Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
13 Mai, 2020 - 11:06

CVV ou CVC: que código é este no seu cartão de crédito ou débito?

Mónica Carvalho

O CVV/CVC é fundamental nos pagamentos online com cartão de crédito ou débito. Mas como funciona exatamente? E por quanto tempo mais o vai poder utilizar?

cvv ou cvc nos cartões de crédito e débito

Se costuma fazer compras online já deve ter reparado nestes números no seu cartão de crédito ou débito. O Card Verification Value (CVV) é o código de segurança formado por três dígitos que lhe é solicitado para validar a operação.

A cada cartão contratado corresponde um CVV único. Isto significa que, se solicitar um novo cartão associado à mesma conta bancária, o código de 16 dígitos da frente permanecerá igual, porém o CVV será diferente, assim como a data de validade.

Dado que este código não é gravado em relevo no cartão, mas sim apenas impresso, ele não aparece nos recibos dos pagamentos efetuados. Assim sendo, apenas quem possui o cartão é que poderá ter acesso e utilizar o CVV.

Não estranhe, ainda, se encontrar diferentes designações para este código, como por exemplo, Card Verification Code (CVC), código de valor de verificação/validação, valor de verificação de cartão, código de segurança do cartão ou até código de segurança pessoal, pois todas se referem ao CVV.

para que serve e como funciona o CVV ou cvc

O CVV ou CVC foi um recurso encontrado pelas operadoras de cartão de crédito para garantir a confidencialidade e segurança dos dados do utilizador e titular do cartão. Atualmente, alguns cartões de débito também já possuem este código.

A composição do código CVV é feita através de três números combinados e exclusivos por cartão. A sua criação é baseada na criptografia e somente quem tem acesso ao CVV poderá realizar uma compra sem utilizar o cartão pelo modo convencional, ou seja, sem necessitar de uma máquina de pagamento.

Nesse sentido, o CVV é, maioritariamente, utilizado para compras online, seja com pagamentos pontuais, seja em pagamentos recorrentes, como o pagamento de alguma mensalidade.

Nos casos em que utiliza o cartão fisicamente, seja para levantar dinheiro no multibanco ou para fazer pagamentos através de um TPA, por exemplo, o código que lhe é solicitado é o PIN (Personal Identification Number) e não o CVV. Não confunda os dois.

Onde se encontra o código CVC?

Nos cartões comuns, o CVV ou CVC encontra-se impresso na parte de trás do cartão de crédito ou débito, logo após a zona reservada para a assinatura do titular do cartão.

código cvv

No caso do cartão American Express, excecionalmente, o CVV é composto por quatro dígitos e encontra-se impresso na parte da frente do cartão, por cima do número de conta associada ao cartão.

Medidas de segurança para proteger as suas compras

Mesmo não sendo possível aceder a este código sem ser na posse do próprio cartão, há quem aconselhe a toma de medidas adicionais, nomeadamente:

  • Não digitar o código CVV em computadores de acesso público ou em computadores que sejam também utilizados por outras pessoas;
  • Não ter uma fotografia do cartão no telemóvel ou armazenada no email ou na cloud, por muito útil que isso possa parecer;
  • Apenas efetuar compras em sites com certificado SSL. Mas como saber se o site é fidedigno? Basta verificar se possui uma chave/cadeado localizado na barra de estado da página;
  • Manter o antivírus do computador utilizado para o pagamento sempre atualizado, evitando, assim, uma possível contaminação por spyware;
  • Não revelar nunca esse número a ninguém.

Se tiver em conta estes conselhos, então, não deverá ter qualquer problema em utilizar os seus cartões para efetuar as compras desejadas e pagamentos necessários.

Existe mais do que um código de verificação?

Existem, de facto, alguns cartões com dois grupos de códigos CVV. Nesses casos, os dois conjuntos de códigos encontram-se devidamente separados por um espaço. Explicamos o que significa cada um deles e onde os pode encontrar.

CVV1

O primeiro código que irá visualizar pode ser designado por CVV1 e tem a particularidade de reproduzir exatamente os últimos quatro dígitos do número do cartão, que se encontra na frente e que possui um total de 16 algarismos.

CVV2

A segunda série de códigos que lhe vai aparecer é chamado CVV2. Este sim é um algoritmo gerado de forma aleatória, tendo em conta o número do cartão e a data de validade e que irá realmente funcionar como um valor de verificação. Sempre que lhe for solicitado o código CVV para validação de algum pagamento é este que deve inserir.

O seu cartão não tem código CVV?

Dado que não é suposto isto acontecer, aconselhamos a consultar a entidade bancária que emitiu o cartão, no caso de ausência do CVV.

Até quando Poderá utilizar o cvv/CVc nas compras online?

Até ao final do ano, os pagamentos online com cartão vão passar a ter novas regras. Em causa está a aplicação da diretiva europeia PSD2 – Payment Services Directive, que determina medidas de segurança adicionais para as operações bancárias.

Para os restantes serviços de pagamento, as novas regras já estão em vigor desde setembro de 2019, mas até agora os pagamentos online com cartão tinham sido deixados de fora. Algo que vai mudar já em 2021.

Na prática, isto significa que o código CVV ou CVC e outros equivalentes, deixarão de ser considerados como seguros, o que implica que os pagamentos por serviços e produtos dentro da União Europeia sejam efetuados de forma diferente.

Isto porque, de acordo com o Banco de Portugal, “os detalhes impressos nos cartões de pagamento, como seja o número do cartão, a data de validade ou o código CVV/CVC, utilizados hoje em dia em compras online, não são considerados elementos válidos para a autenticação forte do cliente.”

Assim, tendo em conta as novas regras de segurança impostas pela PSD2, é necessária a autenticação forte em todas as operações bancárias à distância, incluindo os pagamentos online com recurso ao cartão.

Segundo o regulador, os “novos procedimentos de autenticação podem incluir, por exemplo, a leitura de impressões digitais ou reconhecimento facial, a utilização de palavras-passe ou PIN associados ao cartão, ou a receção de uma mensagem com um código que comprove a posse de um telemóvel associado ao cliente”.

Veja também