Publicidade:

Crédito para pagar dívidas: solução ou problema maior?

Não importa quão grande é o problema, estar informado é a melhor forma de o confrontar. Continue a ler e saiba como usar o crédito para pagar dívidas.

Crédito para pagar dívidas: solução ou problema maior?
Planeie a sua vida financeira de forma consciente e responsável

A vida nem sempre corre como gostaríamos e às vezes parece que os azares batem à porta todos ao mesmo tempo. Por outro lado, em Portugal a literacia financeira e a capacidade de gerir orçamentos pessoais não são tão desenvolvidas como seria desejável. Se está numa situação complicada, continue a ler e saiba se vale a pena recorrer ao crédito para pagar dívidas.

Recorrer ao crédito para pagar dívidas: sim ou não?

Pode ser uma boa solução se o crédito for contraído de forma absolutamente responsável e desde que outras medidas adicionais sejam tomadas.

Assim sendo, antes de procurar financiamento adicional tome as seguintes medidas:

1. Saiba exatamente qual é o tamanho do seu problema

Coloque numa folha de papel todos os seus credores, as respetivas dívidas e prazos de pagamento.

Ter um mapa mental deste tipo vai fazer com que os próximos passos se tornem mais claros.

2. Aperte o cinto

O próximo passo é olhar para o seu orçamento pessoal e perceber quais são os gastos em que pode cortar.

O financiamento não vai resolver o seu problema a menos que a sua atitude em relação ao dinheiro se altere, e a responsabilidade orçamental é o primeiro passo para sair da situação de dívida.

3. Tente renegociar as dívidas existentes

As instituições de crédito estão interessadas em recuperar o dinheiro que emprestaram e vão mostrar preferência pelo diálogo e negociação, por oposição à cobrança coerciva.

Contacte-os e tente negociar a sua dívida, através de planos de pagamento que lhe permitam ter maior margem de manobra.

4. Livre-se das dívidas com juros altos primeiro

Se contraiu dívidas onde lhe são aplicadas taxas de juro muito elevadas, essas devem ser as primeiras a ser arrumadas.

Considere, de forma absolutamente consciente e calculada, a possibilidade de contrair um novo crédito de forma a poder pagar outro com taxa de juro mais elevada.

Se tem uma dívida de cartão de crédito com o valor de 5000€, onde lhe é cobrada a taxa de juro de 18%, ao contrair um novo crédito com o mesmo valor e taxa de juro de 8%, a poupança poderá ser significativa.

5. Procure consolidar as suas dívidas

Se tem mais do que um credor, uma das soluções mais práticas e eficazes passa por consolidar as suas dívidas.

Na prática, estará a contrair novo empréstimo onde todas as suas dívidas serão concentradas numa só, o que lhe poderá trazer benefícios ao nível da redução das prestações mensais e prazo de pagamento mais alargado.

O dilema do crédito para pagar dívidas

Convém que haja consciência de que, à partida, a solução para sair da dívida e manter uma taxa de esforço tão baixa quanto possível passa por um crédito que o acompanhará durante mais tempo.

Por um lado, é uma solução que ficará mais cara a longo prazo, mas vai permitir-lhe respirar e ter margem de manobra para as despesas do dia-a-dia que são essenciais à sua sobrevivência. Por outro, as suas dívidas originais ficariam saldadas mais cedo caso não fossem orçamentalmente incomportáveis.

Depois de contrair um crédito para pagar dívidas

Amortize a dívida tão depressa quanto conseguir!

Naturalmente que a alimentação e a habitação são despesas às quais não é possível fugir, mas é recomendável que olhe para a poupança como uma forma de se livrar da dívida o mais depressa possível, acabando por poupar em juros a longo prazo.

Veja também:

Nuno Vasques Cambra Nuno Vasques Cambra

Licenciado em Cinema e Audiovisual, aprofunda agora conhecimentos de Marketing Digital. Apaixonado pelo humor e pela escrita, desenvolve conteúdos para diferentes plataformas e trabalha como escritor freelancer.