ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Teresa Campos
Teresa Campos
23 Jun, 2021 - 11:47

Pólipos colorretais: tudo o que precisa mesmo de saber

Teresa Campos

Os pólipos colorretais podem ser benignos ou malignos. Geralmente, não dão sintomas e podem ser removidos durante a colonoscopia. Saiba mais sobre eles.

homem com dor de barriga

Os pólipos colorretais são conjuntos de células que podem desenvolver-se no revestimento interno do intestino grosso. Este é um dos problemas intestinais mais frequentes, atingindo 15% a 20% da população.

Os pólipos colorretais podem ser baixos e planos ou altos; ser benignos (adenoma) ou malignos (adenocarcinoma). Daí, o controlo e a remoção dos pólipos serem medidas importantes para prevenir complicações mais severas, como o cancro colorretal. Fique a saber mais.

Pólipos colorretais: como detetar e tratar

Na origem dos pólipos colorretais, está sempre um crescimento celular anormal. Apesar de geralmente serem benignos, os pólipos também podem provocar alterações nos genes que controlam o crescimento e a divisão das células e, deste modo, desenvolverem para situações de malignidade e de cancro.

Embora este seja um problema que pode aparecer em qualquer pessoa, há alguns fatores de risco que importa considerar, nomeadamente:

  • Ter mais de 50 anos;
  • Possuir uma história pessoal ou familiar de pólipos ou de cancro colorretal;
  • Ser obeso;
  • Fumar.

Sintomas

Os pólipos colorretais não costumam causar quaisquer sintomas, nem sinais de alerta. Daí, a importância de vigiar o intestino e de fazer todos os rastreios recomendados. Porém, em algumas situações, pode haver lugar a algumas manifestações que não devem ser subvalorizadas, tais como:

  • hemorragia retal ou presença de sangue misturado nas fezes;
  • obstipação ou cólicas abdominais, devido à obstrução do intestino provocada pelo pólipo.
mulher com dor na barriga

Diagnóstico

Os pólipos colorretais podem ser detetados, principalmente, através de exames endoscópicos (como a sigmoidoscopia ou a colonoscopia) ou de exames radiológicos (como a colonografia por tomografia computorizada).

Outra das formas de detetar e de tratar os pólipos colorretais é fazer um rastreio. As pessoas assintomáticas e sem fatores de risco devem fazer este rastreio entre os 50 e os 74 anos.

O rastreio inclui uma série de exames como, por exemplo:

  • método imunoquímico (FIT) para pesquisa de sangue oculto nas fezes;
  • colonoscopia, se a pesquisa de sangue oculto nas fezes for positiva.

Caso haja sintomas suspeitos de pólipos colorretais, então a recomendação é para que se faça de imediato uma colonoscopia. Contudo, convém explicar que este exame, além de detetar a eventual presença de pólipos colorretais, é ainda capaz de remover esses mesmos pólipos.

Tratamento

Quando existem pólipos colorretais, a sugestão é que eles sejam retirados durante a colonoscopia, recorrendo a uma técnica designada polipectomia.Esta é uma técnica muito segura e eficaz que consiste em laçar o pólipo com uma ansa metálica e removê-lo, podendo ou não recorrer à corrente elétrica para o retirar e para ajudar a coagular os vasos sanguíneos do local onde ele se encontrava.

A polipectomia é o método mais usado, podendo ser necessário recorrer a outras técnicas no caso de pólipos de maiores dimensões ou com formas diferentes do habitual. Em algumas situações, pode ser mesmo preciso fazer uma cirurgia para retirar os pólipos muito grandes ou que estão em locais de difícil acesso.

Ao nível da configuração, existem pólipos pediculados e sésseis. Os pediculados têm um tronco e uma cabeça, como se de cogumelos se tratassem. Já os sésseis não têm pedículo e possuem um formato aplanado.

Síndrome do cólon irritável: causas, sintomas e tratamento
Veja também Síndrome do cólon irritável: causas, sintomas e tratamento

Os pólipos colorretais podem reaparecer?

Esta é uma dúvida muito comum. Geralmente, o reaparecimento de um pólipo no mesmo local é pouco provável. Porém, 30% dos indivíduos desenvolve novos pólipos em sítios diferentes. Daí, a importância de manter a vigilância e fazer os rastreios, sempre que recomendados pelo especialista.

Neste caso, a existência ou não de fatores de risco vai interferir bastante no intervalo de tempo em que os exames e as consultas médicas devem ser realizadas.

Veja também