Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Clara Cardoso Barreiros
Clara Cardoso Barreiros
20 Ago, 2018 - 11:10

8 sugestões de filmes musicais que vão convertê-lo… aos musicais

Clara Cardoso Barreiros

Os musicais são muitas vezes desdenhados só por serem musicais. Não caia nesse erro e dê uma oportunidade aos 8 filmes que selecionámos.

8 sugestões de filmes musicais que vão convertê-lo... aos musicais

O musical é um género no cinema muitas vezes mal amado, talvez por causa da sua ligeireza, talvez por se associarem aos filmes infantis que via em criança. Mas basta de generalizações. Vamos dar uma volta por alguns musicais clássicos e outros mais recentes, uns mais sérios e outros com mais graça. E pode descansar, não vamos tentar convencê-lo a ver o Mamma Mia ou o Grease.

8 musicais que vão fazer você repensar a sua opinião sobre o género

Serenata à Chuva (1952)

Realização: Stanley Donen, Gene Kelly

Com: Gene Kelly, Donald O’Connor, Debbie Reynolds, Jean Hagen

Don Lockwood e Lina Lamont são dois dos atores mais famosos da época do cinema mudo em Hollywood, e alvo de especulações e protagonistas em artigos de coscuvilhices. No entanto, o cinema mudo começa a entrar em declínio com o aparecimento do sonoro, e Lina não consegue fazer a transição para o cinema falado, precisando de uma dobradora.

Coincidência das coincidências, um dia, numa festa, Don conhece uma rapariga, Kathy, por quem se apaixona e que ajuda a arranjar trabalho no seu estúdio, como dobradora de Lina. E é assim que começa a história; pronto para assistir ao resto? Já agora, fique a saber que este filme é considerado por muitos entendidos do cinema o melhor musical de todos os tempos! Dê-lhe uma oportunidade.

Minha Linda Senhora (1964)

Realização: George Cukor

Com: Audrey Hepburn, Rex Harrison, Stanley Holloway, Wilfrid Hyde-White, Gladys Cooper

Este musical, também conhecido pelo seu nome original, My Fair Lady, é um daqueles clássicos imperdíveis para ver num sábado à tarde de chuva e trovoada.

Eliza Doolittle, uma rapariga pobre que vende flores pelas ruas de Londres, um dia cruza-se com o professor de fonética Henry Higgins, que acredita que o sotaque de um indivíduo dita a sua sorte na sociedade. Ouvindo o horrível sotaque da rapariga, ele aposta com o seu amigo Hugh Pickering que consegue, em menos de 6 meses, fazer com que Eliza pareça uma dama de alta sociedade.

Um Violino no Telhado (1971)

Realização: Norman Jewison

Com: Chaim Topol, Norma Crane, Leonard Frey, Molly Picon, Paul Mann

A história passa-se numa aldeia algures na Rússia czarista, no início do século XX. Lá cohabitam harmoniosamente (embora não se misturando) as comunidades judaica e cristã ortodoxa, cada uma com as suas tradições e preceitos.

O leiteiro Tevye, judeu, leva uma vida tranquila até o dia em que se lembra de querer casar as duas filhas mais velhas, Tzeitel e Hodel. Ambas recusam os noivos que o pai arranja e, para deitar ainda mais achas para a fogueira, a terceira filha, Chava, decide afrontar o pai e casar-se fora da comunidade. No meio desta trama familiar, sai um decreto do czar que obriga a que todos os judeus abandonem a aldeia, dispersando a comunidade pela Palestina, Polónia e Estados Unidos.

Um Violino no Telhado expõe os dilemas da identidade comunitária e religiosa, o confronto geracional e o forte sentimento anti-semita da Rússia Imperial.

Cabaret (1972)

Realização: Bob Fosse

Com: Liza Minelli, Michael York, Marisa Berenson, Joel Grey

Em Berlim, 1931, uma jovem Americana, Sally Bowles, é dançarina num cabaret, o Kit Kat Klub. Um dia, chega um britânico, o académico Brian Roberts, à residencial onde Sally vive. Ela tenta (e eventualmente consegue) seduzi-lo. Pouco tempo depois, o par cruza-se com Maximilian von Heune, um rico bon vivant, que os seduz a ambos e que acaba por abandoná-los. Nisto, Sally descobre que está grávida e debate-se com a hipótese de abortar.

Simultaneamente, temos uma intriga secundária que gira em torno de Fritz Wendel, um judeu alemão a fazer-se pasar por cristão, apaixonado por uma herdeira riquísima, também ela uma judia alemã. Com a ajuda de Sally, ele consegue conquistá-la; contudo, por causa de ataques nazis aos judeus, que ainda não haviam subido ao poder, ele sente-se dividido entre contar a verdade para conseguir o consentimento dos pais e estar calado e seguro.

Ao longo de todo o musical o tema do anti-semitismo está presente, é só olhar com um pouco de atenção. E tendo em conta a época em que foi rodado o filme, o facto de se abordar tão abertamente temas como a homossexualidade, é verdadeiramente impressionante.

8 Mile (2003)

Realização: Curtis Hanson

Com: Eminem, Kim Basinger, Brittany Murphy, Mekhi Phifer, Anthony Mackie, Proof

Jimmy, ou B-Rabbit, é um MC branco que sonha ter uma carreira de sucesso com sua música, apesar de viver na pobreza, numa família descompensada e ter a sua vida encruzilhada com a de gangues. Se alguma vez foi fã do Eminem, este é um trabalho que vale a pena conhecer. O sucesso Lose Yourself saiu deste musical, sabia?

Across the Universe (2007)

Realização: Julie Taymor

Com: Evan Rachel Wood, Jim Sturgess, Joe Anderson, Dana Fuchs, Martin Luther McCoy, T.V. Carpio

Se gosta de Beatles, este é musical dos musicais! Liverpool, década de 1960. Jude, um jovem da classe operária decide partir para os Estados Unidos à procura do pai, que teria engravidado a mãe quando estava estacionado em Inglaterra, durante a Segunda Guerra Mundial. É nos EUA que conhece Lucy, por quem se apaixona, e o boémio irmão desta. Se não o viu no cinema entre 2007 e 2008, não perca mais tempo e vá ver!

Sinfonia da Necrópole (2014)

Realização: Juliana Rojas

Com: Eduardo Gomes, Luciana Paes, Hugo Villavicenzio, Paulo Jordão

Deodato é um coveiro desanimado com o seu trabalho, mas decide deixar a sua demissão em águas de bacalhau com a chegada de Jaqueline, a funcionária do serviço funerário por quem se apaixona. Divertido, absurdo, surpreendente, genial, este musical consegue a proeza de criticar graciosamente a maneira como os interesses comerciais orientam as ações e condutas do indivíduo. Um dos musicais mais criativo que vai ter oportunidade de ver, sem dúvida!

La La Land (2017)

Realização: Damien Chazelle

Com: Emma Stone, Ryan Gosling

Mia faz audições atrás de audições sem nunca conseguir um papel. Sebastian é um pianista de jazz frustrado. Mia e Sebastian cruzam-se e apaixonam-se. Mas, no fim, as suas ambições profissionais levam a melhor, e cada um segue o seu caminho. Divertido, triste e bonito, La La Land é um daqueles musicais que tem de ver primeiro antes de formar uma opinião acerca do género.

Veja também: