Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Inês Pereira
Inês Pereira
11 Jul, 2018 - 11:00

Corrimento na gravidez: há ou não motivo para preocupação?

Inês Pereira

Saiba quando deve preocupar-se com o corrimento na gravidez. As alterações no corrimento vaginal são muito comuns durante a gestação.

Corrimento na gravidez: há ou não motivo para preocupação?

Não é novidade que a gravidez implica um rol de mudanças físicas e novas descobertas – algumas bastante assustadoras. Uma delas é a existência de corrimento na gravidez, que, apesar de habitual, origina muitos receios nas mulheres. É um facto que este fenómeno pode estar ligado a infeções ou doenças, mas, na maioria dos casos, é absolutamente inofensivo.

Fique agora a saber a que se deve o aumento do corrimento vaginal ao longo da gestação, quais as situações em que se deve preocupar e de que forma deve proceder na sua higiene íntima para não se sentir desconfortável.

Aquilo que deve saber sobre o corrimento na gravidez

corrimento na gravidez

O corrimento vaginal é uma secreção normal, constituída por células originárias da descamação do colo do útero e das paredes vaginais e por muco – cuja função é manter a vagina limpa e hidratada, bem como formar uma barreira protetora contra infeções. Assim, quando não está associado a nenhuma doença, o corrimento na gravidez é perfeitamente natural e comum.

Geralmente, o corrimento vaginal tem um tom leitoso, esbranquiçado, e não tem odor. Em caso de infeção, podem existir alterações na cor ou no cheiro do corrimento, bem como irritação local, dor ou comichão.

Então, afinal, por que motivo existe um aumento do corrimento na gravidez? A gestação provoca a aceleração da renovação celular, o que significa que o revestimento da vagina e colo do útero se renovam de forma mais rápida. Paralelamente, as alterações hormonais provocam o aumento da produção de muco. Ora, em conjunto, estes fatores fazem com que o corrimento de torne mais abundante durante a gravidez.

Posto isto, importa enumerar quais as situações em que pode haver motivos para preocupação e em que deve procurar ajuda médica para despistar qualquer problema:

  • desconforto vaginal;
  • ardor, especialmente quando urina;
  • comichão;
  • dores abdominais;
  • existência de sangue no corrimento;
  • cheiro intenso;
  • tom amarelo, esverdeado ou acastanhado;
  • vómitos.

Fatores que podem alterar o corrimento na gravidez

Existem alguns fatores que costumam estar na origem da alteração das secreções vaginais durante a gestação:

  • infeções vaginais, como a candidíase;
  • sangramento relacionado com a gravidez;
  • perda do tampão mucoso (sela o colo do útero contra bactérias);
  • rompimento da bolsa amniótica;
  • falta de higiene.

Como prevenir e tratar o corrimento na gravidez

aprenda a tratar e prevenir o corrimento na gravidez

Este é daqueles casos em que a prevenção é mesmo o melhor a fazer, uma vez que o mais importante é ter uma higiene adequada. Assim, existem certas práticas que deve seguir para evitar o desconforto do corrimento na gravidez e problemas mais graves:

  • evitar roupas exageradamente justas;
  • ter atenção aos tecidos das cuecas (algodão será o melhor);
  • optar por não usar cuecas enquanto dorme;
  • usar um produto de lavagem especialmente concebido para a higiene íntima – e que respeite o pH fisiológico;
  • após a higiene íntima, garantir que seca bem a zona vaginal;
  • evitar a utilização constante de pensos diários.

No que se refere ao tratamento, pode ter de recorrer a pomadas vaginais ou, em alguns casos, a antibióticos. Contudo, é muito importante que não avance para qualquer tipo de medicação sem aconselhamento médico.

Veja também: