Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
09 Nov, 2018 - 12:55

22 alimentos tóxicos para cães que não deve dar ao seu patudo

Teresa Campos

Há 22 alimentos tóxicos para cães que deve conhecer para nunca dar ao seu patudo. Em alguns casos, estes alimentos podem mesmo conduzir à morte do animal.

22 alimentos tóxicos para cães que não deve dar ao seu patudo

Alguns dos alimentos tóxicos para cães que lhe vamos apresentar podem já ter sido oferecidos por si ao seu animal de estimação, sem nunca lhe ter acontecido nada de mal. Na verdade, certos alimentos tóxicos para cães podem não ter o mesmo efeito em todos os animais, além de que tudo depende da quantidade ingerida e, claro, da composição corporal do seu patudo.

Contudo, a mensagem que queremos passar é que não deve arriscar e deve banir por completo estes 22 alimentos tóxicos para cães da dieta diária do seu amigo de quatro patas. Na verdade, com tanta oferta de biscoitos e guloseimas especialmente preparadas para animais, disponíveis no mercado, não há mesmo razão para arriscar e oferecer ao seu amigo algo que pode comprometer, por vezes irremediavelmente, a sua saúde.

22 alimentos tóxicos para cães que podem causar a morte do seu animal

1. Chocolate

chocolate

Comecemos por nomear alguns componentes do chocolate como a cafeína e teobromina, que entram na categoria do composto xantina. Estes elementos constituem um enorme perigo para o seu animal e, sobretudo se lhe tiver dado chocolate negro, esse perigo aumenta ainda mais, já que a xantina encontra-se em maior quantidade, quanto mais escuro for o chocolate.

Nos casos de ingestão deste alimento, por parte do seu cão, ele pode fazer com que o seu cão vomite, fique desidratado, tenha dores abdominais, fique muito agitado, apresente um ritmo cardíaco irregular, aumente a temperatura corporal, tenha convulsões e, em situações mais extremas, possa mesmo morrer.

O cenário torna-se particularmente grave e os sintomas de envenenamento são por demais evidentes, quando o seu cão comeu entre 45mg e 52mg de chocolate por cada kg do seu peso. Saiba ainda que estes mesmos perigos também se estendem aos gatos, caso ingira chocolate.

Embora a sensibilidade às metilxantinas varie de animal para animal, os sintomas clínicos ocorrem, usualmente, entre 6h a 12h após a ingestão do alimente.

2. Leite e derivados

Assim como os seres humanos, também os animais podem ser intolerantes à lactose. Além disso, o leite tem açúcar e os cães não têm enzimas para o processar. Desta forma, o consumo de leite pode provocar vómitos, diarreia e outros problemas intestinais, expondo ainda o seu animal a várias bactérias que, consequentemente, podem provocar-lhe uma doença.

Assim como o leite, há que ter em atenção os seus derivados. Queijos, gelados, iogurtes,… podem fazer muito mal ao seu cão, provocando-lhe gases, vómitos, diarreia e, até, alergias de pele.

O queijo, por exemplo, contém não só leite, como açúcar e componentes gordurosos que as enzimas dos cães não têm capacidade de processar. Logo, deve ser mesmo um alimento a evitar.

3. Cebola, alho, alho-francês e cebolinho

Apesar da cebola estar presente no refogado de muitos pratos que cozinhamos e comemos diariamente, ela contém vários componentes que podem prejudicar o bem-estar do seu cão, caso seja consumida em demasia.

A cebola, o alho, o alho-francês e o cebolinho contêm uma substância chamada dissulfeto de n-propil que altera a hemoglobina, provocando a destruição de glóbulos vermelhos e causando anemia, icterícia e sangue na urina. Se não forem tratados, estes problemas podem mesmo necessitar de uma transfusão sanguínea, caso contrário poderão ser fatais.

Os primeiros sinais de intoxicação são vómito, dor abdominal, diarreia, desidratação, perda de apetite e falta de energia. Em casos de intoxicação severa, podem surgir outros sintomas como mucosas pálidas, dificuldade respiratória e aumento da frequência cardíaca.

4. Nozes de macadâmia

Neste caso, ainda não se sabe exatamente quais os químicos que se encontram nestas nozes, mas aquilo que se sabe é que causam reações tóxicas nos cães que as ingerirem.

Ao comê-las, os animais podem ficar fracos e incapazes de andar, com as patas traseiras particularmente afetadas. Além disso, podem apresentar vómitos, dores abdominais, um andar cambaleante, depressão, tremores, temperatura corporal elevada, frequência cardíaca acelerada e hipertermia.

Fique, ainda, a saber que bastam apenas 6 nozes de macadâmia torrada ou crua para o seu cão mostrar sinais de intoxicação, os quais podem iniciar-se logo cerca de 12h após a ingestão do alimento.

5. Uvas e uvas-passas

Assim como as nozes de macadâmia, e apesar de não se saber a razão, também as uvas são prejudiciais para o seu animal. Alguns dos seus químicos e componentes provocam toxicidade nos cães, causando-lhes falência renal, vómitos, diarreia, falta de energia, desidratação e falta de apetite. E é importante ressalvar que basta uma pequena quantidade para fazer o seu cão adoecer.

Embora estes sintomas não se registem em todos os animais, sabe-se que a maioria desenvolve vómitos e diarreia 6h a 12h após a ingestão, evoluindo para apatia, desidratação, sede e tremores. Já 24h a 72h após a exposição, pode ocorrer falência renal, causa principal de morte nestes cães.

6. Abacate

As folhas, o caroço, a casca e o próprio fruto do abacate possuem uma toxina chamada persina que pode provocar no seu cão alguns sintomas desagradáveis, tais como: vómitos, diarreia, estômago sensível, lesões cardíacas e obstruções no trato gastrointestinal (no caso do animal engolir o caroço do fruto).

Para além dos cães, há também outras espécies como gatos, aves, coelhos, cavalos e bovinos que apresentam o mesmo tipo de reação a este alimento.

7. Talos, sementes caroços de alguns frutos

Muitas vezes, após comermos uma fruta, temos o hábito de dar os talos e os caroços das mesmas ao nosso cão. Nada é mais errado!

Isto porque o coroço dos pêssegos, cerejas, ameixas e damascos, assim como as sementes das maçãs, por exemplo, além do risco de sufocamento, possuem glicosídeos cianogénicos, ou seja, cianeto. Este componente provoca no cão tonturas, dificuldades em respirar, convulsões, desmaios, hiperventilação, choque e, pode mesmo, conduzir ao coma.

As sementes dos diospiros também podem causar a inflamação do intestino delgado dos cães.

Os talos não contêm glicosídeos cianogénicos, mas também devem ser evitados por serem corpos estranhos que se podem alojar ou espetar ao longo do trato gastrointestinal.

8. Citrinos

Os alimentos cítricos contêm psoraleno, substância prejudicial à saúde do animal. Como são ácidos, são alimentos que não atraem muito os cães. Porém, deve mesmo evitar que o seu amigo de 4 patas ingira laranjas e limões, já que isso não é benéfico para ele.

9. Massa fermentada crua

Dar massa crua ao seu animal, vai fazer com que ela fermente no estômago do cão, tornando-se tóxica e provocando-lhe uma grande quantidade de gases, que pode provocar fortes dores abdominais e, até, causar uma rutura intestinal. Para além do desconforto abdominal, o animal pode apresentar vómitos e letargia.

É também importante lembrar que durante o processo de fermentação é produzido álcool que pode levar à intoxicação do animal. Todo este processo pode mesmo comprometer a irrigação do estômago e dificultar a capacidade respiratória do cão. Durante esse período, é normal que o animal vomite e apresente uma descida de temperatura. Em alguns casos, uma lavagem ao estômago poderá mesmo ser necessária.

10. Cafeína

cafeína

Como já referimos, aquando da menção ao chocolate, o café é prejudicial ao animal, desde logo, por conter um estimulante conhecido como xantina, que estimula o sistema nervoso dos cães, provocando vómitos, agitação, palpitações, tremores musculares, sangramento, convulsões, respiração acelerada e, até, a morte.

Por essa razão a cafeína deve ser evitada nas suas mais variadas formas, quer em chocolate ou no seu estado puro, quer em chá, cacau, refrigerantes, bebidas energéticas e, até, medicamentos.

A cafeína torna-se particularmente tóxica quando ingeridos 63mg por cada kg de peso do seu cão.

11. Alimentos com muita gordura

Alimentos com muita gordura tornam-se perigosos para os animais devido às suas altas concentrações calóricas, além de provocarem obesidade – um problema que afeta cada vez mais cães e gatos. A gordura em excesso pode, ainda, provocar vómitos, diarreia e danificar o pâncreas.

As carnes gordas e os ossos, por exemplo, podem causar pancreatite nos cães, já para não falar que um osso é suficientes para sufocar o animal, além de poder lascar e obstruir o sistema digestivo do cão.

Exemplo disto mesmo é o bacon, muito apreciado por humanos e cachorros, mas que é especialmente rico em gordura, podendo provocar uma série de problemas digestivos já abordados, além de dificultar a correta absorção de nutrientes.

12. Álcool

Como é óbvio, jamais os cães devem beber álcool, seja cerveja, vinho, vodka ou qualquer outra bebida alcoólica. Este componente pode causar vómitos, diarreia, depressão do sistema nervoso central, problemas de coordenação, dificuldade em respirar, coma e morte.

13. Ovo cru

O ovo cru possui uma enzima que pode interferir na absorção da vitamina B, causando problemas de pele e queda de pelo ao seu animal. Além disso, o risco de intoxicação alimentar por bactérias como a E. coli ou Salmonela é sempre elevado. Portanto, também deve evitar dar este alimento ao seu cão.

14. Carne e peixe crus

A carne de vaca e frango ou o peixe crus podem conter bactérias. Por isso, a sugestão é congelar ou cozinhar bem antes de oferecer ao seu animal, de modo a garantir que todas as bactérias, eventualmente existentes, já foram mortas.

Há ainda tipos de peixe como o salmão, truta, sável e esturjão que podem conter um parasita que causa a chamada “doença dos peixes.” Se não for tratada, a doença pode ser fatal, sendo os seus primeiros sintomas vómito, febre e gânglios linfáticos inchados.

15. Sal

O sal aumenta a pressão arterial e pode provocar sede excessiva, elevada produção de urina e intoxicação por iões de sódio. Assim como é aconselhável para os humanos, modere no uso e na oferta deste ingrediente ao seu animal.

Assim, não deve partilhar com o seu cão alimentos salgados, como batatas fritas, por exemplo. A ingestão de sal em excesso pode provocar vómitos, diarreia, depressão, tremores, temperatura corporal elevada e convulsões, podendo até causar a morte.

16. Batata e pele de batata

Se a pele da batata ou a batata em si está verde, ela contém uma substância chamada solanina. Ela pode ser tóxica para o seu animal, mesmo que ingerida em pequenas quantidades. Por essa razão, descasque sempre ou retire qualquer parte verde, antes de dar ao seu cão.

Também as partes verdes de outros alimentos como o tomate, por exemplo, podem provocar distúrbios no sistema digestivo, nervoso e urinário do seu animal.

17. Ossos

Já aqui falámos, superficialmente, sobre os ossos. Pois eles podem engasgar, sufocar e, até mesmo, perfurar algum órgão interno do seu animal. Já existem nas lojas vários ossos à venda, especialmente preparados para evitar correr estes riscos. Portanto, não dê mais ossos de animal ao seu cão.

18. Açúcar

Alimentos e bebidas com muito açúcar são alimentos tóxicos para cães, pois podem conduzir à obesidade, problemas dentários e, até mesmo, diabetes, a qual pode levar à cegueira.

19. Xilitol

O xilitol é um adoçante natural presente em produtos ditos livres de açúcar. Nos cães, a ingestão de pequenas quantidades deste produto pode causar uma descida abrupta do açúcar presente no sangue (hipoglicémia) e um aumento da libertação de insulina. Tudo isto em menos de 30 minutos! A ingestão de quantidades maiores de xilitol pode mesmo provocar lesões no fígado.

Os sinais clínicos mais evidentes desta intoxicação são vómitos, fraqueza, depressão, mucosas amareladas (icterícia), convulsões e, até, coma.

O tratamento pode incluir a indução do vómito, a administração de fluidos intravenosos com suplementação de açúcar e monitorização intensiva do fígado e do nível de açúcar no sangue. Em alguns casos, a morte ou a eutanásia podem ser o desfecho, devido à falência do fígado.

20. Amendoins

Os amendoins são alimentos que desencadeiam, frequentemente, alergias. Portanto, pelo sim pelo não, deve mantê-los afastados do seu cão, pois em caso de alergia, ela pode mesmo conduzir à morte.

21. Cogumelos

Da mesma forma, os cogumelos também podem ser um alimento bastante tóxico para cães e gatos, provocando problemas gástricos, de fígado e rins a estes animais, podendo mesmo ser fatal, em casos mais extremos.

22. Louro e noz-moscada

Estes condimentos podem provocar convulsões, danos no sistema nervoso central e, até mesmo, a morte, pelo que fazem parte da lista de alimentos tóxicos para cães.

Conhecidos que estão os 22 alimentos tóxicos para cães, está na hora de fazer uma limpeza na sua despensa e dificultar o acesso do seu animal a estes produtos.

Todos sabemos como dá dó o olhar de um animal dirigido a nós, enquanto estamos à mesa e ele saliva pela nossa comida. Porém, há que pôr a razão a funcionar e perceber que se certas comidas nossas são, na verdade, alimentos tóxicos para cães, então dizer-lhe “não” é, realmente, a melhor medida.

Partilhe com os seus amigos que têm patudos em casa quais são os 22 alimentos tóxicos para cães e mantenha sempre os seus animais de estimação em segurança.

Veja também