Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
17 Out, 2018 - 13:47

Cães braquicéfalos: conheça estas raças de cabeça curta

Teresa Campos

Os cães braquicéfalos têm caraterísticas anatómicas muito particulares que requerem cuidados especiais. Saiba quais são e previna problemas maiores.

Cães braquicéfalos: conheça estas raças de cabeça curta

Os cães braquicéfalos correspondem a raças, que possuem algumas caraterísticas anatómicas capazes de lhes provocarem alguns problemas ou dificuldades de saúde, as quais os seus donos devem conhecer a fundo. Se tem cães braquicéfalos ou pensa tomar conta de algum animal com estas caraterísticas, este artigo interessa-lhe e muito, pois vai dar-lhe a conhecer algumas das fragilidades destes amigos de quatro patas, cuja beleza a todos conquista, mas que tem de enfrentar alguns desafios e obstáculos ao longo da sua vida.

Cães braquicéfalos: complicações mais recorrentes e raças afetadas

Cães braquicéfálos: o que são?

O termo “braquicéfalo” deriva do latim: Branqui – que quer dizer curto – e Céfalo – que quer dizer cabeça. Ou seja, a designação traduzida à letra significa “cabeça curta”. Esta é uma designação que se aplica aos cães de focinho chato, com um maxilar inferior normal e um maxilar superior recuado, isto é, proporcional ao tamanho corporal. Devido a esta condição, estas raças têm uma esperança de vida menor, pois a sua vida e saúde enfrenta alguns comprometimentos.

Problemas mais frequentes

1. Sistema respiratório

As raças de cães braquicéfalos sofrem do chamado síndrome respiratório braquicéfalo, que afeta diferentes áreas do sistema respiratório do animal, dificultando a sua respiração, provocando sons estranhos e complicando a sua deglutição. Nem todos estes cães apresentam todos estes sintomas. Porém, é importante que os donos se mantenham atentos e informados.

2. Estenose nas narinas

Este é um termo mais complexo para dizer “narinas estreitas”. Os cães braquicéfalos têm uma abertura nasal muito pequena que, em casos mais complexos e graves, pode mesmo necessitar de uma cirurgia para corrigir esta mal-formação e melhorar a vida do animal.

3. Palato mole alongado

Outra condição destes cães é terem o prolongamento do palato mole, que diz respeito à continuidade do palato duro que fica no céu-da-boca e que divide a cavidade oral e nasal dos animais auxiliando na deglutição e fonação. Nos cães braquicéfalos, o palato mole é muito grande e não cabe dentro da cavidade oral do animal, provocando sons de ronco e dificultando a deglutição. Também aqui a cirurgia pode ser a solução, bastando para tal retirar o palato mole.

4. Hipoplasia da traqueia

A traqueia do cão braquicéfalo pode ser muito estreita em algumas zonas. Tal caraterística pode acarretar algumas preocupações e riscos, caso o animal tenha de ser, por exemplo, anestesiado. Por esta razão, antes de qualquer procedimento cirúrgico, estes cães devem fazer radiografias peitorais.

5. Hipertermia – stress provocado pelo calor

As obstruções respiratórias recorrentes nestes cães tornam-nos em animais bastante ofegantes. Ao contrário das outras raças, o cão braquicéfalo tem de levar a cabo um “trabalho extra” para movimentar a mesma quantidade de ar que um qualquer outro cão, podendo assim inflamar as vias respiratórias, conduzindo a uma maior obstrução e sobreaquecimento. Logo, o número de ataques de calor nestes tipos de cão são muito mais frequentes.

6. Problemas oculares

Pelo facto da maior parte dos ossos nasais destes cães estarem compactados, as raças braquicéfalas tendem a ter problemas com a localização dos seus olhos. Por este motivo, devem evitar-se batidas na parte de trás da cabeça do animal – mesmo durante as brincadeiras – e muitos puxões com a coleira, pois tal pode provocar que os olhos saiam da órbita e precisem de recolocação cirúrgica.

7. Limpeza dos olhos e pele

A limpeza dos olhos destes cães é muito importante pois, por vezes, o formato das pálpebras destes animais prejudica o lacrimejar, causando acumulação e, consequentemente, infeção ocular. São também comuns infeções nas dobras da pele da face, pelo que estas áreas devem ser examinadas e limpas diariamente.

8. Doenças peridontais

As raças braquicéfalas têm 42 dentes, como todos os cães, mas muito menos espaço para eles. Por isso, é frequentes a sua dentição crescer em ângulos diferentes, prendendo restos de comida e causando, assim, doenças periodontais mais cedo e com mais frequência do que outras raças. Portanto, é fundamental começar a usar produtos dentários no animal o quanto antes.

9. Cesarianas

As cabeças largas que caraterizam estas raças não só tornam a sua reprodução mais complicada, como contribuem para um trabalho de parto difícil que requer, frequentemente, intervenção cirúrgica, nomeadamente por meio de cesariana. No caso de fêmeas com hipoplasia traqueal, a gestação é de todo desaconselhada.

Raças braquicéfalas

1. Buldogue inglês

bulldog

Com origem no Reino Unido, no século XVII, o buldogue é um cão robusto, forte e musculoso. Tem ombros grossos, cabeça grande, corpo curto, lábios caídos e rosto com dobras. A pelagem é curta e existe nos tons branco, bege ou avermelhada.

2. Boxer

boxer

Originário da Alemanha, no final do século XIX, 19, o boxer surgiu do cruzamento de duas raças extintas: Brabant Bullenbeisser e Buldogue antigo. Em alguns países, esta é considerada uma raça potencialmente perigos. É um animal fiel, vigilante e necessita de muita atividade física, assim como de socializar, desde cachorro.

3. Buldogue francês

buldogue francês

Como o nome indica, esta raça surgiu em França, já no final do século XIX, sendo mais tarde levada para os EUA. Tem um focinho chato, cabeça larga e quadrada e frente enrugada. É muito tranquilo, por isso, adapta-se bem a um apartamento e não suporta o calor.

4. Pug

Pug a correr na relva.

De origem chinesa, esta é uma das raças mais populares em todo o mundo. Possui um corpo maciço coberto de dobras, olhos grandes e escuros e cauda encaracolada. Adora brincar e é um pouco desconfiado com estranhos.

5. Boston Terrier

boston terrier a correr no relvado.

Surgiu nos EUA e é uma ótima companhia, pois é amigável e obediente. É de pequeno porte e possui focinho achatado, orelhas grandes e pontiagudas, olhos grandes e separados entre si e a cauda curta, assim como as suas patas.

6. Shih Tzu

cão shitsu posa entre as flores

Esta raça tibetana surgiu do cruzamento entre um Pequinês e um Lhasa Apso. Apresenta uma pelagem longa e fina e é dócil, sociável e carinhoso.

7. Pequinês

pequines

Esta raça chinesa deriva dos cães lanudos do Tibete. Eram os animais de estimação, por excelência, da Família Imperial e da Alta Nobreza e só no século XIX chegaram à Europa, trazidos pela Rainha Victoria, de Inglaterra. Este cão gosta de companhia, é sossegado e pouco barulhento.

8. Lhasa Apso

lhasa apso

De origem tibetana este parece um pequeno leão, devido à pelagem longa que possui ao redor da cabeça. Por esta razão, requer uma escovagem contínua e frequente, podendo a sua pelagem ser dourada, preta, mel, branca ou cinza.

Outras raças braquicéfalas

Affenpinscher
Bullmastiff
Cavalier King Charles Spaniel
Dogue de Bordeaux
Mastiff inglês
Mastim napolitano
Pekingese
Spaniel inglês
Spaniel Tibetano

Não queremos, de todo, desencorajá-lo na hora de adotar para seu amigo um destas raças de cães braquicéfalos. Além de amorosos, estes são animais cheios de qualidades e que podem trazer muita alegria e emoções boas à sua vida. Contudo, é importante que, como dono, esteja sensível para alguns aspetos da saúde do seu animal.

Veja também