ebook
           
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Patrocinado por Escola Virtual - Grupo Porto Editora
Teresa Campos
Teresa Campos
24 Jul, 2022 - 20:23

Tomar banho depois de comer faz ou não mal?

Teresa Campos

Tire as suas dúvidas e esclareça se, realmente, tomar banho depois de comer faz ou não mal. Desfaça mitos e cinja-se aos factos.

Apesar de ouvirmos desde crianças que tomar banho depois de comer causa indigestão, esta questão não é tão simples como pode parecer. É que o que pode provocar mal estar não é propriamente o tempo que passou sobre a refeição, mas antes a temperatura da água e a sua diferença em relação à temperatura do corpo e à temperatura ambiente.

Para entender melhor este aspeto, é preciso dizer que a indigestão se carateriza por uma sensação de azia e de desconforto no estômago, náuseas, vómitos ou diarreia. Este problema pode ter origens muito diversas. Descubra qual a relação entre tomar banho e comer em seguida.

Tomar banho depois de comer: mitos e verdades

Mulher a tomar banho de água fria

O tema de tomar banho depois de comer é sempre polémico e é sempre muito pesquisado na altura do verão, em que os banhos no mar ou na piscina, após o almoço, são mais comuns e apetecíveis.

Apesar de alguns riscos, há muitos mitos associados a este assunto que importa desmitificar.

MITO: Tomar banho depois de comer faz mal

Não há uma explicação científica para esta ideia. Facto é apenas que a digestão é um processo demorado e que, por isso, se coincidir com outra atividade que despenda energia, pode ficar comprometida.

FACTO: Um banho de água fria pode causar indigestão 

Este é um facto e a explicação é simples. O nosso corpo é responsável por garantir a sua termorregulação, o que significa que se tomarmos um banho de água fria, o nosso organismo vai procurar estabilizar a temperatura corporal.

Caso esteja a fazer a digestão, este processo ficará como que “em suspenso”, enquanto o organismo regula a temperatura.

MITO: Num banho no mar, há maior risco de indigestão

Como já explicámos, o risco está na amplitude térmica existente entre a temperatura do corpo e a da água. Essa amplitude pode ser maior tanto num banho no mar, como num banho em casa. Portanto, o local onde o banho é tomado não tem influência nesta questão.

MITO: Num banho de imersão, há maior risco de indigestão do que num duche

Tal como explicámos anteriormente, não são o local, o tipo ou a duração dos banhos que aumentam o risco de ingestão.

MITO: Só os banhos de água fria é que podem causar indigestão

Se após comermos, tomarmos um banho de água muito quente, parte do sangue existente no nosso corpo e usado durante o processo digestivo terá de ser desviado para a pele, de modo a conseguir baixar a temperatura corporal. Logo, há maior risco de indigestão.

Conclusão

Assim, além de muitas outras causas possíveis para a indigestão, como comer demais ou demasiado depressa; estar stressado; ou fazer esforço físico; é verdade que a diferença de temperatura entre o corpo e a água do banho, após a refeição, pode ter influência na forma como o processo digestivo decorre.

Há que evitar choques térmicos após as refeições, tomar banhos rápidos, optar por fazer refeições leves de digestão mais rápida e fácil e, acima de tudo, no caso de ir ao mar ou à piscina, evitar atividade física, como nadar, por exemplo.

Portanto, a recomendação é que, depois de comer, permaneça mais tranquilo durante cerca de uma hora, de forma a contribuir para uma digestão sem interrupções.

Se está de férias, aproveite o tempo após as refeições para dormir uma sesta, ler um livro ou ver um filme, enquanto o seu organismo se concentra na digestão dos alimentos que consumiu.

Veja também