Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
07 Fev, 2020 - 12:18

A doação de órgãos antes e depois da morte

Teresa Campos

A doação de órgãos pode melhorar ou, mesmo, salvar a vida de outro ser humano. Perceba a importância deste ato altruísta e de que como tudo funciona.

fazer doação de órgãos

As listas de espera para transplantes de órgãos e tecidos estão em constante expansão. Já o mesmo não se pode dizer do número de dadores disponíveis…

Por isso, importa explicar o que é a doação de órgãos, de tecidos e de sangue e de mostrar como ela pode ser crucial na vida de de alguém.

Desmistificar o tema da doação de órgãos é um passo essencial para promover o esclarecimento geral. Note que todos os procedimentos de doação são completamente gratuitos para o dador e obedecem a vários critérios e requisitos, cumprindo-se sempre todas as regras de higiene e segurança.

Portanto, fique a perceber por que a doação de órgãos é tão importante.

Doação de órgãos em vida

Até aqui falámos na doação de órgãos, após a morte. Porém, é também possível fazer doações de órgãos ainda em vida, mas para isso é necessário que o dador cumpra certos requisitos.

  • seja adulto;
  • tenha boa saúde física e mental;
  • não possuir nenhuma doença ou patologia transmissível pelo órgão ou tecidos;
  • dê este passo de forma livre, voluntária e gratuita.

Claro que para que tudo isto se verifique, é necessário que todo o processo de doação de órgãos seja acompanhado por uma equipa de médicos e pela Entidade Verificadora da Admissibilidade da Colheita para Transplante, de modo a avaliar as condições quer do dador, quer do recetor.

No entanto, para mais informações, não deixe de consultar o decreto-lei que regula esta matéria.

como fazer testamento vital

Doação de células

Doação de medula óssea

O transplante de medula óssea é necessário em caso de doenças, como leucemias agudas ou crónicas, aplasias medulares e imunodeficiências. Assim, como a medula é um tecido que se regenera, é possível fazer esta doação mais do que uma vez na vida.

Entretanto, lembre-se que todo o processo de doação (procedimentos médicos, viagens e outros custos não médicos) é gratuito para o dador, sendo as despesas suportados pelo subsistema de saúde do doente.

Doação do sangue do cordão umbilical

O sangue do cordão umbilical é rico em células e, por isso, pode ser essencial no tratamento de doentes com diferentes tipos de cancro, como leucemias, linfomas e outras doenças associadas ao sangue ou ao sistema imunitário.

Assim sendo, qualquer grávida saudável pode ser dadora de sangue do cordão umbilical, sendo que a colheita, para aferir se há condições para fazer a doação, é realizada entre a 28ª e a 35ª semana de gravidez. Tome nota ainda que a recolha pode ser feita nos hospitais ou maternidades autorizados e com protocolos de colaboração com o Banco Público de Células do Cordão Umbilical (BPCCU), os quais são:

  • Centro Hospitalar de São João – Porto
  • Maternidade Júlio Dinis – Centro Hospitalar do Porto
  • Hospital Pedro Hispano – Unidade Local de Saúde de Matosinhos
  • Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca

Esta doação é gratuita, acontece após o nascimento do bebé e é completamente segura para a mãe e para o recém-nascido, não interferindo na dinâmica do parto. Contudo, convém sublinhar que no caso de fazer esta doação para o Banco Público, não pode fazer simultaneamente para um Banco Privado.

doar sangue

Doação de sangue

A doação de sangue é, talvez, o tipo de doação mais conhecido e para a fazer, tem de:

  • ter mais de 18 anos;
  • possuir um peso igual ou superior a 50kg;
  • ter hábitos de vida saudáveis.

Assim, se cumpre os requisitos, então pode dirigir-se a um Centro de Sangue e Transplantação de Lisboa, Porto e Coimbra ou a um serviço hospitalar com recolha de sangue. Aí, deve apresentar um documento de identificação com fotografia (Bilhete de Identidade/Cartão de Cidadão, passaporte, cartão de residente ou carta de condução) e preencher um questionário.

Depois, será avaliado por um profissional de saúde qualificado que determina a sua elegibilidade ou não para a dádiva de sangue, com essa avaliação a ter por base um exame físico (registo de peso, altura, hemoglobina e tensão arterial).

Este é, igualmente, um processo de doação gratuito que dá, ainda, acesso ao Cartão Nacional de Dador de Sangue, que o identifica como dador e regista as suas dádivas, possibilitando que tenha isenção das taxas moderadoras no acesso à prestação de cuidados de saúde do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Afinal, quem tem tatuagem pode doar sangue ou não?
Não perca Afinal, quem tem tatuagem pode doar sangue ou não?

Doação de órgãos após morte

Primeiramente, convém explicar que, de acordo com a lei portuguesa vigente, todos os cidadãos que NÃO se inscrevam no Registo Nacional de Não Dadores (RENNDA) são considerados potenciais dadores de órgãos, entendendo-se essa doação como completa, ou seja, de todos os órgãos. Assim, se não quiser proceder à doação de órgãos ou tecidos, deve também expressá-lo no RENNDA.

Decisão de doar o corpo à ciência

Para a doação de órgãos, é necessário cumprir alguns requisitos, como a morte acontecer na Unidade de Cuidados Intensivos de um hospital, e só assim é possível conservar os órgãos e verificar se aquela pessoa reúne ou não condições para ser dadora. Entretanto, é importante frisar que não há limite de idade para a doação, o que a torna ou não possível é a qualidade e funcionalidade dos órgãos em causa.

Órgãos e tecidos

Além da doação de órgãos, também podem ser doados tecidos. Desta forma fique então a perceber o que pode ser doado, após a morte.

Órgãos

  • rins;
  • fígado;
  • coração;
  • pâncreas;
  • pulmões.

Tecidos

  • osteotendinosos (osso, tendão e outras estruturas osteotendinosas);
  • córneas;
  • válvulas cardíacas;
  • segmentos vasculares;
  • pele.
Veja também