Márcio Matos
Márcio Matos
13 Set, 2019 - 13:40
Gronelândia: a terra do gelo que Trump quis comprar

Gronelândia: a terra do gelo que Trump quis comprar

Márcio Matos

A Gronelândia é mais do que gelo e frio. Conheça melhor esta regão e descubra os seus encantos, ainda que ameaçados pelos avanços do aquecimento global.

O artigo continua após o anúncio

Nos últimos anos, a Gronelândia tem estado, com frequência, nas bocas do mundo. Este destino tem estado associado a um tema global e que devia ser uma preocupação de todos nós, mas que por vezes é esquecido: o aquecimento global.

Ora, a Gronelândia merece toda a atenção quando se fala neste tema, pois tem sido constantemente notícia por causa do degelo. Neste local, o gelo tem derretido a níveis assustadores, batendo recordes que podem tornarem-se catastróficos para todos nós (por exemplo, no último dia do mês de julho, desapareceram 10 mil milhões de toneladas de gelo…).

Recentemente, este destino também foi notícia pela intenção do Presidente dos EUA comprar a Gronelândia (pretendendo repetir a compra feita em 1867, quando o Alasca foi vendido pelos russos aos americanos, tendo-se tornado num dos melhores negócios dos EUA, já que o Alasca se tornou num ponto estratégico militar vital). Em todo o caso, os EUA já possuem uma base na Gronelândia, no noroeste da ilha.

Gronelândia: um destino com muito para ver e fazer

aurora gronelandia

Hoje, é a terra do povo Inuit, mas pela Gronelândia já passaram destemidos exploradores e ferozes Vikings. A beleza da Natureza deste território, adverso pelas suas temperaturas negativas (80% do seu território é coberto de gelo), revela-se em todo o esplendor nos enormes glaciares, nos gelados fiordes, nos trilhos que atravessam zonas de um verde magnífico (sim, também há zonas verdes por lá). Neste local quase não há estradas, por isso é comum recorrer a barcos, helicópteros ou trenós puxados por cães para visitar partes desta ilha.

A Gronelândia é uma região autónoma do Reino da Dinamarca e é uma ilha (a maior do mundo) habitada por cerca de 56 mil pessoas com uma extensão superior a 2 milhões de quilómetros quadrados. Ela integra pequenas ilhas vizinhas e está presente geograficamente na placa tectónica americana, fazendo por isso parte da América (embora não oficialmente). Terão sido os paleoesquimós, vindos do Canadá e do Alaska, que colonizaram a Gronelândia há 4.000 anos.

O gronelandês (Kalaallisut) é a língua oficial deste território, sendo que a partir do primeiro ano de escola é ensinado o dinamarquês à maior parte dos alunos, como segunda língua. Nos últimos tempos, tem havido um crescimento no uso do inglês, o que é ótimo para quem visita o espaço e não domina as outras línguas referidas.

O que ver e o que fazer por lá

Iceberg Gronelância

1. Os maiores do mundo

Facilmente se comprova que este território tem muito mais para oferecer do que só gelo e frio. Aqui, pode visitar o maior fiorde (entrada de mar entre altas montanhas rochosas) do mundo, conhecido como Scoresby Sund, cujo nome advém de William Scoresby, figura que mapeou a região em 1822.

Outra opção é visitar um espaço gigantesco, o Parque Nacional do Nordeste da Gronelândia. Este é o maior parque nacional de todo o mundo e possui uma área de 972 mil km² (maior que Espanha e França juntas!).

O artigo continua após o anúncio

2. Museus e cultura

O Museu Knud Rasmussen’s está situado na cidade de Ilulissat. Este espaço é dedicado ao “pai da Esquimologia”, um explorador dinamarquês Knud Rasmussen. Outra opção muito procurada é o Museu de Arte de Nuuk. Este intrigante museu fica no bairro de Kissarneqqortuunnguaq. Neste espaço, poderá encontrar figuras em marfim, madeira, pedra-sabão e ainda desenhos, aquarelas e pinturas. Muito da história da região e parte da sua melhor arte estão presentes neste espaço.

Entre os museus, são também boas opções o Greenland National Museum and Archives que condensa num só espaço mais de 4000 anos de história (onde poderá encontrar trenós, barcos, armas vestes antigas e até múmias!…) e o Museu Sisimiut – ao ar livre – que congrega umas nove casinhas encantadoras.

Outras opções

Ittoqqortoormiit que é um espaço encantador com casinhas coloridas e onde habitam apenas 500 pessoas.  Sermermiut um local com muita história (é o principal assentamento fundado por povos esquimós que viveram nesta terra há mais de 3 mil anos). Outro assentamento interessante é Ukkusissat (localizado em Qaasuitsup).

A pesca é essencial neste local que é frequentemente visitado por navios de cruzeiro e que, em pleno inverno, só se consegue visitar de trenó puxado por cães (tanto helicópteros como barcos não são solução viável). O glaciar Ilulissat pode ser sobrevoado (sendo conhecido como o glaciar que mais gelo liberta para fora da Antártida) de helicóptero e é uma experiência incrível. Outra opção diferente é conhecer a fundo o projeto da artista local Aka Høegh, uma das lideres do “Stone & Man”. Este projeto congrega a obra de 18 artistas nórdicos (provenientes das Ilhas Faroe (território da Dinamarca), da Noruega, da Finlândia e da Suécia) que, em 1993 e 1994, visitaram a cidade de Qaqortoq.

3. Nuuk

Hans Egede é um nome de relevo na Gronelândia. Foi fundador de Nuuk que é a capital do país. Hans Egedes Hus é a casa onde viveu. Apesar das visitas não serem abertas aos turistas, é possível vê-la por fora e é um espaço normalmente recomendado. Há uma estátua de Hans Egede que cativa e está localizada numa colina próxima da igreja da cidade, a Nuuk Cathedral.

Visitar esta igreja revela-se uma experiência encantadora. Ela foi fundada em 1849 e destaca-se pelo seu arrojo. A sua cor vermelha sobressai na paisagem que a circunda. Na capital, poderá ainda visitar o posto de turismo de Nuuk (prédio onde funciona o Conselho Nacional de Turismo da Gronelândia), onde se encontra uma caixa de correio vermelha enorme, onde pode deixar os seus pedidos ao Pai Natal.

4. O que comer, onde dormir e como ir

O que comer

Uma das coisas que poderá provar é foca ou baleia, pois esta é a base da dieta alimentar dos inuits. Embora nos possa impressionar, é necessário compreender as tradições do povo e o seu contexto. Na Gronelândia, os solos não são férteis, portanto não há legumes ou frutos e as batatas são o único tubérculo que cresce no território. Mamartut, Cafe Ferdinand, Restaurant Icefiord (todos em Ilulissat), Restaurant Qulaani, Sarfalik, Qooqqut Nuan (todos em Nuuk) Restaurant Nasaasaaq (em Sisimiut) são algumas sugestões para fazer as suas refeições.

Onde dormir

Hvide Falk, Hotel Artic Ilulissat, Hotel Sisimiu representam boas opções.

O artigo continua após o anúncio

Como ir

Para assegurar um voo para a Gronelândia, pode optar entre a Air Greenland ou a Air Iceland.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp