Elsa Santos
Elsa Santos
21 Abr, 2020 - 12:28

Conciliar teletrabalho e telescola: 9 conselhos úteis

Elsa Santos

Juntar teletrabalho e telescola exige adaptação. Cabe aos pais criar condições para todos responderem ao desafio. Saiba o que pode fazer para o conseguir.

pai a conciliar teletrabalho e telescola

O isolamento social imposto pela pandemia da COVID-19 impôs novas práticas, sobretudo para famílias que juntam teletrabalho e telescola num mesmo espaço. Com tantas adaptações necessárias, nem sempre se encontra a melhor resposta.

Como conseguir trabalhar e dar o apoio necessário aos filhos, agora em regime de ensino a distância? A telescola, através do #EstudoEmCasa, na RTP Memória, vem dar uma ajuda. Contudo, o contacto com os professores, os trabalhos de casa e o estudo tem de continuar a contar com o apoio dos pais, especialmente quando se fala de crianças com menos de 12 anos.

Consoante a autonomia dos filhos, mais disponíveis para o próprio trabalho estarão os pais, ainda que nunca ausentes.

Como organizar tempo e espaço e manter níveis aceitáveis de produtividade? Deixamos-lhe alguns conselhos práticos que o vão ajudar.

TELETRABALHO E TELESCOLA: SAIBA COMO GERIR TUDO

mãe a conciliar teletrabalho e telescola
1

Trace um plano

Planear é sempre uma boa estratégia para facilitar a gestão dos vários afazeres que devem preencher um dia, especialmente se está confinado em casa, junto com a família, a braços com teletrabalho e telescola. A missão revela-se difícil, mas não impossível (ou talvez um pouco ou de quando em vez).

Façam, em conjunto, um plano semanal, colem-no num local visível e leiam-no ao início de cada dia. Isto vai ajudar as crianças a sentirem-se mais seguras e colaborativas, assim como vai ajudar promover a organização e reduzir a ansiedade e o nervosismo, inerentes ao contexto atual.

No plano, devem incluir as aulas (de acordo com a grelha), as pausas para comer, para descansar e para realizar atividades de lazer, os tempos de estudo individual (essenciais para a autonomia da criança) e um momento em que os pais irão verificar o que a criança fez e tirar dúvidas.

Devem ainda incluir as tarefas de casa, nas quais as crianças podem ajudar. Deixem-nas escolher, isso dar-lhes-à a sensação de controlo e de responsabilidade.

2

Faça uma ementa semanal

Definir o que comer em cada dia da semana é uma parte importante do plano e que assume um especial destaque por representar uma das necessidades essenciais de todos, assim como momentos em família (longe do trabalho ou das tecnologias).

Ter uma ementa semanal com os pratos a confecionar em cada refeição não só facilita a sua preparação, mas ajuda a fazer a lista de compras. Sempre que necessário, garante que todos ficam satisfeitos com a oferta (devem ser considerados os gostos de todos).

Assim, esta pequena ação vai contribuir para manter a organização e o bem estar geral. As sobremesas especiais também podem estar previstas, nomeadamente ao fim de semana.

3

Defina prioridades

Cada dia deve destacar as prioridade, seja o envio de trabalhos, quer de natureza profissional, quer da escola, as aulas através da telescola, entre outras tarefas consideradas prioritárias.

Parcele as atividades mais longas em pequenas tarefas e alterne entre tarefas mais fáceis e mais difíceis para motivar as crianças a continuar.

Defina prioridades e metas realistas a atingir, tanto para si como para os seus filhos. Aceite que, provavelmente, não vão conseguir fazer tudo, nem, muitas vezes, à hora planeada.

4

Partilha de recursos

Se o acesso ao computador e à Internet em casa for limitado, defina também uma escala de acesso, com a indicação de quem e a que horas, de acordo com as necessidades de cada um.

Deve ter em conta o horário das aulas síncronas (com contacto com os professores, através das plataformas online), a realização dos exercícios e entrega dos mesmos, tal como as reuniões em video-conferência e envio de projetos de âmbito profissional.

Esta partilha para conciliar teletrabalho e telescola pode exigir uma gestão muito rigorosa, sobretudo se tem mais do que um filho em idade escolar. O mesmo vale para a televisão, considerando as necessidades, em muitos casos, de conciliar as emissões da telescola com os desenhos animados para entreter crianças mais pequenas.

Faça uma boa gestão de recursos e nos momentos cruciais ofereça alternativas como jogos, brinquedos, livros ou outras atividades.

5

Crie rotinas

Planear o dia já facilita a realização das tarefas de uns e de outros. Porém, mais do que isso, é fundamental que se mantenham ou criem rotinas, nomeadamente a hora de deitar e de acordar, das refeições em família, da atividade física e de atividades de lazer.

Por exemplo, podem determinar que todas as sextas é dia de cinema e verem um filme juntos. Tudo o que seja certo, sempre igual, previsível, é importante para promover o equilíbrio dos mais novos, para se sentirem mais seguros, mas também para os pais.

A inexistência de rotinas gera confusão, ansiedade, agitação e/ou apatia. Num contexto de pandemia que, à partida, pode parecer algo caótico, tudo o que possa ajudar a manter a normalidade é importante. Para além disso, facilitará o regresso à escola e ao trabalho quando for a hora.

6

Planeie o trabalho em blocos

Para conseguir organizar-se melhor e ser mais produtivo, planeie o seu dia de trabalho em blocos de 50 minutos ou uma hora e defina pausas sem computador e sem telemóvel.

Aproveite esses momentos para verificar se está tudo a correr como previsto ou se é necessário algum ajuste às tarefas da(s) criança(s), mas sem criticas. Encare esses ajustes como parte da adaptação.

7

Sozinho com várias crianças: tempo e espaço

Caso esteja sozinho em casa com mais do que uma criança, tente separá-las e dar apoio à vez, ajustando as necessidades.

Para facilitar o processo, organize um espaço individual para cada criança e assegure-se que os demais o respeitam. Mesmo que todos tenham de partilhar a mesma divisão da casa, como a sala, devem estar, preferencialmente afastados ou mesmo de costas voltadas, a fim de evitar distrações.

Cada criança deve sentir aquele espaço como seu. Garanta que cada uma tem os que necessita, apenas o essencial para as atividades que vai realizar.

8

Alterne responsabilidades

Caso estejam o pai e mãe a trabalhar em casa, o ideal e justo para ambos, é ir alternando a supervisão aos filhos.

Ou seja, distribuir o horário da telescola, da realização das tarefas escolares e os tempos de apoio, de acordo com a disponibilidade de cada um, para que ambos dêem ajudem os filhos, sem comprometer os próprios trabalhos.

9

Mantenha a calma

Calma é coisa que não abunda por estes dias, em especial em casas cheias e afazeres e de barulho, resultantes da união de teletrabalho e telescola. É certo. No entanto, faça um esforço por manter uma atitude positiva e confiante.

Isso vai ajuda-lo a gerir melhor “o barco”, a dar segurança aos seus filhos e a manter a família unida. Nesse sentido, é sensato libertar-se do perfecionismo e do pessimismo e passar a aceitar o erro, a imperfeição e as tarefas inacabadas. sabe que vai haver interrupções e coisas que vão correr menos bem, isso é inevitável.

Quando começar a ficar irritado, evite gritar e dar respostas agressivas ou resolver problemas quando está zangado. Respire fundo, relaxe e e fale sobre o problema. Estas regras valem para todos, incluindo os mais novos.

Determine uma hora para desligar o computador. O descanso é importante para manter a produtividade e o bom humor.

Se colocar em prática este nove conselhos, vai ser mais fácil conciliar teletrabalho e telescola.

Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins.