Assunção Duarte
Assunção Duarte
02 Set, 2019 - 12:40
Ter um pet aumenta (e de que maneira) a felicidade

Ter um pet aumenta (e de que maneira) a felicidade

Assunção Duarte

As estatísticas não mentem e ter um pet é meio caminho andado para a felicidade. Seja o ronronar satisfeito de um gato ou a lambidela carinhosa de um cão.

O artigo continua após o anúncio

Ter um pet aumenta a felicidade é uma certeza que cada vez mais ganha contornos científicos. Se já abundam estudos que comprovam que conviver de perto e de forma saudável com um animal de estimação melhora a saúde física humana, surgem agora novos dados que parecem comprovar efeitos benéficos para outras áreas da nossa vida.

Aparentemente os benefícios de ter um pet podem ir muito além de melhorar o bem-estar físico do seu dono, já que influenciam positivamente não só a sua saúde mental, mas também a sua probabilidade de ser bem sucedido na vida profissional e pessoal.

Ter um pet aumenta a felicidade

ter um pet

Melhora a saúde física e mental do dono

Os dados parecem não mentir no que diz respeito à saúde. Por exemplo, os cães e até os gatos desempenham um papel importante na prevenção de alergias junto das crianças com quem convivem. Especialmente se forem animais peludos as estatísticas mostram que reduzem o risco das crianças virem a desenvolver alergias ou asma ao mesmo tempo que lhes fortalece o sistema imunitário.

Tudo porque essas crianças ficam expostas a um ambiente menos higienizado provocado por alguma sujidade que o animal possa trazer para dentro de casa. O sistema imunitário vai criar mais defesas do que se a criança viver num ambiente muito esterilizado.

Ficar com o coração mais saudável é outro ponto a favor de ter um animal doméstico. Este passa pelo facto dos donos de animais como cães ou gatos acabarem por ter um incentivo maior para praticarem atividade física, seja pelos passeios que têm de dar na rua, seja pela simples gestão e limpeza a que dento de casa um animal obriga. Já para não falar do facto de a tensão arterial baixar sempre que afagamos um animal “fofinho”.

Outro factor importante do bem estar físico e mental é o companheirismo que um animal doméstico proporciona, capaz de ajudar eficazmente na gestão de situações de stress e ansiedade.

Ao interagirmos com um nosso gato ou o nosso cão, estamos a aumentar a nossa produção de dopamina e serotonina, os neurotransmissores de excelência para as nossas sensações de prazer e que são sobejamente conhecidos pelas suas propriedades calmantes para o nosso organismo. Os animais de estimação têm igualmente um papel decisivo na prevenção de depressões, especialmente junto de doentes ou idosos com propensão para o isolamento social.

Pode trazer sucesso pessoal

Como vimos, os pets podem ser considerados antidepressivos naturais e já são utilizados na prevenção e tratamento de alguma doenças. E talvez o serem tão benéficos para a nossa saúde física e mental, explique o facto de eles parecerem estar relacionados com outros acontecimentos da vida das pessoas que são apontados como variáveis importantes para avaliar a sua qualidade vida pessoal e profissional.

O artigo continua após o anúncio
ter um pet

Num estudo realizado o ano passado pela empresa inglesa Onepoll.com, foram detectadas correlações impressionantes entre factores considerados de sucesso para a vida de um humano e o facto deste possuir um cão ou um gato como animal de estimação. Ter um pet aumenta mesmo a felicidade. Senão repare.

O estudo comparou 1000 donos de gatos e cães, na casa do 55 anos, com um grupo de 1000 pessoas da mesma faixa etária, mas que não eram donos de nenhum animal de estimação. Como resultado a empresa detectou que os inquiridos que tinham animais de estimação tinham duas vezes mais probabilidades do que os outros de sentirem que tinham sido bem sucedidos na sua vida.

Ser casado, ter filhos, ter um título universitário e ter encontrado um trabalho de sonho, foram apontados como factores de sucesso e felicidade para estas pessoas que também tinham em sua casa um cão ou um gato à espera. Em contrapartida, no grupo que não tinha animais de estimação foi mais fácil encontrar pessoas que já tinham pago os seus empréstimos ao banco (de casa ou de estudo) e que pensavam reformar-se mais cedo, mas que tinham mais reservas em considerar-se como bem sucedidos na vida.

Gostar mesmo de animais

Avalie os resultados do estudo e pense se ter um animal de estimação poderá ou não aumentar as suas hipóteses de ser feliz de acordo o que mais valoriza na sua vida. Mas lembre-se sempre de duas questões importantes.

A primeira é que tem de gostar de animais porque forçar o convívio com um de que não gosta, apenas para ver se lhe acontecem coisas boas, pode ser contraproducente, arruinando a sua felicidade e a dele.

A outra tem a ver com a forma como vai tratar o seu animal. Tem de o manter feliz e saudável, com visitas regulares ao veterinário, para que a sua saúde e bem estar possam ser um realidade e o façam entrar para clube exclusivo dos Donos Felizes.

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp