ebook
           
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Patrocinado por Escola Virtual - Grupo Porto Editora
David Afonso
David Afonso
15 Nov, 2021 - 15:23

Corpo de borboleta: tudo o deve saber

David Afonso

Se perguntarmos qual o componente que faz o carro respirar, sabe a resposta? Caso não saiba, descubra o que o corpo de borboleta tem a dizer.

Corpo de borboleta no motor

No universo de dispositivos e componentes que podemos encontrar no nosso carro, o corpo de borboleta (ou corpo de aceleração) é o pulmão que oxigena o veículo. Este componente permite uma ótima eficiência de combustível e um melhor desempenho do motor.

Nesse sentido, neste artigo vamos dar a conhecer o que é esta peça, a sua importância para o motor, que cuidados a ter e sinais a ter em atenção. No fundo, um guia de ajuda para entender todo o enquadramento do corpo de borboleta na vida útil de qualquer carro.

Corpo de borboleta: o componente que permite ao carro respirar

O que é o corpo de borboleta?

É responsável pelo controlo da entrada de ar para o coletor de admissão. Para isso, utiliza uma válvula (borboleta) que abre e fecha quando o pedal do acelerador é acionado.

A tarefa deste dispositivo é fornecer com absoluta precisão a quantidade de ar necessária para a combustão eficiente da gasolina. Por norma, esta quantidade é de 14,7 por litro de gasolina. Os corpos de borboleta vêm em diferentes formas e tamanhos. Podem realizar diferentes tarefas fora da medição do ar.

Qual a sua importância?

Um dos grandes plus do corpo de borboleta é, sem dúvida, o lado mais ambiental que oferece à condução. É que além de ajudar a evitar sobre aquecimentos do motor, controlar os níveis de combustível, também otimiza de forma eficiente os níveis de emissões poluentes. No fundo, estamos perante um componente que integra em si toda a “respiração” do carro, assim como, todas as medidas para que essa respiração seja “saudável” para o ambiente.

Mas claro, a vertente combustíveis também uma variável bastante importante nesta equação. Nada como uma ajuda extra, para uma condução mais sustentável.

Como funciona?

O coração do corpo do acelerador é então a válvula borboleta (daí o nome). É constituído por uma placa metálica, acompanhada por um eixo “borboleta”. Estes elementos estão contidos num cilindro, e quando o eixo gira, o mesmo acontece com a placa, controlando assim o fluxo de ar para o motor.

No que toca a efeitos práticos (e mecânicos), dependendo da posição do pedal do acelerador, o corpo de borboleta controla então a quantidade de ar transmitida ao motor com a posição da válvula de aceleração. Quanto mais o pedal do acelerador é pressionado, mais ar passa para o motor. Logo, melhor será o preenchimento dos cilindros e mais potente será a combustão nos cilindros. No fundo, será sempre um ajudante em todo o processo de aceleração, para torná-lo mais eficiente a todos os níveis.

Outras funções do corpo de borboleta

Convém referir ainda que, o corpo de borboleta também contém um canal de ar secundário conhecido como circuito de controlo de ar inactivo (IAC).

O IAC contém uma válvula que permite ao computador central medir com precisão o ar inativo, o que pode ser importante em condições extremamente quentes ou frias. Além disso, o corpo pode conter um servo para abrir ou controlar o acelerador. Estes servos também são utilizados pelo controlo de tração. Isto porque, quando o computador central deteta que um pneu desliza uma roda, fecha o acelerador para contrariar este efeito.

Peças de motor automóvel

Problemas mais comuns no corpo de borboleta

A manutenção regular deste componente é então essencial. Isto porque, como referido, contribui para um melhor desempenho do motor do veículo. Uma mistura eficiente de ar com gasolina resulta num menor consumo de gasolina.

No entanto, tudo isto pode falhar se existirem falhas em todo o processo. As mais comuns são:

  • Marcha lenta irregular;
  • Má reação do motor com relação aos movimentos do pedal do acelerador;
  • Motor pode até mesmo falhar ou parar de funcionar.

Estas falhas acima mencionadas naturalmente têm uma causa mais profunda e para isso nada como estar atento aos sinais que o nosso carro nos transmite.

Por exemplo, no tabliê, a luz mil (Check Engine) é ativa quando o sensor de oxigénio deteta uma deficiência na mistura. O (IAC) é o ativador responsável pelo controlo de baixa velocidade também começa a falhar e não regula a aceleração.

Quando a válvula do acelerador começa a falhar, e não fecha corretamente, as impurezas começam a vazar para a conduta de admissão do corpo do acelerador.

Estas impurezas são pó do filtro de ar e detritos tais como aparas do PCV, todas elas causando instabilidade do motor e falha de energia.

Com efeito, depois desta leitura temos a certeza que a importância do corpo de borboleta não será esquecida. Uma boa manutenção, os cuidados certos e, acima de tudo, atenção aos sinais, são excelentes pontos de partida para um melhor desempenho deste componente e do próprio motor.

Veja também