Miguel Pinto
Miguel Pinto
01 Fev, 2024 - 15:32

Caretos de Podence: pronto para rumar ao Entrudo Chocalheiro?

Miguel Pinto

Entre 10 e 13 de fevereiro, os Caretos de Podence regressam com o seu Entrudo Chocalheiro. Uma tradição a não perder.

caretos de podence no entrudo chocalheiro

Os Caretos de Podence são Património Cultural Imaterial da Humanidade e uma das mais conhecidas manifestações populares no país. Os seus fatos garridos, o barulho dos chocalhos e, claro está, as máscaras que escondem os rostos dos “provocadores” são reconhecidos um pouco por todo o lado.

São os heróis do já famoso Entrudo Chocalheiro, que está de volta e até já tem um vasto programa, que pode ser consultado aqui.

De 10 a 13 de fevereiro é toda uma tradição que regressa e que, ano após ano, vai arrastando milhares de pessoas ao nordeste transmontano.

Os festejos começam no sábado, dia 10, com uma caminhada que arranca às 9h00 e que termina com a queima do Entrudo na terça-feira, dia 13, pelas 18 horas.

Ao longo dos quatro dias do Entrudo Chocalheiro, a animação pela aldeia de Podence vai ser uma constante.

Artesanato, mercadinho tradicional, tabernas e restaurantes onde pode comer os produtos regionais, com experiências gastronómicas à base do fumeiro, são algunas das atrações a não perder.

Assim, se ainda não foi até ao berço deste misteriosos mascarados, não perca tempo e rume a Macedo de Cavaleiros, passe pela aldeia de Podence e conheça toda a história destes históricos caretos.

Caretos de Podence: tradição secular

Os Caretos representam imagens diabólicas e misteriosas que todos os anos desde épocas que se perde no tempo saem à rua nas festividades carnavalescas de Podence, Macedo de Cavaleiros.

Interrompendo os longos silêncios de cada inverno, como que saindo secretos e imprevisíveis dos recantos de Podence, surgem silvando os Caretos e seus frenéticos chocalhos bem cruzados nas franjas coloridas de grossas mantas.

No momento actual mais que uma tradição, são o símbolo da Cultura Nordestina tornando-se um dos Grupos mais emblemáticos a nível nacional. 

Constituído em 1985 dentro de uma associação cultural, com o objectivo de preservar a tradição carnavalesca, o grupo assume-se como etnográfico, sendo constituído por cerca de 20 elementos, todos homens, e por onde passam deixam um fascínio sedutor.

Os caretas usam máscaras rudimentares, onde sobressai o nariz pontiagudo, feitas de couro, madeira ou vulgar latão, sendo pintadas de vermelho, preto, amarelo ou verde. A cor é também um dos tributos mais visíveis das suas vestes: fatos de colchas franjados de lá vermelha, com enfiadas de chocalhos à cintura e bandoleiras com campainhas. Da sua indumentária faz também parte um pau, que os apoia nas correrias e nos saltos. A rusticidade do ambiente é indissociável desta figura misteriosa.

Raiz profana e carnal

De acordo com a publicação “Caretos de Podence, Demos à Solta”, esta tradição radica na raiz profana e carnal. O verdadeiro motivo que move o Careto é apanhar raparigas para as poder chocalhar. Sempre que se vislumbra um rabo de saia, o Careto é impelido pelo seu vigor.

Ao Careto tudo se permite nesses dias pois assume uma dupla personalidade. O indivíduo ao vestir o fato torna-se misterioso e o seu comportamento muda completamente, ficando possuído de uma energia transcendental. Existe algo de mágico e de forças sobrenaturais ocultas em todo este ritual de festa que atribuí a estas personagens prerrogativas a imunidade interditas a outros mortais

Restaurante Maria Rita
Não perca Maria Rita: comer como um lorde em Jerusalém do Romeu

Visite a Casa do Careto

E já que está em Podence, não pode perder a Casa do Careto, inaugurada no dia 22 de Fevereiro de 2004. Este espaço proporciona a realização de vários eventos culturais e recreativos enquadrados no Roteiro Turístico do Nordeste Transmontano e de apoio ao Parque de Natureza do Azibo.

O espaço é composto por sala de exposições (mostra permanente da tradição carnavalesca dos Caretos), salão multiusos para a realização de vários eventos, seminários, exposições e reuniões, a tasquinha regional ‘O Careto’, com vista panorâmica para a Albufeira do Azibo, e um espaço para venda de merchandising dos caretos.

Veja também

Artigos Relacionados