Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
16 Fev, 2024 - 14:10

Petiscar todo o dia afeta a sua saúde mental: entenda

Catarina Milheiro

Um quadradinho de chocolate, uns snacks, um bocadinho de pão. Saiba por que motivo petiscar todo o dia afeta a sua saúde mental.

Já parou para refletir sobre como foi o seu dia? A tendência quando fazemos este exercício é para nos lembrarmos de alguns momentos em que interrompemos o que estávamos a fazer para petiscar qualquer coisa. Seja um chocolate, bolachas, fruta ou até mesmo uma barrita de cereais.

Quando este tipo de comportamento se torna repetitivo e começa a afetar o nosso controlo sobre ele, pode ser prejudicial para a nossa saúde. Na realidade. petiscar todo o dia afeta a sua saúde mental.

Trata-se de um comportamento intitulado por “grazing”, que consiste na ingestão de pequenas quantidades de comida de forma repetitiva e não planeada. Ou seja, no fundo não existe uma resposta ao estímulo da fome, o que faz com que a pessoa sinta que perde o controlo do que ingere.

Mas não confunda com a compulsão. Neste caso, existe um consumo de uma quantidade grande de alimentos numa única ação e não de forma repetida (como comer uma pizza inteira de uma só vez, por exemplo).

Fique connosco e saiba por que motivo petiscar todo o dia afeta a sua saúde mental.

Petiscar todo o dia afeta a sua saúde mental: mas de que forma?

De uma forma geral, o “grazing” está associado ao momento do dia em que a pessoa procura algum tipo de alívio na comida ou de relaxamento para compensar uma situação.

Por exemplo: quando nos sentimos sob pressão no trabalho, o instinto pode ser o de petiscar alguma coisa sem sequer darmos conta que não temos fome nenhuma e que aquele é um comportamento que serve apenas para nos relaxar.

Aprender a identificar este tipo de comportamento pode ajudar bastante a prevenir outros transtornos associados a problemas psicológicos ou alimentares como a compulsão.

No fundo, podemos dividir o grazing em duas escalas: o grazing repetitivo que está associado ao nível mais baixo de desregramento na alimentação e que não é tão grave, e o grazing compulsivo, que prejudica a sua saúde mental por estar relacionado com o descontrolo.

O grazing e a saúde mental

Petiscar o dia todo pode afetar a sua saúde mental. Afinal podemos estar perante um transtorno alimentar no qual a pessoa tem a necessidade constante de consumir alimentos ao longo de todo o dia.

Ora, este tipo de ingestão é normalmente feita em pequenas quantidades (quase como snacks), mas de forma padronizada. O que faz com que se trate de uma ação quase obsessiva-compulsiva e com um aspeto inconsciente.

Ou seja, não há uma intenção na ação, ela acaba por acontecer de forma natural, acabando por provocar uma inquietude na mente das pessoas. Afinal, quando sentimos que não conseguimos controlar as nossas ações, o nosso cérebro entra numa batalha diária connosco.

Assim, o grazing compulsivo está frequentemente associado a transtornos mentais como a ansiedade, o stresse e a depressão.

Quais são os sinais de alerta?

Sentir vontade de petiscar qualquer coisa de vez em quando não é um problema. O verdadeiro problema surge quando já não conseguimos controlar esse comportamento e quando não nos apercebemos que ele acontece de forma natural e inconsciente.

Para o ajudar, listamos alguns dos sinais para os quais deve estar atento em caso de dúvida:

  • sensação de mal-estar provocada pelo excessiva ingestão de alimentos misturados;
  • sentimentos depressivos ou ansiedade constante;
  • baixa autoestima;
  • stresse em excesso associado a snacks sem parar;
  • sentimento de culpa depois de petiscar alguma coisa;
  • histórico de transtornos alimentares na família.

Na presença destes sinais e na suspeita de que pode estar a petiscar todo o dia de forma inconsciente, deve consultar o seu médico a fim de juntos perceberem a origem do problema.

comida emocional
Veja também Comida emocional: 6 truques para parar

É possível prevenir ou lidar com o problema?

Se pensa que este pode ser o seu caso, numa fase inicial é crucial parar para refletir sobre os motivos que o levam a petiscar de forma compulsiva. Pense nos momentos em que o faz mais – se no trabalho, em casa com a família ou até quando está no trânsito.

A psicoterapia pode ser uma valiosa ajuda para quem tiver dificuldades em encontrar a origem do problema, já que nem sempre é fácil pararmos para refletir de forma eficaz.

Para as pessoas que lidam com bastante stresse e ansiedade no dia-a-dia, as compulsões alimentares como o grazing podem aparecer e surge então a tentativa de compensar esse tipo de sentimentos através da ingestão de alimentos (normalmente em pouca quantidade, mas muito calóricos).

Ora, este tipo de comportamento acontece porque o cortisol é lançado na corrente sanguínea “exigindo” essa ingestão energética, acabando assim por favorecer o transtorno.

Por isto mesmo, é importante que se adotem hábitos a favor da saúde mental como a prática de exercício físico, adoção de um sono de qualidade ou até um reforço da vida social.

Mas lidar com o problema também passa pode fazer pequenas trocas mais saudáveis no momento de petiscar: experimente trocar os alimentos calóricos por frutas ou bolachas sem açúcar por exemplo. Esta pode ser uma grande ajuda numa primeira fase de tratamento do problema.

Veja também