Inês Silva
Inês Silva
05 Nov, 2019 - 10:22

Requalificação profissional é o futuro do mercado de trabalho

Inês Silva

A requalificação profissional, mais do que uma opção pessoal, é cada vez mais uma necessidade exigida pelo mercado de trabalho.

requalificação profissional

Já todos ouvimos falar de como o desenvolvimento tecnológico e o surgimento de novas formas de automação vão acabar, ou já acabaram, com um determinado número de profissões e alterar significativamente o contexto de outras.

Também é igualmente verdadeiro que muitas outras profissões vão ser criadas para responder às novas necessidades da vida empresarial, pessoal e social. E é neste último ponto que a importância da requalificação profissional é revelada.

Um estudo sobre o futuro do trabalho desenvolvido pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP), em parceria com a McKinsey Global Institute e a Nova School of Business and Economics (Nova SBE), conclui que metade das profissões dos portugueses tem potencial de automação, apontando como previsão, até 2030, o desaparecimento de 1,1 milhões de postos de trabalho, ou seja, uma população de 4,35 milhões de trabalhadores.

A história já nos mostrou, nas revoluções industriais anteriores, que a evolução tecnológica altera os modelos de competências profissionais, desaparecendo a necessidade de algumas dessas competências e surgindo novas. Empregos vão desaparecer, novas profissões vão aparecer e outros empregos vão continuar, ainda que reestruturados pela inovação tecnológica.

Por todas estas razões, quem já está no mercado de trabalho ou para quem ainda está a estudar, é importante apostar na formação para a requalificação e renovação de competências profissionais.

Requalificação: por onde começar

informático

IEFP

Na página do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), na área da formação, poderá inscrever-se num Centro Qualifica que tem por objetivo principal desenvolver processos de informação e orientação com vista ao encaminhamento para as ofertas de educação e formação mais adequadas; processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Profissionais (RVCC) Profissional e processos de RVCC Escolar.

Os serviços destes centros destinam-se a adultos, com idade igual ou superior a 18 anos, que pretendam dar continuidade ao seu percurso de qualificação ou que procurem melhorar a sua situação face ao mercado de emprego; e jovens que não se encontrem a frequentar modalidades de educação ou de formação e que não estejam inseridos no mercado de trabalho.

ReSkill Hub

A CIP e Nova SBE lançaram recentemente o Observatório para a Requalificação Profissional, o ReSkill Hub, que visa facilitar e acelerar o encontro da procura e oferta de conhecimento especializado através de uma plataforma de interface entre empresas, trabalhadores e educadores. Esta poderá ser uma boa maneira de começar a explorar um novo ou atualizado rumo profissional.

Numa primeira fase, o ReSkill Hub irá fazer o mapeamento das necessidades em Portugal, reais, atuais e futuras, em estreita articulação com as empresas, além do levantamento da oferta formativa atualmente existente. Com base nos dados do estudo que referimos acima, “Automação e o Futuro do Trabalho em Portugal”, esta será uma resposta operacional da CIP aos desafios e oportunidades criadas pelo processo de automação.

Acertar o Rumo

Acertar o Rumo é um programa de reconversão profissional para a área das Tecnologias da Informação (TI), desenhado para responder às necessidades empresariais. Pretende por um lado colmatar a falta de pessoas com competências na área da informática, e por outro integrar no mercado de trabalho profissionais motivados de áreas com pouco empregabilidade.

Realiza-se anualmente e destina-se a pessoas com formação superior, independentemente das suas áreas de formação original, com apetência e gosto pelas Tecnologias de Informação e com forte motivação para redirecionar a carreira profissional.

Este programa é uma iniciativa da Universidade de Coimbra que tem como parceiros diferentes empresas, nomeadamente Critical Software, BPI, Novabase, Accenture, AIRC, Everis e Present Technologies.

Requalificação: profissões do futuro

impressão 3d

A Adecco publicou, em agosto, uma análise que dava conta de seis futuras novas profissões.

Piloto e controlador aéreo de drones

Atualmente, são usados drones para tarefas de pesquisa e manutenção, estando a ser dados os primeiros passos no uso comercial com tarefas de distribuição e transporte.

Especialistas em clima e meio ambiente

Cuidar dos recursos naturais está na ordem do dia. Novos negócios vão ser projetados, tais como controladores da pegada de carbono, agricultores verticais de culturas hidropónicas, etc.

Especialistas em Impressão 3D

A gestão de impressoras 3D não será exclusiva do mundo da construção e arquitetura ou indústria. Os avanços na medicina vão beneficiar da ajuda de profissionais de impressão 3D.

Especialistas em tráfego automatizado e veículos sem motorista

Engenheiros especializados com capacidade para projetar veículos de nanotubo de carbono leve ou modelos básicos de transporte, como bicicletas sem pedais, assim como criadores de experiência para viajantes. A área dos transportes será uma área de grande transformação.

Intérpretes de Big Data

Existem atualmente mais de 5,5 milhões de máquinas interconectadas. Até 2030, espera-se que existam mais de 50 milhões. Controlar tudo isto vai exigir especialistas multidisciplinares com capacidade de trabalhar em equipa e com conhecimento na análise de Big Data.

Especialistas em criptomoedas

Desde aspetos legais à segurança através de investidores ou credores, o mundo das criptomoedas vai assumir uma elevada importância no futuro próximo.

Veja também