Inês Pereira
Inês Pereira
16 Set, 2019 - 09:39
Compreender melhor o abandono escolar: por que motivos é um problema?

Compreender melhor o abandono escolar: por que motivos é um problema?

Inês Pereira

Portugal tem uma das taxas de abandono escolar mais altas da União Europeia. Mas, afinal, o que significa isto? Saiba mais sobre este tema.

O artigo continua após o anúncio

Acordar cedo diariamente, apanhar o autocarro e passar horas numa sala de aula a pensar em todas as páginas para estudar quando chegar a casa, esta é a realidade dos alunos. Ao contrário do que muitos parecem pensar, a escola não é fácil e pode mesmo ser uma fonte de stress. Claro está que existe também quem simplesmente não se queira esforçar. Seja qual for o caso, a triste realidade é que pode resultar num verdadeiro problema: o abandono escolar.

Outrora obrigatória apenas até ao 9º ano, a presença na escola passou a ter de ser cumprida até ao 12º ano há cerca de 10 anos. Esta alteração veio colocar em debate temas como o insucesso escolar e a taxa de alunos que optam por abandonar os estudos, assuntos atualmente cruciais. Felizmente, esta taxa tem vindo a diminuir gradualmente em território nacional e, em 2018, atingiu o valor mais baixo de sempre.

Parece, portanto, bastante importante que todos compreendam o que é o abandono escolar e que medidas existem para combater este flagelo. Afinal, o objetivo é conseguir que os números atuais desçam ainda mais.

Abandono escolar: o que é e como combater

o abandono escolar é um problema

O propósito de qualquer instituição de ensino é contribuir para o desenvolvimento de pessoas livres, felizes, com conhecimentos vastos e capazes de compreender o mundo que as rodeia. Claro está que ao longo deste processo espera-se que os indivíduos adquiram também capacidades que lhes serão úteis para o seu futuro e para a construção de uma carreira profissional de sucesso.

Contudo, muitos são os jovens que preferem abdicar de uma formação completa e deixam a escola de forma precoce, não continuando os estudos. É nestes casos que estamos perante uma situação de abandono escolar, um conceito muitas vezes associado ao da escolaridade obrigatória.

E o que é o abandono escolar? Trata-se de um cenário em que um aluno deixa de frequentar a escola sem ter ainda concluído a sua formação, o que, em alguns casos, pode acontecer até antes de o ano letivo terminar. É um fenómeno muito complexo e multifacetado que resulta da combinação de fatores que podem ser de ordem social, económica, educativa e familiar.

Muitas vezes associada a desvantagens socioeconómicas, esta decisão raramente é repentina ou resulta de um episódio isolado. Regra geral, o abandono escolar tem origem num longo e bastante visível processo de insucesso e desinteresse progressivo pelo ensino. Assim, alguns motivos poderão passar por:

  • Dificuldades de saúde;
  • Necessidades especiais;
  • Problemas pessoais ou relacionados com a família;
  • Más relações com docentes;
  • Más relações com colegas e clima escolar negativo, por exemplo, existência de bullying;
  • Insatisfação com o resultados obtidos.

No entanto, sabe-se que existem padrões no que se refere a esta escolha e, como tal, alguns jovens são considerados mais em risco do que outros em função do contexto que os rodeia. Curiosamente, verifica-se que este é um fenómeno, embora não de forma exclusiva, mais comum entre os rapazes do que as raparigas.

O artigo continua após o anúncio

Escusado será dizer que este é um flagelo que deve ser combatido ativamente. De tal forma que, a nível nacional, os números têm vindo a descer e a taxa de abandono escolar atingiu os 11,8%, um mínimo histórico. Contudo, Portugal tem de continuar a trabalhar para alcançar os objetivos definidos pela União Europeia (10%).

Devido à sua natureza complexa, o abandono escolar deve ser abordado e combatido não só pela própria escola como por todos os demais intervenientes em conjunto. Isto significa que é necessária uma abordagem integrada para que seja possível reduzir este problema e promover o sucesso educativo para todos os alunos. Assim, dirigentes escolares, pessoal docente e não docente, famílias e alunos desempenham um papel valioso na prevenção e luta contra a desvantagem educativa.

Programa Segunda Oportunidade 2ªO

Uma das principais prioridades do Governo no que se refere às suas políticas educativas é precisamente o combate ao abandono escolar. Neste sentido, criou a sua mais recente iniciativa atingir este objetivo: Segunda Oportunidade 2ªO.

Trata-se de um programa de intervenção junto de jovens que abandonaram o sistema educativo e se encontram em risco de exclusão social. Esta iniciativa atua recolhendo as experiências já desenvolvidas por diferentes entidades como, por exemplo, a “Escola de Segunda Oportunidade” (em Matosinhos) ou a Rede Europeia de Escolas de Segunda Oportunidade e o interesse neste tipo de intervenção manifestado diferentes instituições.

O objetivo é trabalhar no sentido de uma ação interligada entre as escolas públicas e diferentes entidades que, através de um protocolo de cooperação, estabelecem uma parceria com vista à reintegração escolar e socioprofissional de jovens que tenham abandonado os estudos.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp