surge uma zona envidraçada.  O 2CV AKS é apresentado em 1970, segue a linha de estilo do AK, e mantém-se até 1975. Neste ano a frente apresenta um design mais refinado, seguindo o do 2CV normal.
2CV Fourgonnette
O clássico 2CV Fourgonnette foi um sucesso de vendas

Citroën 2CV Berlingo Fourgonnette: o futuro

Para executar esta tarefa os promotores escolheram o atual Berlingo Van, principal interveniente no seu segmento na Europa desde o seu lançamento, em 1996, e cujas três gerações já contabilizam 1.891.196 unidades comercializadas.

O exercício deste design foi confiado pela Caselani a David Obendorfer, que em 2017 tinha desenhado o novo Typo H, proposta com base no Citroën Jumper. Em 2020, foi ainda responsável pelo novo Type HG, baseado no Jumpy/SpaceTourer. Deste modo “a gama de furgões Citroën com assinatura Caselani está, à data, completa”, refere a marca francesa.

Segundo a Citroën o código intemporal do furgão original está presente no modelo que pode ser encomendado desde 1 de outubro deste ano e cuja produção terá início em 2023, não sendo conhecido, até ao momento, o preço de venda.

Os destaques do novo 2CV Fourgonnette

O novo modelo, que terá 4,4 metros cúbicos de capacidade de carga (o triplo do modelo original de 1951), tem a vantagem de poder apresentar este generoso espaço em todas as versões que estarão disponíveis, sejam equipadas com motor a combustão ou elétrico.

Transversal a todas as versões será o código de design que contempla aspetos como:

  • Secção dianteira do Berlingo completamente redesenhada para conferir o design do antigo 2CV. Os escudetes, guarda-lamas e pára-choques foram substituídos por novas peças em fibra de vidro adaptadas à estrutura. A montagem destes elementos será realizada nas instalações de Caselani no norte de Itália, na Lombardia.
  • O capot curvo em “V” é mais estreito na parte inferior. Ao centro destaca-se o conhecido logótipo estriado em relevo.
  • Os faróis redondos estão parcialmente deslocados do capot do motor, ao contrário dos originais, que o estavam na totalidade. Trata-se de uma interpretação mais moderna da colocação dos elementos ópticos.
  • A grelha é facilmente reconhecível pela secção superior côncava (ou ascendente em forma de “M”), um elemento atrativo e icónico do 2CV AU. Os grandes chevrons cromados, que constituem a assinatura da marca francesa, estão em destaque, colocados ao centro da grelha. O objetivo é fazer com que sobressaiam ainda mais. Estes elementos moldam a identidade da Fourgonnette.
  • Acentuadamente curva e integrando o formato do capot, como no original, a grelha desce na continuidade do mesmo, dando a sensação de que os guarda-lamas flutuam e se integram neste elemento fulcral. Por outro lado, a linha acima das luzes de nevoeiro (que percorre toda a largura do veículo), reforça ainda mais este efeito.
  • O pára-choques é visualmente mais baixo do que o do Berlingo. Enquanto o pára-choques do 2CV era cromado. Aqui surge pintado de branco para contrastar com a cor da carroçaria, conferindo modernidade ao modelo.
  • As laterais e as portas traseiras, bem como o tejadilho, estão cobertos com uma segunda “pele” que cobre a carroçaria. Estes elementos em fibra de vidro, imitam a chapa ondulada do 2CV. Um detalhe distintivo da Fourgonnette puramente decorativo. Na altura tinham uma função real, assegurando a rigidez da estrutura.
  • Na traseira, uma pequena janela vertical, arredondada na parte superior e inferior, destaca-se em cada uma das portas, sendo fiéis à forma das existentes no 2CV.
  • Quanto às luzes de travagem e de marcha atrás, com formas arredondadas serão realçadas pelas suas grandes dimensões e moldura vermelha que as envolve, tornando-as mais visíveis. 
  • Aludindo aos detalhes estéticos do 2CV estão presentes diversos elementos cromados utilizados em vários pontos-chave do veículo. É o caso dos faróis; friso central do capot; grelha com os chevrons; tampões de roda originais, ainda hoje fabricados, e do aro cromado nos faróis com abertura para substituição das lâmpadas.
Citroen DS
Veja também Citroën DS Boca de Sapo: um carro muito à frente do seu tempo

Vantagens dos modernos veículos

O Berlingo 2CV Fourgonnette acomoda até 3 pessoas (5 na versão de passageiros), será equipado com motorizações atuais e mais potentes que as originais. Tem uma capacidade de carga que quadruplicou para 1 tonelada e o volume útil triplicou para 4,4 metros cúbicos.

Apesar de possuir dimensões compactas, é prático e ágil e posiciona-se como “uma ferramenta ideal para profissionais e comerciantes. Graças à cabine Extenso® é possível obter um comprimento útil máximo de 3,09 m (versão M) rebatendo-se o banco do passageiro”.

Sendo uma viatura construída no século XXI, recebe todas as mais modernas tecnologias, tais como o head-up display a cores, acesso e arranque mãos-livres, indicador de sobrecarga e visibilidade traseira circundante.

Contará ainda com funções como Active Safety Brake, controlo de estabilidade do reboque, Grip Control com Hill Assist Descent e o sistema de monitorização do ângulo morto”.

Quanto a motorizações a versão comercial está disponível com o motor diesel 1.5 BlueHDi e com o bloco a gasolina 1.2 PureTech, podendo receber a caixa automática EAT8.

A estas motorizações junta-se versão com motor elétrico, equipada com bateria de 50 kWh, potência de 100 kW, autonomia máxima de 275 km e com capacidade para recarregar até 80% da bateria em 30 minutos num posto de carregamento público.

Veja também