Marta Maia
Marta Maia
26 Out, 2021 - 10:35

Amortizar crédito: sempre que der ou nem pensar?

Marta Maia

É uma espécie de luz ao fundo do túnel, mas amortizar crédito é mesmo uma boa opção? Vamos analisar as vantagens e as desvantagens.

amortizar créditos

Desde o dia em que assinamos o contrato com o banco que esta opção não nos sai da cabeça: se conseguirmos amortizar crédito com uma frequência regular, acabamos com a dívida mais rápido.

Mas será que a amortização compensa mesmo? Nós achamos que sim, mas somos da opinião que nem sempre é a solução para todos os males – como, aliás, acontece com praticamente todos os produtos financeiros que os bancos nos vendem.

O que é amortizar crédito?

Para os iniciantes, vamos começar pelo princípio: amortizar crédito é pagar adiantado uma parte da dívida que temos com o banco. A amortização pode ser total – acaba com a dívida de vez – ou parcial – faz um pagamento mais avultado ao banco, mas continua com uma dívida em curso, embora mais reduzida.

Qualquer cliente pode amortizar crédito quando entender, desde que essa possibilidade esteja prevista no contrato. A amortização pode ser feita de várias formas, mas convém sempre consultar o seu contrato para ver quais delas são aceites pelo banco.

O que inclui a prestação que paga ao banco pelo seu crédito

Ao pedir um crédito ao banco terá de reembolsar o montante que lhe emprestaram através do pagamento de prestações (normalmente todos os meses).

A prestação inclui juros e amortização de capital, ou seja a remuneração e reembolso de parte do dinheiro que lhe emprestaram.

Mas já olhou atentamente para o plano financeiro que lhe entregaram quando fez o contrato? Então repare na primeira prestação A sua maior parte são juros e só uma ínfima parte dela é amortização do capital.

A justificação é simples, está a pagar juros sobre todo o valor que ainda deve. Ou seja, durante os primeiros anos na prestação estará a pagar essencialmente juros. Assim, só muito mais tarde a maior parte da prestação será amortização de capital.

Tendo isto em conta, tendo isto em mente, veja se lhe compensa amortizar o seu crédito. Mas como atrás dissemos há casos em que pode não valer a pena.

Quais são as vantagens e desvantagens de amortizar crédito?

Vantagens

A grande vantagem de amortizar um crédito é o alívio financeiro.

1. Orçamento familiar mais folgado

A redução da sua taxa de esforço é uma vantagem evidente, ou seja da parte do seu orçamento familiar que é destinado ao pagamento dos seus empréstimos.

Se a amortização for total, fica sem dívidas, que é o melhor cenário. Mas se a amortização for parcial, fica com uma dívida mais reduzida, o que também é bom.

Quando opta por uma amortização de crédito parcial, lembre-se que não só está a adiantar o pagamento do valor que entrega ao banco como também está a fazer descer as despesas acessórias: os juros, as comissões, os seguros de vida associados ao crédito… Tudo baixa quando o valor em dívida desce.

Assim, a sua taxa de esforço baixa, o que se por um lado lhe permite ter mais dinheiro para poupar ou para gastar noutras coisas como por exemplo na educação dos seus filhos.

2. Facilita o pedido de novo crédito

Amortizar crédito também pode ser uma solução quando precisa de pedir algo ao banco. Se quiser fazer um investimento, por exemplo, e precisar de ajuda do banco, muitas vezes compensa amortizar os créditos atuais e depois, do zero, começar a negociar a ajuda do banco para o investimento que vai fazer. Se não o fizer, o crédito que tem pendente pode atrapalhar o seu poder negocial.

3. Reduz o valor do seguro de vida.

Se tiver um crédito habitação, outra das vantagens é a redução do valor de seguro de vida que terá de pagar. Lembre-se que à prestação mensal acresce o pagamento do seguro de vida e que este está ligado ao valor em dívida sim, mas também à sua idade. Dito por outras palavras, quanto mais avançar na idade mais será o que terá de pagar pelo seguro. Liquidar mais cedo permite poupar alguns milhares de euros.

