ebook
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Prático e Descomplicado
Marvin Tortas
Marvin Tortas
18 Mar, 2021 - 15:19

As 10 estradas nacionais mais perigosas de Portugal

Marvin Tortas

Saiba quais são as estradas nacionais mais perigosas de Portugal. Conheça, também, os números se sinistralidade rodoviária referentes ao ano passado.

uma das estradas nacionais mais perigosas de Portugal

O trânsito caótico, o mau estado do piso, o descuido dos condutores e uma má sinalização bastam para uma combinação desastrosa. Antes de sair em viagem, conheça as 10 estradas nacionais mais perigosas de Portugal e evite acidentes.

As estatísticas comprovam que o problema da sinistralidade em terras portuguesas é grave. Ainda que o asfalto tenha sido alvo da preocupação pública e apresente melhorias em grande parte do país, a verdade é que os indicadores apontam a existência de verdadeiros “pontos negros” nas vias nacionais, o que se traduz em vias mortíferas.

Conheça os números referentes a 2020 e fique a par de uma dezena de estradas nacionais onde deve ter atenção redobrada.

Descem os números de vítimas nas estradas portuguesas

De acordo com a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), o progresso que se tem vindo a comprovar nos últimos anos é positivo, apresentando uma diminuição significativa no número de vítimas do trânsito, com uma redução notória no que toca a feridos.

Ainda assim, entre janeiro e novembro de 2020, registaram-se 23.630 acidentes no território continental e 360 vítimas mortais.

Segundo o relatório da ANSR, a colisão entre veículos foi a principal natureza de acidentes em 2020 e a maior parte das incidências registadas associam-se a automóveis ligeiros.

Quando comparado com o período homólogo do ano passado, regista uma diminuição dos números gerais (acidentes, vítimas mortais, com ferimentos graves e feridos ligeiros).

A lista negra do trânsito nacional

No relatório da ANSR pode ler-se que todos os indicadores apresentaram uma diminuição nos 11 meses analisados de 2020. Isto deve-se, em parte, ao Estado de Emergência e medidas associadas que vigoravam, à data, no país.

Ainda assim, há ocorrências a registar. No topo dos distritos com maior aumento de vítimas mortais nas estradas aparecem, por ordem, Leiria (com +8), Viana do Castelo (com +7), Lisboa (com +4) e Santarém (com +2).

Coimbra e Beja foram os distritos que apresentaram maior redução (-16).

Mas, nem só a distribuição geográfica define o número das tragédias no trânsito, sendo o tipo de estrada também relevante na análise.

Apesar de a diminuição de incidências se ter verificado em todo o tipo de vias, foi em arruamentos que se registaram o maior número de acidentes. As maiores reduções verificam-se nos Itinerários Principais.

Para além destas conclusões, o relatório de 2020 inclui, também, uma análise às ações de fiscalização realizadas nesse período. Neste tema destaca-se um aumento de infrações por excesso de velocidade.

Por outro lado, verificou-se uma diminuição nas infrações relacionadas com excesso de álcool no sangue, utilização do telemóvel, ausência de cinto de segurança e falta da inspeção periódica obrigatória.

Fique a conhecer mais sobre o problema e saiba quais as estradas nacionais mais perigosas de Portugal.

homem a conduzir com auriculares
Veja também Conduzir com auriculares é permitido? Saiba o que diz a lei

Top 10 das estradas nacionais mais perigosas em Portugal

1

Estrada Nacional 1

Antes de ser construída e de ver a migração de grande parte do tráfego para a A1, esta era a principal ligação com o Norte de Portugal.

Trânsito conturbado, excesso de veículos, peões e má sinalização são alguns dos factores perigosos que transformam alguns pontos da desta estrada em verdadeiras armadilhas.

2

Estrada Nacional 125

Longitudinalmente, esta via atravessa o litoral sul do Algarve, fazendo a ligação entre Vila do Bispo e Vila Real de Santo António. É sabido que a EN125 mostra uma exagerada taxa de acidentes rodoviários, contando com diversos “pontos negros”.

É uma alternativa gratuita às portagens na A22, pelo que se registou o aumento do tráfego e, consequentemente, o aumento na sinistralidade.

3

Estrada Nacional 2

Essa é a maior estrada em extensão do país e atravessa o nosso território de Norte a Sul. Inicia em Chaves e termina no Km 738, em Faro. Passa por 11 distritos, quatro serras, oito províncias, 32 concelhos e 11 rios.

Pela grandeza, não é difícil imaginar quantos troços necessitam de manutenção e anunciam acidentes.

4

Estrada Nacional 10

Por ligar muitos concelhos bastante povoados entre a margem sul e norte, comunicando com a A1, a A2, a A12 e a A9, esta é uma via muito concorrida e há perigos a evitar.

A zona mais perigosa da EN10 está no quilómetro 128, margem norte, entre Alhandra e Forte da Casa.

5

Estrada Nacional 118

Pensada para ser a Marginal esquerda do Tejo, da fronteira a Lisboa, esta estrada funcionava como uma alternativa perfeita à N3, que funciona com o mesmo objetivo da N118, neste caso, na margem oposta do Rio Tejo.

É uma das Estradas Nacionais mais simples por ter um traçado quase sempre retilíneo e plano. No entanto, o pequeno troço que fica na zona do Tramagal, em Abrantes, é particularmente sinuoso.

Entre 2010 e 2015 fez 44 mortos e marcou a sua presença na lista negra das estradas mais perigosas e mortais do país.

6

Estrada Nacional 13

Até passar a funcionar a A28, era a EN13 a via principal de ligação entre o Porto e o Minho, sendo ainda uma importante comunicação rodoviária com o nosso país vizinho.

Com a abertura da A28, essa estrada nacional passou a ser adaptada para o tráfego local, sendo parte de uma área urbana relevante. E é mesmo nas zonas mais povoadas que o perigo acontece.

7

Estrada Nacional 109

A Estrada da Costa da Prata começava no Porto, junto da Ponte Luiz I, e rumava para Leiria. Passava, entretanto, por praias como Valadares, Esmoriz, Espinho, Mira, Ovar, Figueira da Foz e Termas de Monte Real.

É o mau estado do seu piso que anuncia os muitos acidentes, especialmente quando esta condição é combinada com velocidade em excesso nas ultrapassagens, que contam com pouca visibilidade. Faz uso dessa via? Já sabe: atenção redobrada.

8

Estrada Nacional 18

De Ervidel à Guarda, atravessando o Rio Tejo na zona da Ponte de Portas de Ródão, encontramos mais uma das estradas nacionais mais perigosas de Portugal. 

Com a cobrança de portagens na A23, o trânsito não parou de crescer e, às linhas estreitas desta via, somaram-se zonas densamente arborizadas e um piso consideravelmente irregular.

Ora, daí resulta a combinação ideal para acidentes de viação, especialmente nas alturas de pico do inverno.

9

Estrada Nacional 103

Começa perto de Viana do Castelo, em Neiva, onde se encontra com a EN13, mas prolonga-se pelo lado Este do Alto Minho e pela enorme região Norte de Trás-os-Montes.

Passa por Braga, Chaves, Vinhais e Bragança e é caracterizada pela vista estonteante e por mostrar caminhos sinuosos.

Poucas oportunidades seguras de ultrapassagem e o gelo nas alturas mais frias do ano resultam numa combinação perigosa e justificam a entrada da EN103 na nossa lista negra.

10

Estrada Nacional 4

A Estrada Nacional 4, ou Estrada do Alentejo Central, faz a ligação do Montijo até a parte final da A6, já próximo de Montemor-o-Novo.

Segue em paralelo com a A6 e é uma alternativa bastante apetecível para quem quer evitar pagar portagens. No entanto, o grande fluxo de pesados, os desníveis, as lombas, a má sinalização e o pavimento já há muito esquecido pelo poder público fazem desta Estrada Nacional uma das vias mais arriscadas para conduzir em Portugal.

As estatísticas mostram onde está a oportunidade do acidente e agora que já tomou nota de alguns dos principais “pontos negros” do trânsito nacional, pode planear as viagens e fazer as melhores escolhas.

Seja prudente ao volante e contribua para a redução do número de vítimas nas estradas de Portugal.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].