Miguel Pinto
Miguel Pinto
08 Set, 2021 - 14:42

Depressão pós-parto: saiba como combater este problema

Miguel Pinto

A depressão pós-parto é um problema e que afeta um número considerável de novas mamãs. Saiba o que está em causa e como pode combater este problema.

Mulher com depressão pós-parto

A maternidade é um momento de exceção para qualquer mulher. É uma cascata de emoções, de sofrimento físico e, por fim, de incontida alegria por uma nova vida que chega ao mundo. No entanto, há problemas que podem surgir depois de dar à luz. A depressão pós-parto é uma realidade que afeta muitas mulheres.

Se eventualmente foi diagnosticada com este problema saiba, desde logo, que é importante ter em mente que esta fase não faz de si uma má mãe e que com ajuda e com o tempo, se vai sentir cada vez melhor e voltar a desempenhar a maternidade com naturalidade.  

O que é a depressão pós-parto

A depressão pós-parto ocorre, principalmente, devido às alterações hormonais decorrentes do fim da gravidez, às alterações físicas e ao stress. Normalmente, surge pouco depois do nascimento do bebé e desenvolve-se ao longo dos meses seguintes. Também é possível que surja de forma repentina, pois, em alguns casos, os primeiros sintomas de depressão pós-parto só surgem vários meses após o nascimento do bebé.

Esta é uma condição extremamente comum. Estima-se que afecte cerca de 40% das mulheres que deram à luz. É muito importante que a mãe, ou algum familiar, reconheça logo os sintomas de depressão pós-parto, para que se proceda ao tratamento necessário.  Se a depressão não for acompanhada, e devidamente tratada, poderá durar muito tempo (meses e até anos). Com o apoio familiar e ajuda profissional a mãe poderá voltar, com confiança, ao seu papel maternal.

Sintomas a ter em atenção

Há muitos sintomas para identificar a depressão pós-parto. Como não há duas mulheres iguais, estes sintomas podem variar bastante, podendo ser mais evidentes ou mais subtis. Apesar disso, fique a conhecer os sinais mais comuns de que algo não está bem com a mãe no pós-parto.

  • Baixa auto-estima
  • Desinteresse pelo bebé
  • Irritabilidade, crises de choro constantes e ansiedade
  • Tristeza constante, especialmente na parte da manhã e/ou à noite
  • Sensação de culpa e de responsabilidade por tudo
  • Cansaço constante mesmo quando consegue descansar
  • Grande ansiedade em relação ao estado de saúde do bebé
  • Sensação de que o bebé é um estranho e não seu filho
  • Pensamentos negativos
  • Sentimentos de culpa, incapacidade, pessimismo, sensação de inutilidade
  • Perda de peso ou aumento de peso excessivo
  • Dificuldade de concentração e falta de memória
depressão pós-parto

Depressão pós-parto: como combater

Antidepressivos

Os antidepressivos são um dos métodos mais utilizados nos casos de depressão pós-parto, pois servem para reequilibrar as substâncias químicas presentes no cérebro. O objetivo é melhorar o humor, ajudar a recuperar as horas de sono e fazer com que se sinta menos irritável. Como existe uma fase de adaptação, vai demorar algum tempo até que seu corpo se adapte à medicação e pode não notar melhorias logo no início. No entanto, não deve, de forma alguma, iniciar, nem interromper, qualquer tratamento com antidepressivos sem o devido acompanhamento médico.

Terapia

Conversar com um terapeuta, psicólogo ou assistente social, para aprender a mudar os sentimentos e pensamentos que a depressão provoca, pode ser uma óptima ajuda só por si. Muitas vezes, a terapia é suficiente para reverter o quadro clínico. Não se intimide em procurar ajuda especializada e encare isto como um acto de amor próprio, para que possa ser a mãe que sempre sonhou ser.

Alimentação Saudável

Caso não tenha muito apetite, procure fazer pequenas refeições regularmente, para manter os níveis de açúcar, energia e manter o bom funcionamento do sistema imunológico. Escolha alimentos saudáveis e ricos em vitaminas.

Descanso

É muito importante dormir as horas necessárias, quando não conseguir, simplesmente relaxe. O sono é uma das principais armas contra a depressão pós-parto. Assim sendo, tente manter uma rotina a dormir e, principalmente, durma bem. Muitas vezes, isso será mais importante do que a quantidade de horas que dorme.

Exercício físico

Pode ser a última coisa que tenha vontade de fazer neste momento, mas fazer exercício físico vai ajudar a fazer com que se sentir melhor, tanto mental como fisicamente. Se já estiver inscrita, considere voltar  ao ginásio, se não for o caso, uma simples caminhada já trará consigo muitos benefícios.

Não exija demasiado e aceite ajuda

Aceite que está doente e precisa de tempo e espaço para recuperar. Não se sobrecarregue com tarefas domésticas que não sejam urgentes. Deixe que familiares e amigos façam tarefas por si, e não se iniba de pedir ajuda, principalmente ao seu parceiro.

Encontre-se com outras mães

A vida de uma nova mãe pode ser bastante solitária, procure encontrar-se e conhecer outras mães que estão a passar pela mesma fase de vida, verá que é bom saber que não está só e que existe mais alguém que também vive determinadas situações, e compreende bem o cansaço de cuidar de um recém-nascido.

Veja também