ebook
           
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Patrocinado por Escola Virtual - Grupo Porto Editora
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
04 Jul, 2022 - 13:00

O que nunca dizer num processo de negociação salarial

Catarina Milheiro

Saiba o que nunca dizer num processo de negociação salarial para não sair prejudicado!

O que nunca dizer num processo de negociação salarial

Não há dúvida que, para muitos, a própria entrevista de emprego por si só signifique um momento de stress. No entanto, muitos candidatos a uma vaga de trabalho consideram a etapa que vem a seguir um pouco mais complicada.

Mas a verdade é que negociar não tem que ser assim assustador. Por isso mesmo é que é tão importante saber o que nunca dizer num processo de negociação salarial.

Se se preparar bem, vai conseguir apresentar todos os seus argumentos para justificar o salário que pretende e ter sucesso ao longo da conversa. Assim, em vez de entrar em pânico, prepare-se connosco.

O que nunca dizer num processo de negociação salarial: 7 erros a evitar

Está a chegar aquele momento em que sente que tem abertura para marcar uma reunião com a sua chefia e pedir um aumento. Ou até está numa entrevista de emprego e está mesmo a antever que vai surgir uma proposta concreta.

Tudo está a correr sobre rodas até que diz algo que não cai muito bem. Josh Doody, especialista em negociação e autor do livro “Negociar o salário sem medo” dá uma ajuda sobre o que nunca dizer num processo de negociação salarial.

duas pessoas a cumprimentar-se após negociar salário

“Atualmente o meu salário é…”

Uma das perguntas mais comuns feita pelos recrutadores é “como está agora em termos de salário e o que pretende alcançar?”. Na verdade, é importante que não se deixe levar.

Isto porque responder a esta questão e revelar alguns números pode dificultar a negociação mais tarde. A partir do momento em que refere qual é o seu salário atual e qual o seu objetivo salarial, as ofertas estarão sempre relacionadas com esses números.

A eterna questão sobre as expectativas salariais

Tal como a pergunta sobre o seu salário atual, esta deve ser uma das questões mais típicas em ambiente de entrevista de emprego.

Pois bem, fuja dela. E porquê? Porque se adiantar um valor nessa altura, dificilmente sairá depois dessa “caixa” de valor e não conseguirá negociar.

Valores integram o que nunca dizer num processo de negociação salarial quando falamos de uma etapa inicial de recrutamento, pois vai “minar” os passos seguintes.

Tente fugir de forma elegante dizendo que se encontra entre x e y, dando algum espaço para negociar. Claro está que não vai dar números gigantescos, sob o risco de ser eliminado à partida.

“Peço desculpa, mas…”

Como sabemos, negociar um salário não é confortável e a tendência do candidato é para tentar suavizar a conversa séria e delicada. Mas é crucial que se adapte e encare o processo com a maior naturalidade possível.

Poder de negociação é também uma competência importante e valorizada por muitas empresas. Não seja arrogante, mas mostre firmeza!

Dizer “não” ou utilizar palavras negativas

Tente colocar tudo na positiva. Ou seja, em vez de dizer “esse valor não funciona para mim”, experimente algo como “sentir-me-ia mais confortável se conseguíssemos chegar a outro valor”.

Vai ver que a reação é mais positiva. Atitudes positivas geram reações positivas.

“Mais” benefícios, ou “mais” dinheiro

A palavra mais pode até ser natural para si, por estar a negociar para conseguir mais qualquer coisa. No fundo, trata-se de uma palavra muito genérica para uma negociação salarial e, por isso mesmo, não deve ser utilizada.

Em vez de pedir mais benefícios ou mais dinheiro, seja específico e não deixe valores no ar. Por exemplo: opte por dizer algo como “a minha expectativa salarial é algo que ronda o valor x”.

Dizer “sim”, mas com cautela

Da mesma forma que não deve usar palavras negativas, deve ter cuidado com a palavra “sim”. Admirado?

Pois bem, fazem-lhe uma proposta que parece boa demais para ser verdade. Mas não se esqueça: os recrutadores não fazem nada ao acaso! Aproveite para tentar negociar mais um pouquinho!

“Eu quero” ou “eu preciso”

Uma das coisas que nunca deve dizer num processo de negociação salarial é a palavra “quero” ou “preciso”. Isto porque estas duas pequenas palavras podem mesmo colocar um fim à negociação.

Opte por recorrer a factos, demonstrando uma situação específica – esteja focado nas necessidades da empresa e de que forma poderá ajudar a alcançá-las. Desta forma, estará a mostrar ao recrutador o valor que agregará ao negócio.

5 dicas para que tudo corra bem

Prepare-se antes de começar a conversa sobre o seu salário

Faça uma pesquisa sobre a empresa, colaboradores e cultura organizacional. Tente perceber a dimensão do negócio e o setor de atuação para que seja possível ajustar o valor do salário desejado.

Por exemplo: o trabalho numa pequena empresa nacional, pode não oferecer o mesmo salário base para a mesma posição numa empresa bem estabelecida no mercado.

Compreenda de que forma poderá agregar valor à empresa

Antes da negociação salarial, considere todas as suas habilidades e experiência e de que forma poderá contribuir agregando valor para a empresa.

Reflita bem sobre possíveis objetivos atingidos em funções anteriores e apresente números e situações concretas.

Aguarde pelo momento certo

Controle a ansiedade e prepare-se para o momento da conversa. Normalmente, os recrutadores preferem negociar o salário depois do primeiro contacto com o candidato.

Mantenha a calma e faça uma revisão dos seus argumentos

É essencial que os seus argumentos salariais estejam baseados em razões que façam sentido para a empresa e através das quais seja possível observar que vai agregar valor de alguma forma.

Nunca utilize razões pessoais para defender o seu ponto de vista e mantenha-se flexível para uma eventual negociação.

Peça a formalização da proposta por escrito

Assim que chegar a um acordo com o recrutador, peça a formalização da proposta por escrito, juntamente com uma breve descrição do trabalho e uma lista de responsabilidades para a sua nova função. Normalmente, trata-se do contrato de trabalho que é assinado por si e pelo empregador para garantir que estão de acordo.

Veja também