Ekonomista
Ekonomista
25 Nov, 2021 - 18:13

Aulas só recomeçam a 10 de janeiro: todas as medidas anunciadas

Ekonomista

Teletrabalho obrigatório depois do Ano Novo é outra da medidas de combate à pandemia que entra em vigor em janeiro.

Escolas encerradas devido ao surto de Covid-19

Após a reunião de Conselho de Ministros que teve lugar esta quinta-feira, dia 25 de novembro, o Primeiro-Ministro falou ao país. Anunciou que, a partir do dia 1 de dezembro, Portugal entra em Estado de Calamidade, data a partir da qual entram também em vigor as seguintes medidas de combate à pandemia.

As medidas que vão voltar a ter impacto nas nossas vidas

1

Teletrabalho obrigatório após o Ano Novo

Uma vez que se prevê o aumento de casos de COVID-19 após a época festiva, o Primeiro-Ministro anunciou que a semana de 2 a 9 de Janeiro será de contenção de contactos.

Isto significa que, durante este período, bares e discotecas serão encerrados e o teletrabalho será obrigatório. 

Os estudantes só regressarão às escolas a 10 de janeiro, sendo que esta semana de férias a mais será depois compensada nas férias de Carnaval (menos dois dias) e na Páscoa (menos três dias).

2

Máscaras obrigatórias em espaços fechados

As máscaras vão voltar a ser obrigatórias em espaços fechados e em todos os recintos não excecionados pela DGS.

3

Certificado digital obrigatório

A partir do dia 1 de dezembro, o certificado digital volta também a ser obrigatório no acesso a restaurantes, hotéis e alojamentos locais, tal como em ginásios e eventos com lugares marcados.

4

Teste negativo

Nas visitas a lares, a doentes em estabelecimentos de saúde, nos grandes eventos sem lugares marcados, nos recintos improvisados e recintos desportivos, nas discotecas e bares passa a ser obrigatório apresentar teste COVID-19 negativo.

5

Fronteiras com restrições mais apertadas

Os passageiros dos voos que cheguem a Portugal terão de apresentar obrigatoriamente um teste negativo. As sanções serão “fortemente agravadas para as companhias de aviação”, passando pela possibilidade de suspensão das licenças de voos, referiu António Costa.

Veja também