Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
05 Set, 2019 - 02:39
Vindimas no Douro com programas para todos os gostos

Vindimas no Douro com programas para todos os gostos

Mónica Carvalho

Para muitos é a época mais bonita do ano: a festa das vindimas assinala uma época especial no Douro e também pode fazer parte dela. Saiba como.

O artigo continua após o anúncio

O final do verão e início do outono transformam o Douro e trazem a tão esperada e vivida festa das vindimas. Para quem já vivenciou esta experiência, sabe bem que é algo a repetir. Para os novatos, este é o ano de fazer mais um check na sua bucket list.

A época da vindima é o culminar de meses duros de trabalho para produzir verdadeiras delícias, que permitem aprimorar os momentos especiais e dar um toque de requinte às suas refeições. Afinal, os momentos felizes fazem mais sentido quando em boa companhia, seja com os vinhos do Douro ou com o próprio do vinho do Porto.

A festa das vindimas é um verdadeiro momento de celebração, onde a alegria e boa disposição ajudam a enfrentar as longas horas ao sol, na recolha da uva, e as demais tarefas que resultam num produto final engarrafado com muito amor e dedicação.

Cada vez mais são as quintas que permitem a participação de turistas na época de vindimas. Assim sendo, é tão normal ver, principalmente em setembro, os socalcos do Douro encherem-se de pessoas que encaram este trabalho com uma energia diferente. Afinal, as vindimas são mesmo uma festa que merece ser partilhada e vivida por todos.

Esta é também uma forma de dar a conhecer a região, bem como em que consistem e o que implicam as diferentes etapas de produção de vinho. E, se já participou, poderá comprovar a satisfação que é viver esta experiência e beber o que ajudou a preparar.

Vindimas: um trabalho tão bonito quanto duro

trabalhar nas vindimas

Mas não tenhamos uma visão unicamente cor de rosa sobre o processo. Não deixa de ser um trabalho intenso, exigente, que rouba muitas horas de sono. O sol abrasador pode fazer questionar muita coisa, porém, quando tudo termina, nada bate a sensação de dever cumprido.
Além disso, a vindima é um processo que requer cuidado, daí ainda tanto ser feito manualmente. A apanha da uva é feita elas “rogas” – nome dado às equipas que durante semanas fazem daquilo vida. Tudo o demais é secundário.

Os cachos são cortados, um a um, e depois colocados em caixas ou cestos, que, por sua vez, são colocados em camiões que os transportam até ao local onde vai decorrer a próxima etapa do processo: a separação automática das uvas boas, daquelas que não podem ser aproveitadas e de folhas e outros elementos que não devem ser incluídos na produção do vinho.

Em seguida vem o processo que provavelmente é o mais apreciado de todos: o esmagamento das uvas. Esquerdo, direito, esquerdo, direito – é o ritmo das pernas que, pintadas de bordô, parecem ganhar vida própria, enquanto se esmagam do fruto, de modo a separar a polpa da película. É certo que, em muitos locais, esta parte já é feita automaticamente, mas a tradição ainda exige que a intervenção humana seja uma parte importante do processo. É isto que permite criar uma mistura de suco, castas e bagas, a que se dá o nome de mosto.

O artigo continua após o anúncio

Nos três dias seguintes, em média, decorre a fermentação do produto, a temperaturas bem controladas; seguindo-se a filtragem do vinho. A próxima etapa é o envelhecimento, altura em que o vinho é colocado em barris para obter o produto final desejado. Assim, e dependendo também do tipo de uva utilizado, é precisamente o tempo que fica nos barris que irá definir o corpo e a estrutura do vinho, logo os diferentes sabores e odores.

Programas de vindimas para todos

Se gostaria de participar ativamente na festa das vindimas, seja no momento de recolha ou a pisar as uvas, ou até participar em provas de vinhos do Porto, já várias quintas que oferecem programas especiais. Confira o preço de alguns e faça a sua reserva o quanto antes.

  • Vindimas na Quinta do Vallado: 89€;
  • Vindimas na Quinta da Roêda: 30€;
  • Vindimas na Quinta da Pacheca: 94€;
  • Vindimas na Quinta da Avessada: 55€

E por que não ir de comboio?

comboio no douro

A CP quer ser uma parte ativa nesta festa das vindimas e, como tal, disponibiliza programas especiais, aos sábados de 14 a 21 de setembro. É a melhor forma de celebrar e conhecer esta tradição secular, bem como descobrir os encantos de uma região que é Património Mundial da UNESCO, desde 2001.

O programa de um dia inclui viagem em comboio especial, no percurso Porto Campanhã/Pinhão e Régua/Porto Campanhã, com partida às 8h00 e regresso pelas 20h32. Quando chegar à Estação do Pinhão, um transfer aguarda por si para o levar até à Quinta da Avessada, onde será feita a receção aos visitantes com música popular e degustação de algumas iguarias da região, como, por exemplo, o tradicional pão e bola de carne.

Se desejar participar na vindima também o poderá fazer e, para isso, serão fornecidos baldes e tesouras e explicadas as castas, a história da região e algumas tradições relacionadas com a vindima. Em seguida, irá desfrutar de um almoço regional acompanhado, pois claro, de vinho tinto ou branco D.O.C., à discrição.

Antes do regresso ao Porto, ainda há lugar para uma visita aos lagares e início da lagarada, acompanhada de cantos tradicionais durienses e de uma prova documentada de vinho Moscatel.

Confira os preços:

  • Adulto: 1ª classe 73,50€ / 2ª classe 69,50€
  • Crianças dos 4 aos 12 anos: 1ª classe 33,50€ / 2ª classe 29,50€

Para celebrar as vindimas, nada melhor do que conhecer toda a tradição e participar no processo produtivo do vinho na região do Douro. Tem garantida uma boa colheita, muito convívio e festa, numa viagem deslumbrante entre o Porto e Pinhão.

O artigo continua após o anúncio

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp