Teresa Campos
Teresa Campos
07 Abr, 2020 - 14:45

Doar o corpo à ciência: saiba como deve proceder

Teresa Campos

Sabe o que significa doar o corpo à ciência? E como fazê-la? Sabe quais os passos a seguir? Fique informado e faça uma escolha consciente.

Decisão de doar o corpo à ciência

Doar o corpo à ciência é um ato cada vez mais repetido. Por isso, nos últimos, anos, as doações de cadáveres para estudo e investigação cresceram e as faculdades e institutos de medicina agradecem, assim como os seus alunos, principais beneficiários destes legados.

Assim, não importa a idade, o género ou as caraterísticas anatómicas e doar o corpo à ciência é uma maneira muito nobre e simples de ajudar a evoluir e, no fundo, continuar a ser útil à sociedade e ao mundo, mesmo depois da morte. Naturalmente que esta é uma decisão pessoal e, qualquer que seja a escolha do que pretende que seja feito com o seu corpo após a morte, ela deve ser respeitada por quem lhe-é mais próximo.

Doar o corpo à ciência, após a morte

Corpo doado para a ciência

Antes de mais, a questão académica quando se fala em doar o corpo à ciência. A palavra “anatomia” significa “cortar”. Assim, o corte do corpo, isto é, a sua dissecção, permite estudar a estrutura e a constituição do ser humano. Daí ser indispensável e insubstituível para o ensino médico pré- e pós-graduado. Esta prática influencia a qualidade dos atos médicos e cirúrgicos, melhorando a qualidade dos serviços de saúde oferecidos à população. A anatomia é uma das bases fundamentais da formação médica.

A formação em Medicina contempla esta disciplina/área do saber de grande importância para o estudante, a dissecção anatómica. Esta prática revela-se de grande importância na preparação do futuro médico, pois é através dela que se testa e trabalha o domínio psicomotor da aprendizagem.

Respeito pelo ser humano

Além disso, esta atividade sensibiliza o aluno para o respeito pelo ser humano e pelo seu corpo. Este exercício também incrementa o desenvolvimento de capacidades de observação, de expressão oral e escrita e de trabalho em equipa, fundamentais na preparação de um futuro médico.

Por isso, só um estudo minucioso do cadáver humano permite o avanço científico e técnico que possibilita o progresso nos tratamentos médicos e cirúrgicos de muitas doenças. Assim, doar o corpo à investigação é um valioso contributo para a evolução da Ciência, em geral, e da Medicina em particular, constituindo um ato cívico louvável e de grande generosidade.

Estudo: cuidados paliativos em Portugal são insuficientes
Não perca Estudo: cuidados paliativos em Portugal são insuficientes

Como doar o corpo à ciência?

Os procedimentos para a doação do corpo podem variar ligeiramente de acordo com o gabinete em questão. Contudo, de uma forma geral, qualquer adulto pode legar o seu cadáver à ciência, bastando para isso seguir os próximos passos:

  1. Preencher a declaração para doar o corpo à ciência (disponível online ou, presencialmente, no gabinete de doação ao qual pretender doar o seu corpo. Pode ainda telefonar a requerer o envio de toda a documentação necessária);
  2. Fazer o reconhecimento da assinatura pelo notário e enviar uma cópia da declaração por correio OU entregar a declaração presencialmente, mediante apresentação do BI/CC,  não sendo necessário, neste caso, o reconhecimento da assinatura pelo notário.

E depois?…

Após preencher a declaração para doar o corpo à ciência, é importante que partilhe com as pessoas que lhe são mais próximas a doação que acabou de realizar. Pode, ainda, deixar essa informação escrita em alguns locais e documentos. Só assim a doação pode ser consumada na altura da morte.

Deste modo, no momento do falecimento, os familiares, os amigos ou quem estiver responsável por dar seguimento ao processo, deve contactar o gabinete de doação onde a pessoa deixou em vida a declaração de doação de corpo devidamente preenchida e assinada.

assinatura num contrato

Todos os custos decorrentes da doação estarão a cargo do gabinete de doação destinatário do corpo da pessoa falecida. Findo o estudo, o cadáver será cremado.

Para mais esclarecimentos, consultar o decreto-lei que regula esta matéria e entre em contacto com o gabinete de doação mais próximo da sua zona de residência.

Gabinetes de doação existentes em Portugal

De Norte a Sul do país, existem alguns gabinetes para doar o corpo à ciência. Estes têm condições para receberem o cadáver e o disponibilizarem para estudo e investigação dos futuros clínicos.

Lisboa

Faculdade de Ciências Médicas – Universidade Nova de Lisboa

  • Responsável pelo Gabinete de Doação e Cadáveres: Professor Doutor Diogo Pais
  • Tel: +351 21 880 3000
  • Morada – Campo dos Mártires da Pátria, 130; 1169-056 Lisboa · Portugal

Faculdade de Medicina– Universidade de Lisboa

  • Responsável da Área de Doação e Cadáveres: Professor Doutor Gonçalves Ferreira / Dr. Francisco Correia
  • Tel: +351 21 798 51 51
  • Morada: Av. Professor Egas Moniz -1649-028 Lisboa
  • Mais informações, aqui.

Porto

Instituto de Ciências Médicas Abel Salazar (ICBAS) – Universidade do Porto

  • Responsável da Área de Doação e Cadáveres: Drª Madalena Costa Santos
  • Tel: +351 220 428 000
  • Morada: Rua de Jorge Viterbo Ferreira n.º 228, 4050-313 Porto

Faculdade de Medicina – Universidade do Porto

  • Responsável da Área de Doação e Cadáveres: Professora Doutora Dulce Madeira
  • Tel: +351 22 5513616
  • Morada: Alameda Professor Hernâni Monteiro 4200-319 Porto
  • Mais informações, aqui.

Coimbra

Instituto de Anatomia Normal – Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

  • Responsável da Área de Doação e Cadáveres: Dr Joaquim Alexandre ou Drª Joana Coelho
  • Tel: +351 239 85 77 68 (segunda a sexta, das 9h00 às 20h)
  • E-mail: [email protected] ou [email protected]
  • Morada – Pólo das Ciências da Saúde – Subunidade 3, Azinhaga de Santa Comba – Celas; 3000-548 Coimbra
  • Mais informações, aqui.

Covilhã

Faculdade de Medicina –Universidade da Beira Interior

  • Tel: +351 275329002; +351 275329003
  • Morada: Avenida Infante D. Henrique; 6200-506 Covilhã
Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins. Neste projeto, contamos com a parceria da Fidelidade e da Multicare. Saiba mais sobre a parceria.