Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Elsa Santos
Elsa Santos
11 Nov, 2019 - 11:14

Língua Gestual Portuguesa: 10 coisas que deve saber

Elsa Santos

Entre informações, curiosidades e cursos, descubra o essencial sobre a Língua Gestual Portuguesa.

língua gestual portuguesa

Sabe-se que que serão cerca de 115 mil as pessoas que, apesar de possuírem défice auditivo, desconhecem a Língua Gestual Portuguesa (LGP). Além disso, desconhece-se, ao certo, quantos surdos existem em Portugal, por falta de estatísticas.

Os Censos de 2001 registaram 84.172 deficientes auditivos, sendo que não é claro qual a verdadeira percentagem de surdos, considerando que é feita distinção entre quem não ouve e quem tem algumas dificuldades relacionadas, nomeadamente, com a saúde ou a idade.

Certo é que são muitos os portugueses que, diariamente, comunicam por gestos e outros tantos que, apesar de falantes, aprendem a fazê-lo.

Para que perceba a sua importância, para que esclareça dúvidas, desfaça mitos e para que saiba onde aprender, apresentamos-lhe duas mãos cheias de coisas que deve saber sobre a Língua Gestual Portuguesa.

TUDO SOBRE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

mulher a fazer uma palavra em língua gestual

É uma língua, não uma linguagem

Este é um erro muito comum entre os ouvintes, incluindo a comunicação social. Não existe linguagem gestual, mas sim língua gestual. Por linguagem entende-se um sistema de símbolos ou objectos constituídos como signos, como a linguagem das cores ou a linguagem corporal.

Uma língua é um sistema de signos, arbitrário e convencional, com gramática, estrutura e dinâmica próprias.

A Língua Gestual Portuguesa (LGP) é o veículo de expressão específico da comunidade surda e os gestos utilizados são constituídos por cinco parâmetros base: configuração de mão, movimento, expressão não-manual, localização e orientação.

Não há surdos-mudos, há surdos

Ao contrário do que possa ter ouvido muitas vezes, não existem surdos-mudos. Uma pessoa surda não ouve, mas tem cordas vocais o que significa que não é muda. Alguns surdos, por opção, por necessidade ou por educação nesse sentido, conseguem falar, apesar de não ouvirem.

Considerando o mecanismo natural, o facto de não ouvir dificulta muito o desenvolvimento da oralidade. Por isso, existe a língua gestual.

Não há uma língua gestual universal

Tal como o idioma, cada país tem a sua própria língua gestual. Em Portugal, à semelhança do que acontece noutros países, existem vários dialetos ou regionalismos, de acordo com a zona do país, o que a torna a língua ainda mais única, rica e complexa.

Em todo o mundo, há diversas línguas gestuais: a ASL (American Sign Language), a BSL (British Sign Language), a LIBRAS (Língua de sinais Brasileira), entre outras. Apesar das diferenças, partilham uma semelhança: nenhuma delas nasce da língua oral do seu país, mas sim da história da comunidade surda que a utiliza.

Uma vez que cada país tem a sua língua gestual, são necessários tradutores e intérpretes capazes de estabelecer a comunicação, para além de intérpretes de Língua Gestual para Língua Oral ou Escrita (e vice-versa).

Estrutura da Língua Gestual Portuguesa

A LGP apresenta uma sintaxe muito diferente do Português. A ordem básica das frases divide-se em SOV (sujeito-objeto-verbo) e OSV (objeto-sujeito-verbo). Na oralidade é equivalente a dizer: Eu trabalho vou/ Trabalho eu vou.

Quanto às interrogativas, declarativas ou exclamativas, essas identificam-se com elementos não manuais, como o arquear das sobrancelhas e dos ombros.

Música e teatro: perceção

Um surdo consegue “ouvir” música. Ou melhor, consegue sentir a vibração e com isso ter a perceção do som. Há espetáculos pensados especificamente para conseguirem chegar também ao público surdo.

Quanto ao teatro, a comunidade surda vai ganhando palco. Há cada vez mais entidades (companhias, instituições) empenhadas em tornar as peças acessíveis a todos.

Aprender LGP: Porquê?

criança aprende língua gestual

Existem diversos benefícios (ou vantagens) em aprender a LGP, especialmente para quem tem familiares ou amigos surdos. É, igualmente, importante que pedagogos, professores, técnicos de saúde e educação, possuam a capacidade de comunicar em LGP. Dessa forma, contribuir-se-à para uma comunicação mais eficaz e para o bem-estar da comunidade.

É difícil?

Aprender LGP é tão difícil quanto outra língua qualquer. Esta é uma forma de comunicação que se desenvolve tal como as línguas orais, sendo que a única diferença é que são utilizados os movimentos de mãos, corpo e expressões faciais. O essencial é a prática.

Onde aprender?

Com o objetivo de ajudar a derrubar barreiras na comunicação entre surdos e ouvintes, ao longo do tempo, foram aparecendo cursos de Língua Gestual Portuguesa um pouco por todo o país e também online.

Seguem-se algumas possibilidades:

A estes juntam-se outros, de curta ou longa duração, promovidos por associações e outras entidades locais, regionais ou nacionais.

Guia breve da Língua Gestual Portuguesa

Apresentamos algumas dicas essenciais sobre a LGP:

  • Existe uma mão dominante, sendo o seu desempenho diferente da mão não dominante;
  • Há cinco critérios fundamentais a ter em conta: Configuração das mãos; Movimento das mãos, Local de Articulação; Orientação das mãos; Componente que não usa mãos (expressão e movimento corporal);
  • Para definir o género numa frase, apenas se aplica a seres animados e esta marcação ocorre apenas no feminino;
  • A numeração é realizada através de repetição, duplicação (usando um gesto com ambas as mãos) ou incorporação (usando um método numeral ou determinativo);
  • A estrutura frásica não acompanha os mesmos elementos usados em língua oral;
  • A expressão facial é determinante para indicar interrogativas.

No cinema há algumas obras a que vale a pena assistir e que o vão ajudar a perceber o quão importante é que todos saibam comunicar nesta que é uma das línguas oficiais do país.

  • “Filhos do Silêncio” que, em 1986, valeu um Óscar à atriz surda Marlee Matlin;
  • “Babel”, com Brad Pitt e Cate Blanchett;
  • “Nada que eu ouça” que põe em cena temas como os implantes cocleares, a identidade e o orgulho surdo;
  • “Mr. Holland – Adorável Professor”;
  • “O Milagre de Anne Sullivan”.

O Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa comemora-se a 15 de novembro.

Veja também