4. Terá liberdade financeira

Se não tiver dívidas aos bancos a sua situação financeira será de certeza fator para poder “dormir descansado”. Em situações de incerteza não ter dívidas permitir-lhe-á encarar o futuro com mais tranquilidade.

amortizar crédito habitação

Desvantagens

Já se sabe que os bancos detestam perder e vão fazer de tudo para agarrá-lo a um crédito até ao fim. Por assim a primeira estratégia vai ser associar custos à amortização. Isto quer dizer que sempre que procurar o banco para amortizar crédito e diminuir a dívida, o funcionário do outro lado vai dizer-lhe “sim, senhor”, mas vai pagar taxas – que ainda por cima são proporcionais ao valor que está a amortizar, ou seja, quanto mais amortizar mais paga.

1. Pagamento de comissões

De facto, ao liquidar antecipadamente um crédito irá ter de pagar uma comissão de reembolso antecipado, e como é uma percentagem do valor que amortizar, quanto mais amortizar, mas terá de pagar.

No crédito habitação sobre o valor que amortizar terá de pagar 2% se o empréstimo for de taxa fixa ou 0,5% se for de taxa variável.  Estas taxas aplicam-se seja a amortização parcial ou total.

Mas para os créditos pessoais os valores podem ser distintos e variam de banco para banco. Assim veja o preçário da instituição financeira onde contraiu o crédito. Pode até estar isento.

2. Pode perder benefícios fiscais

No caso do crédito habitação tenha em conta que se o seu empréstimo for anterior a 31 de dezembro de 2011 (nos termos do artigo 78ºE do código do IRS) pode deduzir até 15% dos juros que pagar durante o ano. Assim, se tem direito a esse benefício, faça as contas

3. Pode perder vantagens noutros produtos financeiros

Outra desvantagem prende-se com os produtos associados. Não se esqueça que, provavelmente, só tem essas condições de seguro de vida porque a apólice está associada a um contrato de crédito. O mesmo para contas sem despesas de manutenção, taxas de juro bonificadas nos depósitos a prazo e outros tantos “mimos” que desaparecem no momento em que deixar de ter um crédito com aquele banco.

Devo amortizar crédito?

A resposta começa a ser repetitiva, mas não podemos dar-lhe outra: depende.

Se o crédito que tem pendente é volumoso, sim. Se vai conseguir amortizar totalmente ou uma grande fatia de uma só vez, sim. Mas se vai perder nos produtos associados um valor maior do que o que vai ganhar com a redução dos juros e das comissões, não.

Por outro lado, se vai amortizar crédito “às pinguinhas” e pagar taxas em cima de taxas com muita regularidade, provavelmente não compensa. O mesmo se não tiver capacidade para fazer uma boa amortização ou se perder muito na renegociação dos seguros associados.

Faça contas e decida

No fundo, é só fazer uma conta simples: some tudo o que ganha em amortizar aquele valor e, ao lado, some tudo o que perde com a amortização. Se o resultado da conta dos ganhos é mais alta do que o da conta das perdas, tem aí a sua resposta. Resumindo: nunca deixe de fazer as contas!

O que deve fazer para amortizar um crédito

1. Faça contas

Faça contas. Use uma folha de calculo e de um lado liste todos os créditos que tiver, incluindo cartões de crédito. Escreva a taxa de juro, prestação que paga e prazo do empréstimo.

Escreva do outro lado quanto o pode poupar em juros, comissões ou outros encargos como o seguro de vida (caso esteja associado ao crédito) se fizer uma amortização parcial ou total.

Depois decida.

2. Comece por reduzir ou liquidar os empréstimos com maior taxa de juro

Quanto maior a taxa de juro, maior o valor que terá de pagar ao banco, pelo que o nosso conselho é o que comece por amortizar o que tiver a taxa de juro mais alta

3. Tenha em conta o aspeto psicológico.

Apesar de ser aconselhável liquidar primeiro o empréstimo com taxa de juro mais alta, o certo é que a componente psicológica é um aspeto a ter em conta.

Se tem muitos empréstimos, então liquidar um deles, mesmo o mais pequeno, pode ser um incentivo ainda maior para poupar e liquidar o seguinte. Se é o seu caso, comece por liquidar o de menor valor. Irá sentir de imediato o resultado do seu esforço.

Veja também