Catarina Reis
Catarina Reis
22 Abr, 2020 - 11:23

Como será o acesso ao ensino superior 2020/2021

Catarina Reis

Conheça em que moldes será operado o acesso ao ensino superior 2020/2021, tendo em conta as circunstâncias atuais.

estudante a estudar para os exames de acesso ao ensino superior 2020/2021

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus têm-se sentido transversalmente, e todos os quadrantes da sociedade sofreram alterações estruturantes, muitas efetuadas em tempo recorde. Neste contexto, o setor da educação foi um dos que mais impacto sofreu. Algumas poderão até mudar o paradigma do ensino – e com ele a forma como se processará o acesso ao ensino superior 2020/2021.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2020/2021 – AULAS SUSPENSAS

estudante a candidatar-se ao ensino superior

As aulas no ensino superior estão neste momento suspensas. Assim que o estado de emergência for levantado, estima-se que o retomar da vida normal será executado de forma lenta e gradual.

O acesso ao ensino superior não escapa a essa regra. Estando os estabelecimentos encerrados, neste momento a comunicação entre docentes e alunos é feita apenas por via digital. 

Como decorrerá o processo de acesso ao ensino superior?

As aulas dos anos de escolaridade que estão diretamente relacionadas com o acesso ao ensino superior são as dos 11.º e 12.º. Ora, o que está previsto neste momento é que as aulas nesses anos serão dadas pelo programa de ensino à distância, enquanto não for decretado o regresso às aulas presenciais.

Está previsto haver avaliação no final do terceiro período, avaliação essa que é imprescindível para o acesso ao ensino superior. Mas como será efetuada?

Como é efetuada a avaliação dos alunos?

A avaliação prossegue, ainda que seja efetuada a partir do desempenho dos alunos nas aulas efetuadas à distância.

O site de Apoio às Escolas já está preparado para albergar o sistema de avaliação dos alunos através do sistema de ensino à distância. Através dele, os professores poderão ter acesso às ferramentas de que necessitam para avaliar os alunos.

Trata-se de instrumentos já habitualmente utilizados no ensino básico e secundário, em Portugal, no âmbito das ofertas de ensino a distância, por exemplo, para crianças hospitalizadas e atletas de alta competição.

Exames

Apesar de todas as mudanças operadas em torno do ensino, nomeadamente a supressão de algumas provas e exames, como é o caso das provas do nono ano e no 11.º e 12.º dos exames nacionais não imprescindíveis para acesso ao ensino superior, algumas vão manter-se, como aquelas de que os alunos necessitam para efeitos de acesso ao ensino superior. Essas serão todas realizadas.

Ao todo serão 22 disciplinas cujas provas finais serão realizadas para efeitos do acesso ao ensino superior 2020/2021.

Exames que se mantêm não contam para notas internas – o foco está no acesso à universidade

Se pensar em realizar exames com o intuito de melhorar a avaliação das disciplinas por si só, poderá esquecer esse assunto. Todas essas provas e exames que se irão manter têm como propósito único e exclusivo o acesso ao ensino superior, ficando de fora as que possam contar para melhoria de notas. 

Exemplo:

O João realizou o exame nacional de português, no qual obteve a nota de 16. Essa nota apenas conta para efeitos da sua candidatura à instituição de ensino superior à qual se deseja candidatar.

Se a sua nota interna a essa disciplina for discrepante (imaginemos que um 10), nada será alterado relativamente à sua classificação final a Português no final do ano, que será de 10.

A nota do exame não releva para a classificação interna no 11.º e no 12.º anos. A classificação final corresponde à nota interna.

Mantêm-se também as provas de equivalência à frequência como é habitual, por parte dos alunos externos.

Alterações na datas dos exames de acesso ao ensino superior

Como consequência de toda esta situação que atravessamos, os exames foram adiados em relação às datas em que habitualmente decorrem.

As fases dos exames nacionais passam a realizarem-se nas seguintes datas:

  • A primeira fase dos exames nacionais decorre entre 6 e 23 de julho.
  • A segunda fase dos exames nacionais decorre entre 1 e 7 de setembro.    

De ressalvar que todos terão acesso à segunda fase, se assim pretenderem. Todos os alunos que queiram recorrer à segunda fase poderão fazê-lo para efeitos de melhoria de nota do exame ou por terem faltado à primeira fase.

Haverá lugar a mudanças também nos próprios conteúdos dos exames de acesso ao ensino superior

Os próprios conteúdos dos exames também mudam. As provas terão itens facultativos, a pensar nos diferentes contextos de aprendizagem.

Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins.