Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Inês Silva
Inês Silva
18 Nov, 2019 - 11:24

Carreira política: saiba por onde começar

Inês Silva

Se ambiciona para o seu futuro servir legitimamente o país, o ideal é começar cedo o caminho da carreira política. Saiba mais.

carreira política

Se continua a ler este artigo é porque já pensou, com certeza, em iniciar uma carreira política, seja pela vontade de fazer a diferença na região onde mora ou pelo desejo de contribuir efetivamente para o bem-estar do país. Por outro lado, é bem provável que não saiba por onde começar e se sinta perdido. Não se preocupe, vamos dar uma ajuda.

O ideal será iniciar a carreira política o mais cedo possível, começar como militante de um partido, depois presidente de junta de freguesia, presidente da câmara, deputado, ministro e, quem sabe, terminar com a Presidência da República.

Antes de se candidatar, é necessário perceber se cumpre os requisitos para ser considerado um candidato. Podem nem ser muitas as exigências para candidatar-se a um cargo político, mas tenha a noção que é necessário possuir diferentes competências. Continue a ler para saber mais.

Carreira política: o que é ser político e quem pode ser eleito para cargos públicos

entrevistas de jornalistas

O que é ser político?

Segundo o Dicionário infopédia da Língua Portuguesa, um político é uma “pessoa que tem responsabilidades de ordem política; que participa na vida política; que age de acordo com estratégias consideradas políticas; homem de estado; estadista”.

Quem pode ser eleito para cargos públicos?

De acordo com a Constituição Portuguesa, todos os cidadãos têm o direito de acesso, em condições de igualdade e liberdade, aos cargos públicos. Todos têm o direito de participação na vida pública, tratando-se de um direito de carácter político que não se confunde com o direito de acesso à função pública.

O direito de sufrágio inclui o sufrágio ativo, que representa o direito de votar e de participar em eleições, e o sufrágio passivo, que garante o direito de ser eleito para qualquer cargo público, incluindo o direito a ser candidato nas eleições.

Assim sendo, de modo muito geral, podem apresentar-se a sufrágio todos os cidadãos maiores de 18 anos, tal como o princípio da universalidade que atribui o direito de voto a todos os cidadãos.

As eventuais restrições de candidatura a um cargo político têm como motivo a falta de cidadania portuguesa, a residência fora de Portugal, a existência de doenças psiquiátricas ou penas de prisão temporária, e os requisitos próprios de cada cargo como, por exemplo, ter a idade mínima para concorrer ao cargo escolhido.

Estas informações e a legislação em vigor podem ser consultadas na página da Comissão Nacional de Eleições.

Requisitos para candidatura a cargos políticos:

Órgãos das Autarquias Locais

  • Cidadãos portugueses eleitores;
  • Cidadãos eleitores de Estados membros da União Europeia quando de igual direito gozem legalmente os cidadãos portugueses no Estado de origem daqueles;
  • Cidadãos eleitores dos países de língua oficial portuguesa com residência em Portugal há mais de quatro anos quando de igual direito gozem legalmente os cidadãos portugueses no respetivo Estado de origem;
  • Outros cidadãos eleitores com residência legal em Portugal há mais de cinco anos desde que nacionais de países que, em condições de reciprocidade, atribuam capacidade eleitoral passiva aos portugueses neles residentes.

Assembleia da República

  • São elegíveis para a Assembleia da República os cidadãos portugueses eleitores.

Presidência da República

  • São elegíveis para a Presidência da República os cidadãos eleitores portugueses de origem, maiores de 35 anos;
  • Funcionários do Estado ou de outras pessoas coletivas públicas que não precisam de autorização para se candidatarem à Presidência da República.
Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego
Veja também O que é a Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego?

Carreira política: como começar e o que estudar

reunião

Como começar em 3 passos

1. Defina o seu perfil

Se decidiu ser político, é importante que defina a sua trajetória, ou seja, definir bem o seu perfil, quem é o seu público-alvo e quais as suas preocupações, e saber que objetivos pretende alcançar com sua candidatura.

Filiar-se num partido político é indispensável para quem quer ser eleito para um cargo público. Conheça as visões ideológicas de cada partido, saiba qual é o que se identifica melhor com o seu perfil, antes de tomar uma decisão.

2. Ganhe experiência

O trabalho voluntário é uma ótima opção para quem quer adquirir experiência e ter a oportunidade de causar impacto real e mensurável na comunidade. Além de serem bons para o currículo, projetos sociais vão permitir que se sinta mais preparado para lidar com os desafios do mundo da política, além de propiciar novos contactos que podem ser úteis no futuro.

Começar a atuar politicamente em contextos mais pequenos. Fazer parte de associações académicas ou participar nas associações locais podem ser uma boa maneira de ganhar experiência e maturidade para sua futura carreira de político.

Escolher um curso universitário é também um passo importante, apesar de não existirem cursos específicos para cargos políticos. Mas, dependendo dos seus objetivos, pode escolher uma determinada carreira.

Participe nos eventos, convenções e campanhas do partido que escolheu para que as pessoas comecem a conhecê-lo.

3. Invista no networking

Fazer contactos é indispensável para quem quer ter uma carreira sólida na política. Deve aproveitar todas as oportunidades para aumentar seu networking e causar uma boa impressão nas pessoas que o rodeiam.

Se tiver dificuldade em relacionar-se socialmente, invista em técnicas para se sentir mais confiante ao interagir com desconhecidos ou falar em público como, por exemplo, fazer cursos de coaching pessoal.

Utilize as redes sociais que ganham cada vez mais popularidade entre os políticos e são uma excelente opção para quem quer aumentar seu círculo social e passar uma mensagem bem clara e definida dos seus ideais, propósitos e ideologias.

O que estudar?

1. Ciência Política

Esta é uma opção óbvia. Com este curso terá uma formação sólida sobre teorias políticas, sistemas políticos comparados, partidos políticos, sistemas e comportamentos eleitorais, estado e administração pública, etc.

2. Direito

Terá uma base ótima ingressar na área da política devido aos vários ramos do Direito que contemplam a administração pública.

3. Economia

Como político, é importante que saiba como direcionar adequadamente os recursos, além de conseguir lidar com esses recursos de forma honesta e estratégica.

4. Gestão

Este curso prepara os estudantes para, um dia, gerirem uma empresa de forma inteligente e adequada. Ou seja, dará também competências para gerir uma cidade ou o país.

5. História

O historiador, por conhecer profundamente o cenário político e eventuais mudanças, tem plena capacidade para analisar de maneira estratégica uma situação atual, apontando, assim, melhorias necessárias e problemas que não devem ser repetidos.

Terá ainda consciência sobre os aspetos históricos e culturais, podendo propor mudanças e projetos que atendam às reais necessidades das pessoas.

Veja também