Publicidade:

Filosofia para crianças: filosofar desde cedo, mas porquê?

A filosofia para crianças chegou a Portugal nos anos 70, com a democracia. Do que trata este programa para os mais novos, vindos dos EUA?

Filosofia para crianças: filosofar desde cedo, mas porquê?
Saiba em que consiste este programa educacional

O programa de filosofia para crianças foi concebido nos Estados Unidos, na década de sessenta, por Matthew Lipman. Posteriormente, foi sendo implantado noutros países, como é o caso de Portugal, onde começou a ter lugar com a chegada de democracia, após o 25 de abril de 1974. A filosofia para crianças começou por existir em escolas do ensino particular e depois passou também a marcar presença em instituições do ensino público.

Mas, em que consiste? Como funciona? Qual a sua importância? Descubra tudo.

Filosofia para crianças: mais do que uma ciência social e humana


filosofia para crianças

O programa de filosofia para as crianças de Matthew Lipman apresenta muitas diferenças radicais pela forma como este autor aborda a filosofia. Na verdade, o que pretende é fazer filosofia com crianças, mais do que ensinar esta ciência social e humana às mesmas.

Desta forma, recupera de forma muito criativa a maneira como Sócrates e outros filósofos tão célebres a mostraram no passado, mas com uma diferença muito relevante: a filosofia praticada com as crianças, na sua iniciação, logo a partir dos quatros anos de idade, sempre que possível.

Não nos esqueçamos de que esta ligação das crianças à filosofia aparece desde a mais tenra idade, de forma natural, quando já possuem um determinado domínio da linguagem, manifestando a curiosidade pelo que acontece em seu redor e fazendo imensas perguntas aos pais e pessoas próximas, querendo saber o porquê de tudo. Digamos que as crianças são, nessa perspetiva, já pequenos filósofos! Ou seja, o bichinho da filosofia já lá está. Só é preciso desenvolvê-lo, com atividades adequadas a cada faixa etária.

Saiba mais sobre este importante programa educativo.

Quais as vantagens da filosofia nas camadas mais jovens?

  • Desenvolve o espírito crítico;
  • ensina a pensar e a argumentar de uma forma ordenada e coerente;
  • agiliza o pensamento e o discurso;
  • promove a curiosidade e a tolerância intelectual;
  • desenvolve competências de leitura e escrita.

Todas estas características, sendo transversais a todas as disciplinas, influenciam de forma outras disciplinas e domínios escolares.

Quais os objetivos fundamentais da filosofia para crianças?

  • Tornar possível uma formação mais integral dos cidadãos a partir da idade infantil;
  • permitir um intercâmbio de experiências entre os diferentes níveis de ensino, particularmente no que se refere à disciplina de Filosofia, que tem apenas existência ao nível do ensino secundário;
  • permitir o questionamento, a problematização, a reflexão, o autoconhecimento e a autonomia, com foco nas preocupações relativas ao universo da infância;
  • agilizar procedimentos cognitivos e verbais;
  • ajudar a consolidar estruturas cognitivas lógicas e discursivas;
  • tornar mais eficientes as competências de leitura e escrita;
  • fomentar uma reflexão sobre o mundo e os outros e as competências éticas que lhe estão associadas;
  • promover as competências de diálogo, respeito, tolerância através da criação de uma pequena comunidade de investigação;
  • educar para os valores éticos universais;
  • desenvolver a consciência dos direitos e deveres dentro da vida em comunidade;
  • estimular a sensibilidade estética e o interesse pela expressão artística.

A filosofia para crianças pode, portanto, ser algo muito interessante, e as escolas deverão estar bem atentas à experiência de outros estabelecimentos de ensino, onde este programa já se encontra em funcionamento.

Veja também:

Catarina Mesquita Catarina Mesquita

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses e Ingleses, Pós-Graduada em Linguística Portuguesa e Mestre em Estudos Portugueses Multidisciplinares, possui experiência de mais de quinze anos ao serviço da educação, da tradução e da escrita.