Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
13 Mai, 2020 - 11:25

Provas de ingresso no ensino superior em 2020-2021

Catarina Milheiro

Para aceder ao ensino superior, é preciso realizar as provas de ingresso relativas ao curso de candidatura. Fique a saber tudo sobre este assunto.

estudante a realizar provas de ingresso

Os resultados obtidos pelos alunos nas provas de ingresso no ensino superior são um dado fundamental para se apurar a sua nota de candidatura, que, por sua vez, poderá ser a porta de entrada no curso da sua preferência. O que é que já sabe sobre a realização destas provas, tendo em consideração a situação atual?

Como sabemos, quando o assunto é o acesso ao ensino superior, a “média” é tudo. E para o cálculo desta média usa-se uma fórmula que é constituída por vários fatores, de entre os quais estarão as notas obtidas pelo aluno nesta avaliação.

É por esta razão que a realização das provas de ingresso é uma etapa importante da vida de qualquer estudante que deseja frequentar o ensino superior.

Além de os estudantes terem de obter aprovação num curso do ensino secundário ou uma habilitação equivalente, e ter uma classificação média superior à mínima exigida pelo estabelecimento ao qual se pretendem candidatar, os estudantes devem também ser postos à prova através da realização das provas de ingresso.

PROVAS DE INGRESSO: O QUE SÃO E PARA QUEM SERVEM?

A realização das provas é determinada pela legislação, consistindo em testes para avaliar a capacidade e aptidão dos alunos para frequentarem o ensino superior.

As provas de ingresso para a candidatura à matrícula e inscrição no ensino superior no ano letivo de 2020-2021 concretizam-se através dos exames nacionais do ensino secundário. Ou seja, são destinadas a todos os alunos que frequentem o ensino secundário e que queiram ingressar no ensino superior.

De um modo geral, as provas de ingresso para acesso a um curso numa determinada instituição de ensino superior são as provas exigidas por esta para, com base nas classificações obtidas em exame nacional e em combinação com outros fatores, selecionar e seriar os candidatos ao ingresso nesse curso.

Este ano, face à pandemia da COVID-19, muitos exames nacionais não se vão realizar. Contudo, todos aqueles que servem como prova de ingresso para o ensino superior mantêm-se no calendário.

COMO SE ESCOLHEM OS EXAMES QUE CONSTITUEM PROVAS DE INGRESSO?

estudante a fazer um teste

Tendo em consideração a pandemia do novo coronavírus, é natural que os alunos ainda tenham dúvidas relativamente às provas de ingresso que terão de efetuar.

Para que não restem dúvidas, as provas de ingresso a realizar para a candidatura a cada curso, são fixadas por cada instituição de ensino superior para cada um dos seus cursos. O que quer isto dizer que, perante a situação atual, os alunos só terão de efetuar as provas de ingresso exigidas por cada instituição de ensino superior.

Para além disto, é importante que saiba que estas provas de ingresso não podem, regra geral, ser em número superior a dois. No entanto, podem existir conjuntos (elencos) alternativos de provas, até um máximo de três.

Consulte a Deliberação n.º 486/2020, relativamente à fixação de elencos de provas de ingresso para efeitos de candidatura a cursos que iniciam a sua lecionação no ano letivo de 2020-2021 aqui.

Por exemplo: um estudante que pretenda concorrer ao curso de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa deve realizar uma das seguintes provas de ingresso: Filosofia, História da Cultura e Artes, Latim ou Português.

As provas de ingresso exigidas para cada curso de ensino superior em cada instituição de ensino são divulgadas no site da Direção-Geral do Ensino Superior em Guias Digitais DGES: Provas de Ingresso 2020, Guia Candidatura‘20 – Ensino Superior Público, e Guia Candidatura‘20 – Ensino Superior Privado e Universidade Católica Portuguesa.

Para a candidatura de 2020 podem ser utilizados como provas de ingresso exames feitos em anos anteriores?

Conforme o Guia das Provas de Ingresso 2020 – Ensino Superior Público ,

“os exames finais nacionais do ensino secundário podem ser utilizados como provas de ingresso no âmbito da candidatura à matrícula e inscrição no ensino superior no ano da sua realização e nos dois anos seguintes, sem necessidade de repetição no ano em que for concretizada a candidatura ao ensino superior. Assim, os exames realizados em 2018 e/ou 2019 podem ser utilizados na candidatura de 2020-2021.”

No caso de se tratar de um aluno que tenha concluído uma disciplina sujeita a exame final nacional em anos anteriores, pode, no presente ano letivo, realizar o exame final nacional para melhoria de classificação de prova de ingresso?

A resposta é sim. O aluno pode realizar o exame final nacional que eleja como prova de ingresso para efeitos de acesso ao ensino superior, relevando o seu resultado apenas como classificação de prova de ingresso (cf. o n.º 3 do art.º 8.º do Decreto-Lei n.º 14-G/2020, de 13 de abril).

E se se tratar de um aluno que realize a prova de ingresso na 1.ª fase, no presente ano letivo, pode inscrever-se na 2.ª fase para melhoria de prova de ingresso?

Sim. Efetivamente, o aluno pode inscrever-se na 2.ª fase para melhoria de classificação da prova de ingresso, evidenciando o seu resultado apenas como classificação de prova de ingresso, melhoria que só poderá ser utilizada na 2.ª fase de candidatura.

COMO SE PODE CANDIDATAR?

Atualmente a candidatura ao ensino superior é feita através da internet. Os alunos deverão preencher o boletim de candidatura já sabendo de antemão quais as provas que deverão realizar para terem acesso aos cursos que pretendem frequentar.

Os estudantes devem pedir a senha de acesso ao sistema de candidatura online, e apresentar o recibo do pedido de atribuição de senha na escola secundária onde se inscrevem para os exames nacionais, juntamente com o boletim de inscrição nos exames.

Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins.