Clara Cardoso Barreiros
Clara Cardoso Barreiros
19 Jul, 2018 - 00:00
10 filmes portugueses que precisa ver

10 filmes portugueses que precisa ver

Clara Cardoso Barreiros

Há pelo menos 10 filmes portugueses que são absolutamente obrigatórios para qualquer amante de cinema. Venha saber quais!

O artigo continua após o anúncio

Quem gosta de cinema (e gosta do que por cá é feito) sabe que uma lista com 10 títulos é um um exercício muito ingrato, porque o que não falta é bons filmes portugueses. Mas, enfim, temos de começar por algum lado, e estes são um ótimo começo para colocar-se a par do bom reportório lusitano.

Filmes portugueses que vai adorar

1. A Canção de Lisboa (Comédia – 1933)

Com: António Silva, Beatriz Costa, Manoel de Oliveira, Vasco Santana, Tereza Gomes

Realização: José Continelli Telmo

Este clássico do cinema português conta a história de Vasco, um estudante boémio de Medicina (ou seja, pouco estudante e muito festeiro) que vive às custas das tias ricas de Trás-os-Montes, e a quem já teria feito constar que era um doutor de alto gabarito.

O Vasquinho é namoradeiro e a sua última conquista é a costureira Alice, o que desagrada ao pai desta, o alfaiate Caetano, porque sabe que o moçoilo não é de assentar. As coisas começam a complicar-se para o rapaz quando as tias vêm visitá-lo à capital e ele tem de manter o embuste.

Para um povo tão melancólico, saudoso, fatalista e queixoso, um povo de temperamento fadista, até que temos uma veia piadética bastante apurada. Em 2016 houve um remake de Pedro Varela, com César Mourão, Luana Martau, Marcus Majella, São José Lapa e outros.

2. O Pátio das Cantigas (Comédia – 1942)

Com: António Silva, Francisco Ribeiro, Laura Alves, Vasco Santana

Realização: Francisco Ribeiro

O artigo continua após o anúncio

Por altura dos Santos Populares, num típico bairro lisboeta, assistimos aos dramas pessoais dos seus habitantes. Alfredo é bom rapaz, ao contrário do irmão Carlos, que é um estouvado. Carlos namora Amália, uma jovem frívola e irmã de Suzana, que está apaixonada por Alfredo. Rosa é a florista viúva do bairro, cortejada pelo beberolas Narciso (que é o pai de Rufino, da leitaria) e pelo merceeiro Evaristo, pai de Celeste, uma miúda mimada.

Em 2015 foi lançado um remake de Leonel Vieira, protagonizado por Miguel Guilherme, César Mourão, Dânia Neto e Sara Matos.

3. Os Verdes Anos (Drama – 1962)

Com: Rui Gomes, Isabel Ruth, Ruy Furtado, Paulo Renato

Realização: Paulo Rocha

Júlio, um jovem de 19 anos, muda-se para Lisboa, a fim de tentar a sua sorte como sapateiro. No seu primeiro dia na capital ele fica a conhecer Ilda, uma rapariga que trabalha como empregada doméstica numa casa junto à oficina onde ele está empregue.

Os dois apaixonam-se, mas Júlio sente-se deslocado e dentro de um ambiente hostil, o que leva a que venha a desconfiar de Ilda e que, num impulso do momento, rompa o namoro. Tudo termina em tragédia.

4. ‘Non’ ou a Vã Glória de Mandar (Drama – 1990)

Com: Luís Miguel Cintra, Diogo Dória, Luís Lucas, Miguel Guilherme

Realização: Manoel de Oliveira

O artigo continua após o anúncio

Nesta longa de Manoel de Oliveira temos a guerra colonial em África como pano de fundo. Nesta epopeia das derrotas militares de Portugal, seguimos um grupo de soldados portugueses que galgam o mato e a memória histórica da nação. Esta é, sem dúvida, um dos filmes mais interessantes do realizador.

5. Aquele Querido Mês de Agosto (Drama/Romance/Documentário – 2008)

Com: Sónia Bandeira, Fábio Oliveira, Joaquim Carvalho

Realização: Miguel Gomes

Aquele Querido Mês de Agosto, rodado em terras serranas, é um filme que cruza documentário e ficção duma forma muito fluida, quase imperceptível. Durante o verão, as aldeias enchem-se do seus antigos habitantes e prole respetiva, e os tempos são de romaria, bailarico e muita música.

6. Sangue do meu Sangue (Drama – 2011)

Com: Rita Blanco, Cleia Almeida, Rafael Morais, Anabela Moreira, Nuno Lopes

Realização: João Canijo

Márcia é mãe solteira de dois jovens adolescentes, Cláudia e Joca. Vivem todos juntos num bairro camarário de Lisboa com a irmã de Márcia, Ivete, que os ajudou a criar. Ora, Cláudia e Joca vivem momentos muito conturbados: ela, estudante de enfermagem e caixa de supermercado em part-time, apaixonou-se por um professor da universidade, casado; e ele, um pequeno traficante cadastrado, tentou enganar um gangster perigoso e foi apanhado.

Um dos filmes portugueses mais belos de sempre, sobre amor incondicional e redenção.

O artigo continua após o anúncio

7. É o Amor (Drama/Documentário – 2013)

Com: Anabela Moreira, Sónia Nunes, Francisco Torrão, Cassilda Pontes

Realização: João Canijo

Neste filme-processo-documentário viajamos até às Caxinas, zona piscatória de Vila do Conde, no norte do país. Aí acompanhamos de perto a vida das mulheres dos pescadores e as dinâmicas familiares destes núcleos. A relação dos maridos com as esposas é uma relação de união, dependência mútua e confiança: ele é o ganha-pão e ela zela pela harmonia do lar e da família.

É um dos filmes portugueses mais bonitos de sempre! Curiosamente, antes de a longa ter saído, a curta teve estreia no Festival Curtas de Vila de Conde de 2012, e foi um grande sucesso.

8. Os Maias – Cenas da Vida Romântica (Drama – 2014)

Com: Graciano Dias, Maria Flor, João Perry, Pedro Inês, Hugo Mestre Amaro

Realização: João Botelho

Portugal, séc. XIX. Afonso da Maia desposa Maria Eduarda Runa, com quem tem um filho de nome Pedro, um jovem de temperamento fraco, instável e nervosento. Já crescido, Pedro conhece Maria Monforte, por quem se apaixona e com quem casa, contrariando o patriarca dos Maias. Da relação nasce Carlos Eduardo e Maria Eduarda.

Alguns anos depois, Maria Monforte, leviana, excêntrica e moralmente fraca, enamora-se de um príncipe napolitano, com quem acaba por fugir, levando a filha Maria Eduarda. Pedro e o pequeno Carlos são acolhidos pelo avô, Afonso, mas Pedro, totalmente destroçado e incapaz de lidar com o golpe, suicida-se.

Carlos, ainda pequeno, cresce, então, aos cuidados do avô, seguindo uma educação à inglesa, de modo a evitar que nele se desenvolvesse um espírito fraco igual ao do pai. Já adulto, Carlos termina o curso de Medicina em Coimbra e muda-se para a capital, onde pretende iniciar carreira. Avô e neto instalam-se, assim, no Ramalhete. Ora, certo dia ele conhece Maria Eduarda, por quem tem uma paixão arrebatadora, não adivinhando os laços familiares que os uniam. Se é apreciador de literatura portuguesa, e em especial da obra de Eça de Queirós, este filme é imperdível.

9. As Mil e Uma Noites (Drama – 2015)

Com: Crista Alfaiate, Dinarte Branco, Carloto Cotta, Adriano Luz, Joana de Verona, Rogério Samora. Maria Rueff

Realização: Miguel Gomes

Um filme que na realidade vem dividido em 3, com base na coleção de histórias das Mil e Uma Noites (que Xerazade todas as noites contava ao seu marido, com o objetivo de o ter de tal modo entretido, para que este não a mandasse matar).

Com estes molde tão original, o Portugal da crise é-nos pintado ao mais ínfimo pormenor: desemprego, manobras políticas, incêndios de verão… A sátira e o inusitado são instrumentos usados com grande mestria nesta portentosa obra de Miguel Gomes! É de ver e rever.

10. São Jorge (Drama – 2016)

Com: Nuno Lopes, Margarida Nunes, David Semedo, Gonçalo Waddington, Beatriz Batarda, José Raposo, Jean-Pierre Martins

Realização: Marco Martins

Jorge é um pugilista desempregado, que tem a cargo a mulher, Susana, e o filho, Nelson. Susana é imigrante brasileira e, quando a crise financeira se instala, ela decide voltar ao seu país natal. Jorge vê-se a braços com um filho pequeno para cuidar, o que o obriga a aceitar um trabalho numa empresa de cobrança de dívidas. Aí, à medida que se embrenha num mundo de crime gerado pela pobreza, Jorge debate-se com o que é a moralidade.

São Jorge é, sem dúvida, um dos melhores filmes portugueses dos últimos tempos. O realizador Marco Martins e o ator Nuno Lopes estão de parabéns!

Guarde umas horinhas das férias para ver e rever este rol de filmes portugueses! Vai ver que não se irá arrepender.

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp