Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
21 Fev, 2020 - 12:05

Como saber interpretar as análises clínicas em alguns passos

Teresa Campos

Saber interpretar as análises clínicas é útil, sobretudo nos dias que antecedem a consulta médica e já tem os resultados das análises na mão.

Médica a interpretar as análises clínicas

Saber interpretar as análises clínicas deve ser um exercício posto em prática pelo médico. Todavia, se já tem os resultados das suas análises e encontra-se a aguardar a consulta com o clínico que a acompanha, é normal que queira perceber um pouco melhor aquilo que vem descriminado em todas aquelas folhas cheias de palavras e números.

Hoje, vamos orientá-lo e procurar que fique a perceber um pouco melhor quais os principais marcadores presentes nas análises clínicas, assim como dizer-lhe aquilo que eles podem indicar e quais os valores de referência de cada um deles.

No entanto, nunca esqueça que qualquer tipo de orientação clínica só pode mesmo ser dada por um médico.

Saber interpretar as análises clínicas, antes de ir ao médico

Homem a fazer análises clínicas

As análises clínicas servem de meio auxiliar de diagnóstico e podem ser essenciais quer para o tratamento, quer para a prevenção de uma série de doenças. Contudo, podem também revelar um problema de saúde, assim como complementar ou confirmar uma suspeita. Assim sendo, sugere-se a realização de análises uma vez por ano, como rotina e controlo.

Saber interpretar as análises clínicas de forma correta é algo complexo e é uma tarefa pela qual o médico que acompanha o doente é responsável e, ao contrário do que muitas pessoas pensam, para saber interpretar as análises clínicas não basta compara os valores das suas análises com os valores de referência disponibilizados.

Fatores que influenciam

Há vários fatores que podem interferir nos resultados das suas análises e que só o clínico que o acompanha os conseguirá interpretar e perceber. Assim, a idade, o género, a condição clínica, a medicação e o historial clínico e familiar são fatores que podem influenciar o que vem plasmado nas análises.

No entanto, sabemos que a partir do momento em que o paciente recebe as análises, a curiosidade de as ver é maior e, por isso, ainda que nada substitua a consulta médica, pode ser útil para todos nós saber interpretar as análises clínicas, ainda que de forma básica e superficial.

Estrutura

As análises são capazes de avaliar uma série de substâncias que ajudam no diagnóstico duma série de patologias. Algumas dessas substâncias são proteínas, anticorpos, células, eletrólitos, colesterol, hormonas, drogas ou mesmo bactérias e vírus.

As análises clínicas podem dividir-se em quatro grandes grupos:

  • Hemograma
  • Bioquímica
  • Estudo da urina
  • Fezes

O A, B, C,… das análises clínicas

testes de colesterol
Deve fazer análises ao colesterol com regularidade

Ácido úrico

A hiperuricemia corresponde a níveis muito elevados de ácido úrico no sangue, o que pode ser um sinal de doenças metabólicas e renais (gota ou cálculos renais, por exemplo), de uma grande ingestão proteica, de excesso de álcool ou do efeito secundário de certos medicamentos. Os seus valores de referência variam entre os 2,5 e os 8 mg/dL.

Albumina

Este é o nome da proteína que mais abunda no sangue e, portanto, trata-se de um parâmetro a analisar muito importante. Assim, a albumina é sintetizada no fígado e o défice desta proteína pode indicar que a alimentação que se está a fazer não é a mais saudável, ou a presença de uma doença hepática. Os valores de referência devem estar entre os 3,5 e os 5,5g/dL.

Colesterol

Muitas pessoas julgam que ter colesterol é mau. Porém, todos temos de ter colesterol (até porque o nosso corpo o produz). Logo, o problema está em ter excesso de colesterol e, neste caso, de colesterol LDL (também conhecido por mau colesterol).

Assim, neste aspeto, é preciso atentar em três valores distintos. São eles os do colesterol bom (HDL), colesterol mau (LDL) e colesterol total. Atente nos valores gerais de referência recomendados:

  • Colesterol Total 150 – 199 mg/dL;
  • HDL superior a 35mg/dL para os homens e 45mg/dL nas mulheres;
  • LDL inferior a 130mg/dL.

Creatinina

A creatinina ajuda a avaliar o estado renal. Se esta substância se acumular no sangue, pode ser sinal de insuficiência renal e os seus valores de referência devem variar entre os 0,7 e 1,3 mg/dL.

Eletrólitos

Estes minerais mantêm o equilíbrio aquoso saudável e estabilizam o pH do organismo. Por isso, são essenciais na monitorização de doenças como hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, doença hepática ou renal.

Estes minerais são compostos por micronutrientes com os seguintes valores de referência:

  • Magnésio: entre 1,1 e 2 mEq/L;
  • Sódio entre 135 e 145 mmol/L;
  • Potássio entre 3,6 e 5,2 mmol/L;
  • Cloretos entre 99 e 109 mmol/L.

Glicose

Os valores de glicose são o principal indicador da existência ou não de diabetes. Assim sendo, é importante saber que, em jejum, o valor de glicemia deve estar algures entre 70 e 105 mg/dL.

médico a passar atestado de incapacidade a paciente
Não perca Há quanto tempo não faz um check-up médico?

Hemograma

O hemograma mede o número de glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos), de glóbulos brancos (ou leucócitos), de plaquetas, de hemoglobina, entre outras substâncias. O seus valores de referência são os seguintes:

  • 4,2 a 5,9 x 1012 células/ L para eritrócitos
  • 3,9 a 10,7 x 109 células/L para leucócitos
  • 150 a 350 x 109 células/ L para plaquetas
  • 12 a 16 g/dL em mulheres e 15 a 17 g/dL em homens para hemoglobina.
análises à urina

Urina

Além daquilo que se pode interpretar só ao observar a cor da urina, há ainda a informação que a análise pode dar. Uma quantidade anormal de proteínas na urina é indicador de doença renal; a glicosúria (glicose na urina) pode estar relacionada com diabetes ou disfunção tubular renal e uma urina saudável deve apresentar um pH entre 5 e 9.

Fezes

Esta análise pode servir para verificar a presença ou não de parasitas (vermes), mas também para detetar outros problemas, em caso de sangue nas fezes, por exemplo. Uma análise às fezes pode ajudar a despistar situações de cancro e os seus valores de referência são:

Valores de referênciaResultado
0 – 10Negativo
10 – 19Positivo fraco
20 – 100Positivo
100 ou superiorPositivo forte
Veja também