Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
04 Set, 2023 - 03:19

Vacinas: sim ou não?

Catarina Milheiro

Vacinas previnem doenças que, de outra forma, poderiam causar sérios problemas de saúde. Analisamos os prós e contras da vacinação.

As vacinas protegem a população contra doenças infeciosas graves ou, até mesmo, potencialmente mortais. Falamos de patologias como a difteria, o tétano, a gripe, a rubéola, o sarampo, a tosse convulsa, a papeira ou a poliomielite, por exemplo.

Sabia que a vacinação previne, anualmente em todo o mundo, cerca de 2,7 milhões de casos de sarampo, um milhão de casos de tosse convulsa e dois milhões de casos de tétano?

E se há muitos anos a população morria de doenças que, sequer, percebiam as causas associadas, atualmente muitas dessas patologias podem ser prevenidas pela vacinação.

Se este é um assunto pelo qual tem interesse, fique connosco e descubra os prós e contras das vacinas.

Tudo sobre as vacinas: prós e contras

Sabia que, há, anos, as pessoas com sarampo sofriam frequentemente de complicações como a cegueira?

Como sabemos, as vacinas são usadas em milhões de pessoas em todo o mundo a fim de prevenir o aparecimento de diversas doenças.

E para que seja mais fácil compreendermos o assunto, uma vacina é uma preparação de antigénios (que são partículas estranhas ao organismo), que é administrada a uma pessoa acabando por provocar uma resposta imunitária protetora bastante específica de um ou mais agentes infeciosos.

Está a questionar o que são as vacinas? Os antigénios que constituem as vacinas podem ser vírus ou bactérias. Para que não provoquem a doença, os antigénios escolhidos devem ser imunogénicos – o que significa que devem desencadear uma reação imunitária e proteger assim o indivíduo contra a infeção.

Assim, as vacinas são um dos instrumentos médicos mais importantes para prevenir doenças e garantir a saúde pública. Contudo, e tal como em qualquer outra intervenção médica, também têm alguns contras que podem e devem ser considerados.

Prós das vacinas

1.

Atuam na prevenção de doenças

Quando o assunto é a prevenção de doenças graves como o sarampo, rubéola, poliomielite, hepatite B ou gripe, as vacinas são eficazes e ajudam a evitar situações de saúde mais complicadas.

2.

Ajudam a manter a saúde pública

O objetivo da vacinação é tentar proteger ao máximo a saúde pública, evitando a propagação de doenças infeciosas acabando por criar imunidade de grupo.

Ora, este tipo de atitude protege quer pessoas saudáveis, como crianças, idosos, indivíduos vulneráveis, bebés e jovens que podem não poder administrar uma determinada vacina por algum motivo específico.

3.

Custo reduzido quando comparado com o tratamento de doenças

Se compararmos o tratamento de algumas doenças e as suas complicações com o custo de produção de uma vacina, facilmente nos apercebemos de que esta acaba por ser mais eficaz e económica.

4.

Promovem a erradicação de doenças

Os programas de vacinação têm vindo a ser bem-sucedidos, uma vez que já levaram mesmo à erradicação do doenças como a varíola, por exemplo.

Aliás, graças à vacinação o sarampo também já foi erradicado em todo o mundo e a transmissão da poliomielite foi eliminada em quase todas as regiões do mundo, inclusivamente na Europa.

5.

Desenvolvem a imunidade de grupo

Como já referimos as vacinas estimulam o nosso sistema imunológico a desenvolver imunidade, sem que fiquemos completamente expostos ao risco da doença. Por isso mesmo, um dos benefícios da vacinação acaba por ser este: o da imunidade de grupo.

Contras

1.

Possível aparecimento de efeitos colaterais

Todos nós somos diferentes e, por isso, temos organismos distintos. O que significa que se amanhã tomar a vacina do tétano, por exemplo, e ficar com febre e dores de cabeça poderá ser normal.

Os aparecimento de efeitos colaterais depende do organismo de cada um e da forma como ele reage à vacina em questão. Além disto, o fator da idade também está diretamente relacionado com esta questão.

2.

Reações alérgicas

São poucos os casos em que as pessoas fazem uma reação alérgica a uma imunização. Contudo, pode acontecer. E em caso de reação ou suspeita, converse de imediato com o seu médico.

3.

Desinformação

Apesar de se acreditar que não, há ainda muita desinformação sobre as vacinas e sobre qual o seu objetivo. Na verdade, há ainda quem tenha medo e hesitação em ser vacinado por sentir que não sabe muito bem que tipo de substância está a inserir no corpo.

Ainda assim, é crucial referir que os benefícios das vacinas superam muito bem os riscos para o agravamento da nossa saúde. Por isso mesmo, os programas de vacinação têm um papel importantíssimo na proteção da saúde pública e na prevenção de doenças evitáveis.

E para garantir que os riscos são mínimos existem diversas organizações internacionais que monitorizam constantemente a segurança e eficácia das imunizações, a fim de minimizar os riscos.

Informe-se com o seu médico.

Veja também

Artigos Relacionados