Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Assunção Duarte
Assunção Duarte
06 Jul, 2018 - 16:47

Sync.ME: como funciona, vantagens e desvantagens

Assunção Duarte

A aplicação Sync.ME identifica o número que nos está a ligar, mesmo que não faça parte da lista de contactos. Muito útil ou uma violação de privacidade?

Sync.ME: como funciona, vantagens e desvantagens

A aplicação Sync.ME é o equivalente a uma lista telefónica global que recorre a uma base de dados gigantesca com contactos telefónicos provenientes de quase todos os cantos do planeta. O serviço, com sede em Israel, foi fundado em 2011 e já possui milhões de utilizadores em todo o mundo, inclusive em Portugal.

Sync.ME: como funciona

Sync me
Fonte: Sync.me/ Divulgação

Quem instala a Sync.ME no telemóvel passa a conseguir identificar o nome da pessoa ou entidade que está a fazer a chamada para o seu telemóvel e pode também visualizar a fotografia ou avatar que está associado a esse número nas redes sociais.

Isto porque a Sync.ME sincroniza automaticamente a sua base de dados telefónica com plataformas como o Facebook, o Twitter, o LinkedIn ou o Google+. Até as localizações de GPS podem aparecer associadas aos números se os utilizadores destas plataformas assim o tiverem definido nos seus parâmetros de utilização.

É fácil de perceber que esta aplicação, considerada por muitos uma das melhores para identificar chamadas, seja para outros um verdadeiro pesadelo e um atentado à privacidade daqueles que querem manter o seu telemóvel o mais privado possível.

Vantagens e desvantagens de usar a Sync.ME

Vantagens de usar a Sync.ME

A aplicação foi criada com o intuito de evitar o spam ao permitir que os seus utilizadores consigam barrar chamadas duvidosas ou não identificadas. Com a Sync.ME, as chamadas a partir de números privados serão cada vez menos frequentes, o que permite ao utilizador saber com mais frequência quem o está a contactar ou a enviar uma mensagem.

As vantagens são claras. Acabaram-se as chamadas de telemarketing indesejadas, o atender por engano alguém com quem não desejávamos de todo falar ou, especialmente importante para as idades mais jovens, o bullying não identificado. Com esta aplicação o spam reduz substancialmente.

A Sync.ME tem ainda outra vantagem. Para os que não querem ter a aplicação no telemóvel, é possível fazer pesquisa no site do serviço disponível online. Assim, se algum número desconhecido o tiver contactado sem ter deixado mensagem, pode pesquisar no Sync.ME para saber se vale a pena responder à chamada.

Desvantagens de usar a Sync.ME

O grande problema está no modelo de negócio que a Sync.ME criou para gerar a sua base de dados de contactos telefónicos. É que o serviço faz uma recolha de dados indirecta junto dos seus utilizadores.

Funciona da seguinte forma: sempre que um novo utilizador instala a aplicação no telemóvel e aceita as condições de utilização, ele está a aceitar que a aplicação aceda à lista de contactos existente naquele telefone. E é com as várias listas de contactos dos telemóveis dos seus utilizadores que a Sync.ME cria a sua base de dados para sincronizar com as diversas plataformas de redes sociais.

Está visto que qualquer pessoa, mesmo que nunca tenha ouvido falar da Sync.ME, pode facilmente ir parar a esta base de dados, bastando para isso que faça parte da lista de contactos de um utilizador da aplicação.

Para muitos, este modelo de negócio é um atentado à privacidade dos não utilizadores que, mesmo não tendo escolhido instalar a aplicação ou aceitar os seus termos e condições de utilização, acabam por figurar nela e ser a base do seu negócio.

Claro que a Sync.ME contorna a questão salvaguardando-se ao passar a responsabilidade da quebra de privacidade dos não utilizadores para os seus utilizadores que dão livre acesso às suas listas de contactos.

Apesar deste “limpar de mãos”, a Sync.ME, por muito útil que possa ser, suscita inúmeras questões de duvidosa conformidade com o novo RGPD (Regulamento Geral de Protecção de Dados) que entrou, em 2018, em vigor na União Europeia (UE), nomeadamente no que diz respeito ao consentimento informado que os cidadãos têm de dar para que os seus dados pessoais sejam utilizados.

Resta saber como o serviço vai contornar a questão no que diz respeito à sua utilização na UE e como a Europa vai reagir a esta e a outras apps que prestam o mesmo tipo de serviço no mercado digital.

Se ainda não é utilizador, mas estava a pensar ser, vale a pena avaliar se compensa entregar todos os seus contactos em troca de um identificador de chamadas. E, já agora, aproveite e faça uma pesquisa no site da Sync.ME para ver se o seu número já está “à mostra”.

Caso esteja e não queira, o serviço permite que qualquer pessoa faça o pedido para retirar a sua informação e promete fazê-lo em 24 horas. Claro que ninguém lhe garante que não volta a figurar nesta base de dados. Tudo depende apenas de quem tenha o seu contacto gravado no telemóvel.

Veja também