Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Júlia Rocha
Júlia Rocha
21 Mai, 2018 - 14:16

6 coisas pelas quais não devia pagar

Júlia Rocha

Coisas pelas quais não devia pagar. Quem não gosta deste tipo de lista? Estaremos perante necessidades ou coisas dispensáveis? Saiba mais, aqui.

6 coisas pelas quais não devia pagar

Estaremos a ajudá-lo a poupar, ou a dar-lhe ideias? Se calhar, falar de coisas pelas quais não devia pagar é um exagero, mas pode interpretar este texto como preferir: ou são coisas que pode cortar do seu orçamento mensal, caso precise de poupar; ou são gastos que as entidades responsáveis deviam considerar diminuir.

É “culpado” de alguns destes hábitos? Será que pode poupar alguns euros se cortar nestas despesas? Faça as contas.

6 coisas pelas quais não devia pagar

1. Revistas

Infelizmente, uma revista mensal, ou até semanal, não é nada barata. Os preços costumam variar entre os 3 e os 7 euros, ou mais. Claro que tudo depende do tipo de revista e do que gosta de ler, mas hoje em dia, quase todas oferecem a possibilidade de trocar a versão em papel pela versão digital. Pode ser uma forma de poupar alguns euros.

2. Água engarrafada

Esta dica pode ajudar não só a sua carteira, como o meio ambiente. Que tal habituar-se a levar consigo, na mala, no carro, uma garrafa/cantil de água reutilizável. Só gasta dinheiro uma vez e com a quantidade de vezes que deve enchê-la, a bem da sua saúde, rapidamente compensa o custo. Não faltam fontes e bebedouros públicos onde encher a garrafa e provavelmente tem essa possibilidade no trabalho também.

3. Decorações natalícias e outras

natal

Gosta de ter a casa a brilhar durante as festas? Gosta de decorar não só durante o Natal, mas para outras épocas festivas e até festas de aniversário? Por que não antecipar esses gastos e comprar decorações natalícias imediatamente a seguir ao Natal e Ano Novo? Vai conseguir comprar com bons descontos. O mesmo se aplica a outras alturas do ano.

4. Coisas que vai usar poucas vezes

Nesta categoria são vários os itens que podem ser incluídos: desde ferramentas, a equipamentos desportivos, bicicletas, ferramentas, entre outros. Objetos que sabemos que vamos precisar de usar poucas vezes, ou que pensamos comprar “só para o caso de serem precisas”. Hoje em dia pode provavelmente optar pelo aluguer de muitos destes objetos, o que é mais barato do que gastar dinheiro para usar algo apenas uma vez.

5. Audiolivros, cds e filmes em formato físico

cds

Este ponto pode ser controverso, mas a verdade é que os serviços de streaming, tanto de música, como de filmes e séries, ajudam não só a poupar dinheiro como espaço em casa também. Se calhar só precisa de comprar aqueles filmes que adora e que sabe que precisa de ter à disposição em qualquer altura, com ou sem acesso à internet. Mas até para essa questão a grande parte das plataformas de streaming apresenta soluções. E o melhor é que continua a apoiar os artistas de que gosta. O mesmo para audiolivros: pode ouvir e devolver, ou pode até fazer uma visita à sua biblioteca local.

6. Sacos de plástico e compras

sacos plastico

Esta dica já não é desconhecida e é outro aspeto que ajuda a sua carteira e o meio ambiente. Estar precavido/a com sacos de pano ou sacos de plástico resistentes e reutilizáveis, é um hábito fácil de adquirir e mais plástico é mesmo uma das coisas pelas quais não devia pagar. Imagine que vai ao supermercado duas vezes por semana e em cada uma dessas vezes pede um saco de 10 cêntimos. No final do mês são 80 cêntimos que poderia ter poupado, o preço de um café, o preço de um saco de pão. Ao fim de um ano são 9,60€. O mesmo se aplica a outras compras, visto ser uma prática adotada já por muitas lojas.

Veja também: