Ana Graça
Ana Graça
11 Jun, 2018 - 10:50
Gravidez de risco: fatores de risco e como lidar

Gravidez de risco: fatores de risco e como lidar

Ana Graça

Uma gravidez de risco aplica-se a várias situações clínicas em que existe alguma probabilidade de ocorrer algum dano ao bebé ou à grávida. Saiba tudo.

O artigo continua após o anúncio

A gravidez é, habitualmente, uma fase decisiva na vida da mulher, um período de alegria e de realização pessoal, mas também de preocupação com a mãe e com o bebé. É a prestação de cuidados pré-natais durante a gravidez que ajuda a promover a saúde e a resolver eventuais problemas. Uma gravidez de risco exige uma vigilância maior e mais cuidadosa.

Em que consiste uma gravidez de risco?

Falamos em gravidez de risco quando existe uma probabilidade aumentada de ocorrer um resultado adverso para a mãe ou para a criança, durante ou após a gravidez e parto, devido à presença de um ou mais fatores de risco.

Fatores de risco maternos:

  • Idade (antes dos 15 e após os 35 anos);
  • Peso;
  • Complicações em gravidezes anteriores (morte fetal, parto pré-termo, atraso do crescimento do feto, entre outros);
  • Mais do que cinco gravidezes;
  • Gravidez gemelar;
  • Miomas uterinos (tumores pélvicos mais frequentes);
  • Hipertensão arterial;
  • Diabetes;
  • Doenças autoimunes (como por exemplo, lúpus);
  • Doenças crónicas preexistentes.

Fatores de risco infantis:

  • Exposição a infeções (rubéola; sífilis, toxoplasmose; varicela) e a alguns fármacos e drogas;
  • Alterações do feto (como, por exemplo, um defeito cardíaco ou alterações no líquido amniótico).

Sentimentos associados à gravidez de risco

Sentimentos associados à gravidez de risco

Quando uma mulher descobre que está grávida, tem de decidir quando e a quem contar. Numa gravidez de risco este momento de tomada de contacto com as emoções relativas à gravidez tem ainda um maior impacto.

A gravidez é uma fase de grandes mudanças físicas e psicológicas e que naturalmente acarreta fantasias e expectativas, mas também receios e ansiedade. Com o surgimento de uma doença, complicação ou o agravamento de alguma doença pré-existente, surge uma gestação de alto risco e é natural que a grávida se sinta assoberbada e sem controlo da situação.

Por si só, a expressão gravidez de risco tende a assustar e a ser entendida como algo grave e complexo. As mulheres com uma gravidez de risco podem ter maiores dificuldades em gerir as adaptações à gravidez. Assim, o que seria apenas uma experiência alegre para a grávida e para a sua família, traz também stress, medo e preocupação.

Em suma, a gravidez é um período vivido com grande emoção, mas os sentimentos podem tornam-se ambivalentes e contraditórios: por um lado, o encantamento e as expectativas positivas e, por outro lado, a insegurança e o receio.

A gravidez é, portanto, uma etapa crítica e vulnerável para a saúde psicológica da grávida, do bebé e do casal, que não devem hesitar em procurar ajuda profissional sempre que se mostre necessário.

Veja também:

O artigo continua após o anúncio
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp