Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
04 Out, 2019 - 15:16

Refeições saudáveis essenciais para crianças em idade escolar

Teresa Campos

Prepare o novo ano escolar pensando em refeições saudáveis no regresso às aulas. Sugestões boas para os filhos e boas para os pais!

Refeições saudáveis na escola

Além das mochilas, manuais e restante material escolar, é fundamental falar em refeições saudáveis no regresso às aulas.

Com as novas rotinas, é importante que os mais novos ingiram alimentos saudáveis e capazes de lhe darem toda a energia de que eles necessitam para enfrentar os desafios do dia-a-dia.

Por isso, se ainda tem dúvidas sobre a pertinência e importância desta matéria (numa altura em que a obesidade infantil é um problema sério das sociedades dos países desenvolvidos), espreite as preciosas indicações que lhe deixamos de seguida.

refeições saudáveis: como preparar as melhores

comida saudável na escola
Uma alimentação equilibrada é fundamental para as crianças

A obesidade infantil é um problema crescente e que acarreta consequências graves para a saúde dos mais novos.

Por isso, os pais e os educadores têm um papel muito importante na implementação de hábitos alimentares saudáveis e na disponibilização de refeições nutricionalmente equilibradas.

Além do pequeno-almoço, almoço, jantar e ceia, os lanches da manhã e da tarde não devem ser esquecidos e devem ser selecionados criteriosamente. Devem ser práticos, saudáveis e fornecer a energia necessária para as atividades que a criança tem para desempenhar.

Uma dieta alimentar não só previne o excesso de peso e a obesidade, como também melhoram a concentração escolar.

E é para isso que deve sensibilizar o seu filho, mostrando-lhe como comer bem e equilibradamente é importante para o seu desenvolvimento e bem-estar.

Aspetos a considerar

  • Tipo de lancheira: o ideal é que a lancheira seja térmica, de modo a manter a temperatura dos alimentos. Procure que ela tenha as cores ou padrões que o seu filho mais goste, para que também seja atrativa para ele.
  • O que evitar: batatas fritas, bolachas, bolos, sumos e refrigerantes. Todos estes alimentos são altamente calóricos, ricos em açúcar e prejudiciais à saúde das crianças.
  • O que colocar: laticínios (leite e iogurtes) dada a sua elevada densidade nutricional, por ser uma fonte de proteínas de alto valor biológico, hidratos de carbono, lípidos, vitaminas, cálcio e outros minerais; hidratos de carbono (pão, bolachas ou cereais); fruta (preferencialmente fruta da época ou sumos de fruta 100% naturais).
  • Combinações possíveis: pão escuro com 1 fatia de fiambre de peru + 1 pacotinho de leite; amêndoas ou nozes + 1 pacotinho de leite; papas de aveia; panquecas de aveia + 1 peça de fruta + 1 pacotinho de leite; panquecas de aveia.
Aliviar o stress dos testes
Não perca Escola: como ultrapassar o stress em altura de testes

Dicas úteis

  • Lavar bem a fruta, cortá-la (para facilitar o consumo) e colocar numa caixa hermeticamente fechada.
  • Preferir lancheiras térmicas.
  • Colocar sempre uma garrafa de água.
  • Tomar um pequeno-almoço nutritivo aumenta a concentração diária e a produtividade na escola.
  • Introduzir mais vegetais nas refeições diárias.
  • Envolva as crianças nas compras e no processo de confeção das refeições.
  • Faça jogos didáticos envolvendo alimentos bons para a saúde.
  • Faça e ofereça snacks de fruta e vegetais aos mais novos.
  • Corte a fruta e os vegetais em formatos divertidos e apelativos para os miúdos.
  • Triture frutas e faça sumos caseiros.
  • Esteja atento aos rótulos dos produtos que compra e não se esqueça que os alimentos para as crianças contêm, muitas vezes, açúcares “escondidos”.
  • O stress e a ansiedade que o regresso às aulas sempre acarreta podem ter alguma interferência no apetite das crianças. Se a falta ou excesso de apetite persistir, deve consultar o pediatra.

Nota: Todas as recomendações anteriores devem ser adaptadas à faixa etária da criança e às suas necessidades individuais.

Os gostos de cada criança devem ser respeitados e, se possível, integrados na sua dieta alimentar diária. Em caso de dúvida ou de excesso de peso, deve consultar um especialista.

Veja também