Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Miguel Pinto
Miguel Pinto
09 Out, 2020 - 11:25

Já bebeu o Vinho dos Mortos? Uma tradição ressuscitada em Boticas

Miguel Pinto

O nome é um bocado estanho, mas consta que o Vinho dos Mortos está bem vivo dentro das garrafas. Uma tradição de Boticas a não perder.

Garrafas de Vinho dos Mortos

Haverá vinhos cuja qualidade é, por si só, capaz de ressuscitar um morto. Outros haverá que ninguém os beberá, nem morto. Mas quando a conversa chega ao já famoso Vinho dos Mortos, no concelho de Boticas, aí a coisa muda de figura. Desenterrado e aberto, tornou-se uma especialidade vínica muito apreciada. Mas como diabo se chegou até este néctar?

Tudo começa com aquele velho ditado popular onde se jura a pés juntos de que a necessidade aguça o engenho. E foi o que fizeram as gentes de Boticas, que vendo aproximar-se as temidas invasões francesas, em 1808, escondeu o vinho, enterrando-o no chão das adegas, debaixo de pipas e lagares. Começava assim criar-se a lenda do Vinho dos Mortos.

vinho dos mortos: engenho contra os franceses

Soldados do exército francês

As invasões francesas ordenadas por Napoleão Bonaparte visavam a imposição de um bloqueio continental a toda a Europa, resultado não só da política expansionista dos gauleses, mas também do desejo destes em pôr cobro ao poderio económico e militar dos britânicos. Como Portugal não se submeteu a esse bloqueio, Napoleão ordenou três invasões ao nosso país, acabando as três tentativas derrotadas.

Como é óbvio, mesmo saindo vitoriosos, os portugueses penaram sobre a violência exercida pelos exércitos franceses, motivando desastres como, por exemplo, o da Ponte das Barcas, no rio Douro.

Construída sobre barcaças, esta ponte ligava o Porto a Vila Nova de Gaia, constituindo a única travessia do rio na região. O aproximar das tropas da segunda invasão francesa, comandadas pelo marechal francês Soult, gerou um movimento de pânico entre os habitantes, que empreenderam a fuga rumo ao rio Douro, tentando atravessar na Ponte das Barcas.

Sob o peso da população, a travessia, assente em vinte barcaças, acabaria por ceder, estimando-se que tenham morrido, a 29 de Março de 1809, cerca de quatro mil pessoas.

Entrada a norte

O que é que o desastre da Ponte das Barcas tem a ver com o Vinho dos Mortos, poderá perguntar-se. Bem, foi precisamente durante a segunda invasão francesa que o engenho das populações lhe permitiu salvar o precioso néctar. Depois de tentar entrar em Portugal pela região do Minho, intenção prontamente repelida pelas forças portuguesas, o marechal Soult decide marchar rumo a Ourense, seguindo daí na direção de Chaves, através do vale do rio Tâmega. Depois de reunirem todas as suas forças na cidade espanhola, os franceses apontaram a Portugal.

O governador militar de Trás-os-Montes, compreendendo a inutilidade de fazer ali frente ao invasor, tal era a desproporção de armas, retirou para uma zona a sul de Chaves. Soult fez então de Chaves a sua base para as operações que iria levar em cabo em solo português. E é aqui começam a criar-se as condições ideais para uma fantástica história como a do Vinho dos Mortos.

Por onde passavam, os soldados franceses não perdoavam a ninguém, cometendo inúmeras atrocidades junto da população e entretendo-se ainda a pilhar tudo a que podiam deitar a mão.

Vai daí, que a população de Boticas decidiu que tinha que guardar o que havia de mais valioso, neste caso o vinho. Escondido sob uma espessa camada de saibro, o vinho passou despercebido aos tumultuosos soldados de Napoleão e ali repousou durante muito tempo.

Com os franceses corridos de Portugal, foi tempo das populações recuperarem o possível dos bens que tinham deixado para trás. Desenterraram o vinho, mas julgando-o então estragado, após tanta peripécia.

Road trip pela estrada nacional 2
Não perca Estrada Nacional 2: road trip para atravessar Portugal

Vinho saboroso

Puro engano. Quando abriram as garrafas repararam que tinha adquirido novas propriedades, apresentando-se muito saboroso. Segundo o Repositório Histórico do Vinho dos Mortos, situado em Boticas, e onde se conta toda a história, tornou-se um vinho com uma graduação entre 10 e 11 graus e com algum gás natural, resultado de uma fermentação no escuro e a uma temperatura constante.

Foi assim que nasceu a tradição de enterrar o vinho, para otimizar a sua qualidade. Não é um vinho abundante, mas tem um sabor agradável, devendo ser servido à temperatura de 14º.

O Vinho dos Mortos acabou por se transformar num ex-libris de Boticas, e também da região flaviense. Merece uma visita e por ali pelos arredores também há muito que ver. Uma sugestão para um belo fim de semana transmontano.

Veja também