Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
17 Jan, 2020 - 11:57

Movimento Bauhaus: características e exemplos decorativos

Mónica Carvalho

Espaços livres, linhas retas e uso de material industrial: estas são algumas das principais bases que permitem identificar o movimento Bauhaus. Saiba mais.

bauhaus

A Escola de Arte Bauhaus teve início na Alemanha, tendo vigorado de 1919 a 1933. Rapidamente se tornou na instituição mais importante e influente do género e foi, sem dúvida, a grande impulsionadora deste movimento.

Com Bauhaus propõe-se a criação de habitações simples e modestas, sem colocar em causa a eficiência, a acessibilidade e os projetos bem conseguidos. Tal implica o recurso a componentes padronizados, ou seja realizar uma produção em série, que consegue, assim, dar resposta à construção em larga escala, de forma rápida e barata.

Nesse sentido, os arquitetos que seguiam o movimento Bauhaus consideravam-se uma espécie de líderes de profundas alterações na sociedade, que se propunham a abdicar da construção magnânima para criar casas comuns para o homem comum.

Assim, o movimento Bauhaus foi verdadeiramente pioneiro no ensino de novas técnicas e recursos que se tornaram elementos básicos da cultura visual dos tempos futuros. De que forma? Através do uso de fotografia, fotomontagem, colagens e tipografia, o que permitia interligar o conhecimento técnico com a educação artística, social e humana.

Principais características dos edifícios Bauhaus

Consegue olhar para um edifício e indicar se pertence ao movimento Bauhaus? Então, faça check na lista das principais características:

  • Construção de paredes lisas e de cores claras, preferencialmente brancas;
  • Decoração mínima, de linhas simples;
  • Coberturas planas, que são muitas vezes transformadas em terraços;
  • Criação de janelas amplas, grandes, em fila e com recurso a fachadas de vidro;
  • Destruição das paredes internas, para dar lugar a interiores de planta aberta, criando open spaces modernos;
  • Uso recorrente de cimento, vidro e aço;
  • Uso de tubos brancos inflexíveis;
  • Valorização de objetos de estilo industrial;
  • Interligação com diferentes tipos de arte, nomeadamente cerâmica, tecelagem e marcenaria;
  • Predomínio das linhas retas;
  • Recurso a objetos com padrões geométricos bem definidos;
  • Foco no funcionalismo: uso de materiais e objetos com funções bem específicas;
  • Construção de obras que devem ser produzidas em grande escala e para qualquer tipo de público.

100 anos de escola Bauhaus

aquitetura bauhaus

2019 assinala os 100 anos da escola Bauhaus, considerada uma das mais influentes escolas nas áreas do Design e Arquitetura. E, nesse sentido, em jeito de celebração, o portal de viagens Lonely Planet considerou a Alemanha como o segundo destino a visitar em 2019.

Não precisa de ser um grande conhecedor das tendências nestas áreas para que o nome Bauhaus lhe soe familiar. Afinal, são muitos os edifícios e peças de decoração e mobiliário espalhados por toda a Europa, incluindo Portugal, construídos segundo este movimento que, apesar de centenário, continua ainda muito atual e a influenciar diversos profissionais do século XXI.

Prova disso mesmo, são muitos dos objetos que encontra à venda na famosa loja Ikea.

Mobiliário e peças decorativas do movimento Bauhaus

Além de investir na arquitetura e nas artes plásticas, os integrantes da Escola Bauhaus criaram vários móveis e objetos de decoração que se mantêm atuais. Conheça algumas das peças mais famosas.

Mesas aninhadas de Breuer

Marcel Breuer é um arquiteto e designer húngaro-americano habituado a trabalhar com aço tubular e estruturas metálicas, em cadeiras e mesas.

As mesas aninhadas de Breuer permitem conciliar arte e indústria, revelando-se como um objeto simples, útil e cuja aplicabilidade pode ser variada.

Cadeira Barcelona

A cadeira Barcelona do movimento Bauhaus é facilmente identificável. Foi apresentada ao público no Pavilhão Alemão da Feira Internacional de Barcelona, em 1929, mas ainda hoje é visível a sua presença em muitas habitações e lojas de decoração, principalmente nas cores branco, preto e castanho.

Feita originalmente em couro, a cadeira possui duas partes: o encosto e o apoio para os pés, com o objetivo de proporcionar o máximo de conforto. Aparenta ser uma peça elegante, requintada e exclusiva, mas a verdade é que é mesmo produzida e grande escala.

Poltrona Wassily

Esta poltrona/cadeira foi desenvolvida entre os anos de 1925 e 1926 pelo arquiteto Marcel Breuer, o mesmo que criou as mesas aninhadas de Breuer.

Numa fase inicial, a peça era feita com tubos de sustentação de aço e couro, naquela que se revelou como uma verdadeira inovação: até então o aço tubular não era utilizado para o design e produção de mobiliário.

Abajur Wagenfeld-Leuchte (ou Bauhaus-Leuchte)

Simples e com formas geométricas bem características: assim é este candeeiro bem icónico do movimento Bauhaus, composto por uma cúpula de vidro e metal, que representa a fase tecnológica da Escola.

Esta é a peça mais conhecida de Wagenfeld que tinha sempre uma grande preocupação no momento de criação de um novo objeto: que fosse acessível a qualquer pessoa.

Veja também