ebook
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Prático e Descomplicado
Elsa Santos
Elsa Santos
12 Nov, 2020 - 15:23

Conflito no trabalho: tudo o que deve saber para o evitar e resolver

Elsa Santos

Quem nunca teve um conflito no trabalho? Ainda que seja algo comum, pode (e deve) ser evitado ou resolvido sempre que surge. Saiba o que fazer.

jovem com conflito no trabalho com ar deprimido no escritório

Ainda que possa ser normal, qualquer conflito no trabalho gera incómodo, stress e dificulta as tarefas. A administração de conflitos no trabalho é uma habilidade importante para a sobrevivência profissional que tem de ser amplamente praticada, para se tornar mais eficaz.

Para por fim a conflitos é necessário ter uma forte capacidade de negociar, de discutir a natureza do problema e não dos sentimentos envolvidos. Até é bom ter de quando em vez algum tipo de conflito. São este tipo de divergências que trazem também a inovação, a melhoria, a vantagem competitiva e o debate de ideias.

Qualquer profissional deve desenvolver a sua capacidade de entender a natureza dos conflitos e rapidamente estabelecer uma estratégia de solução, de maneira a que não fiquem ressentimentos, nenhuma sensação de derrota e muito menos um mau ambiente de trabalho.

CAUSAS E SOLUÇÕES PARA UM CONFLITO NO TRABALHO

Causas

Os conflitos no trabalho surgem quando uma pessoa está sujeita a pressões ou expectativas muito elevadas ou inconsistentes ou ainda quando há um choque de personalidades.

Pontos de vista diferentes, maneiras de fazer distintas, má gestão de equipas ou outros fatores internos ou externos podem gerar conflitos.

Tipos de conflitos

Quando surge um conflito no trabalho, ele enquadra-se, normalmente, numa das seguintes categorias:

Conflitos Pessoais

Este é o tipo de conflito que diz respeito unicamente a uma pessoa. Pode ser o nosso chefe, um colega ou outro membro da empresa. Neste caso, é melhor não se envolver; cada um com os seus problemas.

Conflitos Interpessoais

Este é o tipo de conflito que envolve várias pessoas de dentro da empresa. É o tipo de mais banal nas organizações e acontece com frequência.

Conflitos com outros trabalhos

Este tipo de conflito surge quando existem outros trabalhos ou tarefas dentro ou fora da organização, que não possibilitam que o trabalho seja efetuado devidamente.

Por exemplo, quando quer finalizar um projeto com tempo e qualidade e não o consegue fazer porque antes de chegar a si tem de passar por outras pessoas que se atrasam ou não cumprem a sua parte devidamente.

Conflitos entre necessidades e valores

Este conflito surge quando aquilo que necessita para cumprir o objectivo do seu trabalho entra em conflito com a sua personalidade e os valores que mais preza. É bastante desagradável mas acontece ocasionalmente.

Como evitar

Nem sempre é fácil, mas evitar qualquer conflito no trabalho é o melhor para si e para todos. Dependendo das funções, responsabilidades e convicções de cada um, a tarefa pode ter mais ou menos obstáculos. Para evitar conflitos, há que:

  • Pensar sempre antes de falar ou agir;
  • Escutar e respeitar a opinião dos outros;
  • Afastar-se de discussões de terceiros ou tomar partido de alguma das partes;
  • Não tecer comentários depreciativos em relação a colegas ou superiores (as habituais cusquices)
  • Ser cordial, mesmo com quem “não gosta”;
  • Dar sempre o seu melhor em qualquer situação.

Conflitos previstos na Lei

Há conflitos no trabalho que tocam na Lei laboral e podem apenas encontrar solução em tribunal.

Quaisquer situações relacionadas com os direitos dos trabalhadores, previstas no Código do Trabalho podem gerar conflitos cuja resolução nem sempre é pacífica.

O direito à greve, previsto no Artigo 530.º da lei laboral portuguesa, é um dos exemplos do que pode gerar um conflito entre trabalhador e entidade empregadora.

Para além disso, outras situações especialmente graves, nomeadamente a recusa do teletrabalho por parte da entidade, sempre que tal seja possível, considerando o atual contexto, assim como o assédio moral no local de trabalho, estão abrangidas pela lei, entre muitas outras.

