Teresa Campos
Teresa Campos
04 Ago, 2021 - 13:40

Saiba como tratar e evitar as aftas de forma simples

Teresa Campos

Normalmente, as aftas desaparecem espontaneamente. Mas, por vezes, é necessário recorrer a algumas soluções para ajudar a aliviar os sintomas. Saiba mais.

homem com aftas

As aftas são, por definição, uma lesão superficial da mucosa da boca, geralmente dolorosa, com tendência a apresentar-se recorrentemente, curando espontaneamente ao fim de uma a duas semanas.

Quase todos já tivemos uma afta em algum momento e, apesar de habitualmente não ser algo grave, é uma lesão dolorosa e incómoda. Aprenda, por isso, a tratar e a prevenir as aftas.

O que são aftas?

A mucosa oral, que cobre toda a nossa cavidade oral, tem funções importantes de proteção. Defende de bactérias, vírus, fungos e substâncias tóxicas; controla a troca de fluidos e de nutrientes; e permite saborear alimentos e bebidas.

Porém, por vezes, surgem as aftas que são pequenas feridas ou lesões que aparecem na boca, designadamente na mucosa bucal, na gengiva, na língua, nos lábios, na superfície interna da bochecha ou no palato.

Ter uma ou mais aftas na mucosa oral é uma situação muito frequente e, apesar de ser considerada benigna, pode causar dor, desconforto e dificuldade em comer, beber e falar. As aftas podem surgir sozinhas ou agrupadas; ser rasas, redondas ou ovaladas; e ter diferentes cores (branco, vermelho ou amarelado).

Podemos classificar as aftas em diferentes categorias:

  • aftas menores: pequenas úlceras que, normalmente, se localizam nas zonas moles da mucosa oral. São as mais frequentes e costumam curar-se em 6-14 dias, sem deixar sequelas;
  • aftas maiores: costumam aparecer isoladas, geralmente nos lábios, língua, faringe, palato e zona interna das bochechas. São menos frequentes e mais profundas do que as aftas menores e podem deixar cicatriz e demorar até 6 semanas a desaparecer;
  • herpetiforme ou “agrupadas”: múltiplas lesões distribuídas por toda a boca, juntando-se com frequência e formando úlceras maiores. São pouco frequentes.

Fatores de risco

Há fatores de risco que podem favorecer o aparecimento de aftas, nomeadamente:

  • História familiar/genética;
  • Fatores hormonais (como o ciclo menstrual);
  • Stress ou ansiedade;
  • Anemia;
  • Défice em zinco, ferro, vitamina B12 e ácido fólico, entre outros nutrientes;
  • Má higiene oral ou doenças bocais;
  • Má alimentação;
  • Alergias;
  • Fragilidade do sistema imunitário.
mulher com aftas

Causas

As aftas podem dever-se à presença de estomatite aftosa, a efeitos secundários de certos medicamentos (anti-inflamatórios e anti-hipertensores), à presença de outras doenças sistémicas e mais graves ou a condições, como por exemplo:

  • Doença celíaca;
  • Colite ulcerosa;
  • Doença de Crohn;
  • Lúpus eritematoso;
  • Doença de Reiter;
  • Infeções, como pelo VIH, por exemplo;
  • Tumores malignos do aparelho digestivo (estômago e intestino);
  • Traumatismos;
  • Morder a língua ou o interior da bochecha;
  • Escovar os dentes com muita força;
  • Dentes mal posicionados ou afiados;
  • Mastigar alimentos muito duros;
  • Hipersensibilidade a certos alimentos.

Tratamento

A intensidade da dor, o tempo de cicatrização e a resposta aos tratamentos para a estomatite aftosa variam de pessoa para pessoa mas, na maioria dos casos, a cicatrização ocorre em cerca de 15 dias. O objetivo do tratamento passa por minimizar os sintomas e prevenir a sua recorrência.

Encontrar um remédio para as aftas é relativamente simples e existe uma grande variedade de opções de tratamento disponíveis. A escolha depende sempre da gravidade da lesão, pelo que deve aconselhar-se com o seu médico e farmacêutico.

Alguns dos fármacos mais eficazes e mais comumente utilizados são os anestésicos, analgésicos, anti-inflamatórios, antimicrobianos e corticoides tópicos.

Uma boa solução pode também passar por tentar alcalinizar a mucosa da boca, através de leveduras ou do bochecho com antisséticas e antibacterianas (colutórios para bochechar, géis ou gotas). Quando a boca está mais alcalina a proliferação de microrganismos que podem complicar as úlceras aftosas torna-se mais difícil.

Nos casos de maior gravidade, pode ser considerado um tratamento sistémico à base de corticoides injetáveis ou orais ou mesmo de fármacos imunossupressores. É importante ressalvar que todas as lesões com duração superior a 2 semanas ou associadas a febre e a inflamação dos gânglios do pescoço devem ser referenciadas ao médico.

mulher com afta no lábio
Veja também Febre aftosa: fique a saber tudo sobre esta infeção

Como evitar as aftas

É possível tentar prevenir o aparecimento das aftas, adotando alguns cuidados nomeadamente:

  • assegurar a hidratação da mucosa oral com bons produtos;
  • evitar comer citrinos e alimentos muito ácidos, picantes, condimentados, salgados, duros ou muito quentes. Por exemplo, morango, laranja, limão, ananás, vinagre, tomate, chocolate, queijo, frutos secos, tostas, snacks, amendoins, café, refrigerantes, chocolate ou batatas fritas;
  • fazer uma alimentação saudável;
  • usar escovas de dentes suaves e substituí-las com frequência;
  • ter uma higiene oral adequada.

Por outro lado, há produtos que devem ser ingeridos com mais frequência, para prevenir as aftas, como é o caso de:

  • alimentos ricos em vitaminas e sais minerais e macios, como sopas e purés;
  • bebidas frias, como água e chás.
Veja também