Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
15 Jul, 2020 - 10:53

Conheça as doenças mais comuns nas crianças no verão

Teresa Campos

Aproveite ao máximo as férias, protegendo os seus filhos das doenças mais comuns nas crianças no verão. Tome nota das mais frequentes.

doenças mais comuns das crianças no verão a ter em atenção

Costuma dizer-se que as doenças não tiram férias e, por isso, mesmo quando tiramos uns dias para descansar e nos divertirmos, corremos o risco de ser acometidos por alguma doença ou problema de saúde. Os miúdos estão ainda mais sujeitos a esta situação e, por isso, faz sentido falar sobre as doenças mais comuns nas crianças no verão.

Devido a alguns excessos ou, simplesmente, fruto da maior vulnerabilidade dos mais pequenos, há de facto doenças mais comuns nas crianças no verão. Conhecê-las e conseguir evitá-las garante umas férias mais tranquilas e sem sobressaltos.

11 doenças mais comuns nas crianças no verão

Gastrenterite aguda

O calor potencia as situações de gastrenterite aguda bacteriana, principalmente causada por bactérias salmonela. Para isso acontecer, basta ingerir ovos mal cozinhados, maionese, bolos com creme ou água contaminada.

Uma forma de prevenir este problema de saúde é evitar o consumo destes alimentos ou comê-los quando vêm de uma fonte confiável ou quando podemos verificar se estão ou não em bom estado.

Irritações na pele

O tempo quente aumenta a circulação de sangue, potenciando a inflamação. Além disso, existem produtos como cremes, detergentes da roupa ou até protetores solares que podem causar algumas reações dermatológicas, principalmente se a pele estiver suada.

O consumo, por norma mais frequente nesta época do ano, de alimentos como gomas, gelados e rebuçados também contribui para a irritação ou alergia da pele. Assim, é importante ter precauções no que diz respeito à correta e frequente higienização e hidratação da pele dos mais novos.

Picadas de inseto

Desde a primavera que insetos como mosquitos, melgas ou carraças estão mais presentes no nosso quotidiano, o que pode resultar em lesões na pele que podem provocar outro tipo de complicações.

Para evitar este problema, pode recorrer a repelentes que afastem os insetos. Em caso de picada, deve aplicar cremes e pomadas próprias para o efeito. Se a reação se revelar demasiado grave, é importante levar a criança ao médico.

crianças com bóias

​Acidentes

Não se trata de uma doença, mas é um problema muito frequente nas férias de verão com crianças. Quedas, traumatismos cranianos, cortes ou fraturas são bastante comuns e, por vezes, podem ser responsáveis por algumas idas ao hospital.

Assim, é importante ter sempre consigo um pequeno kit SOS, com soro fisiológico e compressas, para lavar uma ferida ou estancar alguma hemorragia. Como forma de prevenção, é importante supervisionar a criança, evitar comportamentos de risco e privilegiar zonas mais seguras para brincar, como relvados e areais, por exemplo.

Insolação

Estar na praia entre as 11h e as 16h e permitir que as crianças passem muito tempo a brincar debaixo do sol forte, por vezes sem a devida proteção, são duas circunstâncias que potenciam e muito a insolação.

Os principais sintomas deste problema são febre, vómitos, náuseas, diarreias, pele vermelha e dores de cabeça. Perante esta situação, deve levar a criança para uma zona fresca e tentar baixar a sua temperatura corporal, por meio de um banho de água tépida, por exemplo, e também da ingestão de água. Assim que a criança estabilizar, deve ser levada ao médico.

Para evitar esta situação, deve evitar ir à praia no horário em que os raios UV são mais fortes e, mesmo fora desse período temporal, proteger a criança com protetor solar adequado à sua pele e com a colocação de bonés ou chapéus e roupas protetoras do corpo. É ainda fundamental mantê-las bem hidratadas.

Família a divertir-se numa das praias com Bandeira Azul
Veja também Saiba como escolher o protetor solar para bebé e criança

Otite

Os mergulhos no mar ou na piscina podem facilitar as otites, principalmente se essas águas tiverem bactérias ou fungos capazes de infetar o ouvido externo. A otite carateriza-se por dor intensa no ouvido e pode ser acompanhada de febre; secreção ou odor desagradável no ouvido; perda de apetite; diarreia e vómitos.

Nestas situações, é mesmo necessário consultar um médico que, entre outras recomendações, aconselhará a toma de antibióticos. Para tentar evitar este problema recorrente, a criança pode colocar tampões nos ouvidos, na hora de ir para o mar ou para a piscina.

Micose

Entre as doenças mais comuns nas crianças no verão está a micose, uma infeção contagiosa, causada por bactérias e fungos, e que é particularmente comum na região dos pés. Pelas suas caraterísticas, é mais comum no verão, surgindo com o aspeto de frieira entre os dedos dos pés.

Sempre que detetar na criança pequenas bolhas avermelhadas, com bordas brancas elevadas, esse pode ser um sinal de micose. Para a prevenir, deve higienizar bem todas as regiões do corpo da criança e secá-las bem, pois é a humidade que propicia o surgimento de fungos.

Deve consultar um médico para saber qual o tratamento mais específico que deve adotar para tratar esta infeção.  

Família a divertir-se numa das praias com Bandeira Azul

Desidratação

Além da exposição solar mais frequente, nas férias de verão, as crianças dispendem muita energia e transpiram muito enquanto brincam horas e horas sem parar. Essa situação faz com que elas percam muitos líquidos que, autonomamente, nem sempre sabem repôr.

Assim, a desidratação é um problema sério e que afeta muitas vezes os mais novos. Esta condição manifesta-se através de sede excessiva; olhos fundos; e pele ressecada. Para prevenir esta complicação, deve oferecer com frequência água a criança, não substituindo esta bebida por sumos ou refrigerantes.

Infeção urinária

Mais comum nas meninas, este problema pode surgir devido ao uso de fato de banho molhado durante muito tempo. O ardor ao urinar e o prurido são os principais sintomas de infeção bacteriana urinária ou ainda das vulvovaginites.

Para prevenir estas complicações, deve vestir uma roupa seca quando a criança sai do banho. Além disso, é importante que os mais novos urinem regularmente e não retenham a urina durante muito tempo.

Brotoeja

As temperaturas elevadas e a transpiração podem ser uma combinação fatal para as crianças, desencadeando o aparecimento de bolhas vermelhas, sobretudo no pescoço e nas dobras dos mais pequenos.

Tratam-se de erupções cutâneas que podem causar prurido e ardor na pele. Para prevenir, deve vestir roupas leves à criança e dar-lhe banhos de água mais fresca.

Conjuntivite

A última das doenças mais comuns nas crianças no verão que vamos referir é a conjuntivite que se carateriza pela inflamação da membrana que cobre os olhos e a parte interna da pálpebra. Ela pode surgir devido a um vírus, bactéria ou alergia e é contagiosa.

No verão, esta irritação também se pode manifestar devido ao contacto com o protetor solar ou com o cloro das piscinas. Os seus principais sintomas são olhos vermelhos, secreção amarelada, dor e sensibilidade ao excesso de luz.

Para tratar, pode usar soro fisiológico numa compressa. Para evitar esta situação, pode colocar óculos de mergulho ao seu filho, antes dele ir até à piscina. Também é importante que a criança mantenha as mãos bem lavadas e não coce os olhos.

Veja também