5 MANEIRAS DE RESOLVER UM CONFLITO NO TRABALHO

Há diversas maneiras de resolver um conflito no trabalho.

1

Evite-o

O primeiro passo é tentar evitar o conflito no trabalho.

Dê razão à outra parte, mesmo que esta não a tenha, só para que esse conflito não surja. É mais fácil dizer do que fazer, mas faça um esforço para o evitar. Contorne qualquer situação que possa gerar um conflito.

Pese bem a relevância de impor a sua palavra a alguém, sob pena de criar um problema. Se puder viver bem com isso, evite-o.

2

Enfrente-o

Sempre que tenha um conflito no trabalho, o melhor é resolvê-lo. Mesmo que ache que não tem essa responsabilidade, se isso o está a incomodar e a interferir com o seu bem-estar e a sua produtividade, enfrente o problema.

Escolha o melhor momento e aborde a questão, de forma direta e sem agressividade.

3

Controle-se

Mantenha-se calmo. Não entre em discussões histéricas sobre o assunto em questão. Não se esqueça que a calma é o meio para se conseguir o fim. Ao descontrolar-se, o mais certo é perder toda a razão, por mais que a tenha.

Mesmo que esteja certo de que a razão está do seu lado, o ideal será manter o controlo sob pena de a perder por completo.

Para além disso, pense que o objetivo é resolver o conflito e não aumentá-lo.

4

Colabore

Tente chegar a um acordo comum entre as pessoas envolvidas no conflito e minimizar ao máximo as perdas para cada lado.

Resolver conflitos significa adoptar uma postura imediata de tentar entender as causas do conflito e conduzir ações para se chegar a um ponto de acordo, aceite por ambas as partes. Se não os conseguir evitar, encare-os de frente, não finja que não existem ou que não o afetam.

5

Seja educado

Mantenha a postura, por mais que lhe custe. Ser educado, mesmo em situações desagradáveis, é um sinal de maturidade.

Evite ataques, humilhações ou quaisquer comentários desagradáveis. Foque-se na solução.

A IMPORTÂNCIA DO BEM-ESTAR NO LOCAL DE TRABALHO

equipa num armazém sorridente

O bem-estar no trabalho tornou-se uma preocupação para grandes e médias empresas. O stress e o cansaço crónicos, o Síndrome de Burnout e até o absentismo laboral são cada vez mais frequentes, em especial no período atípico que o mundo atravessa.

Os primeiros Chief Happiness Officers (CHO) ou “gestores de felicidade” foram contratados em Silicon Valley para modernizar a função dos Recursos Humanos e assegurar o bem-estar de todos os trabalhadores.

Uma empresa onde os trabalhadores se consideram felizes é não só mais atrativa do ponto de vista da empregabilidade, como promove a produtitividade e, consequentemente, o sucesso.

O bem-estar no trabalho pode depender de inúmeros fatores. Além de um bom ambiente, do ponto de vista das relações humanas e do convívio, é importante uma gestão próxima e de qualidade, que reconheça os bons resultados e transmita uma sensação de igualdade e respeito por todos.

Atualmente, junta-se ainda o especial apoio, nomeadamente em termos de formação, para lidar da melhor maneira com novos desafios como o teletrabalho.

Cada pessoa lida de forma diferente com determinadas situações e o stress provocado pelo trabalho pode ser para muitos uma preocupação bem real e séria. Esse stress pode resultar da sobrecarga de trabalho, da falta de organização, ou de conflitos com colegas e/ou patrões. Todos esses fatores têm efeitos negativos, no funcionamento e sucesso de qualquer empresa.

No entanto, existem algumas formas de reduzir o stress e melhorar a qualidade de vida e o ambiente de trabalho.

A decoração e organização do espaço podem ter um forte impacto sobre a qualidade de vida de quem ali trabalha todos os dias. O mobiliário confortável, a presença de plantas e espaços verdes, assim como áreas de lazer ou mesmo animais, podem influenciar consideravelmente o bem-estar no local de trabalho.

Em conclusão, qualquer conflito no trabalho deve ser evitado ou resolvido a fim de manter um bom ambiente de trabalho, fundamental para desempenhar bem as suas funções profissionais. Afinal, o trabalho ocupa a maior parte do seu dia.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].