Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
13 Abr, 2020 - 17:40

9 doenças comuns que podem aumentar o risco de COVID-19

Teresa Campos

Um relatório do Instituto Nacional de Saúde italiano traça o cenário sobre o risco de COVID-19 em pessoas com doenças pré-existentes. Saiba quais são.

riscos de covid-19 com doenças pré-existentes

Em Itália, 99% dos pacientes que morreram com o novo coronavírus tinham pelo menos um problema de saúde pré-existente. Já 50% dos doentes que morreram tinham três patologias pré-existentes. Isso significa que o risco de COVID-19 aumenta em função da existência de outras doenças ou problemas de saúde.

Além das doenças pré-existentes aumentarem o risco de COVID-19, os estudos também têm evidenciado que os pacientes mais velhos que contraem o novo coronavírus desenvolvem sintomas mais graves e severos, do que os restantes. Saiba mais.

9 doenças que aumentaM o risco de COVID-19, segundo o relatório do Instituto Nacional de Saúde italiano

Algumas das doenças pré-existentes a que estes estudos sobre o risco de COVID-19 se referem são problemas cardíacos, hipertensão, diabetes ou doença renal. Por exemplo, 76.1% dos pacientes que morreram com COVID-19 sofriam de hipertensão.

1

Doença cardíaca

Os especialistas ainda não perceberam completamente o porquê dos indivíduos com problemas de coração correrem mais risco de COVID-19. Alguns médicos avançam que a razão pode estar no facto da pressão exercida pelo novo coronavírus sobre os pulmões sobrecarregar, igualmente, o coração.

A Associação Americana do Coração também adianta que as pessoas com problemas cardíacos têm, habitualmente, sistemas imunitários mais fracos, o que também ajuda a explicar o progresso do vírus.

Por esse motivo, o Centers for Disease Control and Prevention, assim como a Associação Americana do Coração, alertam todos os pacientes com problemas cardíacos para o facto de deverem tomar precauções, como lavar as mãos correta e frequentemente; desinfetar as superfícies; manter-se isolado em casa; e ter as vacinas em dia.

2

Diabetes

A diabetes foi a segunda doença mais comum (35.5%) em pacientes com COVID-19 que morreram em Itália.

Este problema de saúde pode agravar os sintomas da COVID-19, pois alguns vírus “beneficiam” de uma corrente sanguínea com níveis mais elevados de glicose, além de que os indivíduos diabéticos têm, por norma, sistemas imunitários mais comprometidos.

diabetes perguntas chave
Veja também Diabetes e a COVID-19: saiba todos os cuidados a ter
3

Cancro

20.3% dos pacientes com COVID-19 que morreram em Itália tinham tido cancro nos últimos 5 anos. O cancro e os tratamentos associados (como a quimioterapia) podem incapacitar o sistema respiratório e tornar a pessoa imunodeprimida.

mulher com cancro com risco de covid-19
4

Doença renal

O estudo italiano adianta que 18% dos indivíduos com COVID-19 que morreram no país tinham historial de doença renal crónica.

A Fundação Nacional do Rim recomenda que os pacientes com doença renal sigam os conselhos de proteção endereçados a toda a população para minimizar o risco de COVID-19: ficar em casa; lavar as mãos; desinfetar as superfícies; e armazenar os fármacos necessários, de modo a que não falhem a medicação. Os doentes que façam diálise não devem faltar aos seus tratamentos.

5

Doença pulmonar obstrutiva

Esta patologia, à semelhança de outras como enfisema pulmonar ou bronquite, estavam presentes em 13.2% dos pacientes com COVID-19 que morreram em Itália. A explicação está no facto destes doentes terem pulmões mais fracos e com menor capacidade de combater infeções respiratórias.

A infeção pelo novo coronavírus causa inflamação nos pulmões e irritação nos nervos à volta deles. O vírus também pode inflamar os alvéolos, o que pode provocar pneumonia, ficando os pulmões cheios de líquido.

Esta situação impede que os alvéolos disponibilizem oxigénio suficiente à corrente sanguínea e, também, eliminem o dióxido de carbono. Esta circunstância pode causar falhas nos órgãos vitais e ser fatal.

Homem com sintomas de avc
6

Acidente Vascular Cerebral

9.6% dos doentes italianos com COVID-19 que morreram já tinham sofrido no passado um AVC. A Associação de Acidente Vascular Cerebral afirma que um sobrevivente de AVC não está, só por isso, em maior risco. A questão é que muitas das pessoas que sofreram AVC’s têm outros problemas de saúde, esses sim de risco, como a hipertensão, por exemplo.

7

Demência

Em Itália, 6.8% dos pacientes com COVID-19 que morreram sofriam de demência. É possível que a demência, em si, não aumente o risco de COVID-19. Porém, algumas caraterísticas associadas às pessoas com esta condição de saúde, como a idade ou o facto de se esquecerem de lavar as mãos, pode justificar esta prevalência.

Por essa razão, a Associação de Alzheimer recomenda que os cuidadores de pessoas com demência tomem medidas extra para garantir que estes pacientes se mantêm protegidos. Ter stock dos medicamentos mais importantes e encontrar estratégias para relembrar o doente que deve lavar as mãos são, apenas, alguns desses passos imprescindíveis.

8

Transplantes de fígado

3.1% dos pacientes com COVID-19 que morreram em Itália tinha sido sujeitos a um transplante de fígado. Embora ainda não se saiba exatamente porquê, o novo coronavírus pode afetar o fígado, mesmo de indivíduos com órgãos saudáveis.

As pessoas que fizeram transplante de fígado e que estão a tomar medicamentos imunossupressores podem correr maior risco de COVID-19 . Estes indivíduos devem consultar os seus médicos e pedir aconselhamento.

9

Fibrilhação auricular

Cerca de um quarto dos doentes com COVID-19 que morreram em Itália sofriam de fibrilhação auricular. Esta condição provoca um batimento cardíaco irregular que pode propiciar AVC, ataques cardíacos, entre outras complicações. O risco de COVID-19 é assim bem real.

Veja também