Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
07 Jul, 2020 - 17:54

E-Wallet: como funciona e quais as vantagens de ter uma carteira digital

Marta Maia

Já ouviu falar em e-wallet? Este tipo de aplicações permite-lhe guardar os seus cartões bancários no telemóvel, bem como fazer compras e pagamentos.

aderir e-wallet

O avanço tecnológico tem destas coisas: com as aplicações e-wallet já não precisa de memorizar vários códigos, nem de trazer o cartão de crédito ou débito no bolso para fazer pagamentos com ele.

Apesar de serem muito práticas, as carteiras digitais não têm só aspectos positivos e há mesmo alguns cuidados a ter em consideração quando usa estas apps. Saiba quais são.

O que é uma E-wallet e como funciona?

Uma e-wallet (o nome em inglês para carteira digital) mais não é do que uma aplicação que lhe permite guardar os dados do cartão bancário e fazer pagamentos com o telemóvel ou computador.

Existem aplicações de e-wallet de vários fabricantes e podem oferecer diferentes funcionalidades, que vão do simples pagamento à manutenção completa de uma conta virtual.

pagamento com e-wallet

Como funciona?

Pode ficar descansado, que o seu cartão físico não precisa de lhe sair do bolso. O que acontece com as aplicações e-wallet é que, ao dar os dados do seu cartão (e conceder acesso através do seu banco), o seu telemóvel passa a ser uma espécie de extensão da conta bancária, permitindo-lhe fazer pagamentos e outras transações.

Em algumas aplicações até pode guardar mais do que um cartão, escolhendo um como pré-definido mas mantendo os outros disponíveis para quando forem necessários.

Além disso, também é possível “guardar” dinheiro. Para isso terá de carregar o saldo da sua carteira digital: pode fazê-lo por transferência via homebanking, ou através do cartão de crédito ou débito.

E a segurança?

Claro que, quando se fala em aplicações e-wallet e em telemóveis que estão de porta aberta para a conta bancária, se coloca logo a questão da segurança do sistema. Neste caso, as aplicações têm de passar por uma série de certificações quando são desenvolvidas, além de oferecerem sistemas de segurança e encriptação de dados sofisticados.

Quer isto dizer que não basta a um estranho pegar no seu telemóvel para ir às compras. A sua e-wallet vai estar protegida por um PIN, uma contra-senha e, dependendo do fornecedor, podem ter ainda um sistema de reconhecimento facial e de impressão digital. Há casos em que até pode definir um limite máximo diário para as despesas, só para o caso de tudo o resto falhar.

Como usar a e-wallet

Na verdade, o funcionamento das aplicações e-wallet não tem nada que saber. Só precisa de instalar a app no smartphone, inserir os dados do cartão de débito ou crédito e definir os códigos de segurança.

Os terminais de pagamento automático (TPA) mais recentes já utilizam a tecnologia NFC (Near Field Communication ou, em português, comunicação por proximidade), a mesma que permite fazer pagamentos com o cartão físico sem ter de introduzir o seu pin.

Assim, tal como faz com o seu cartão contactless, se quiser usar a carteira digital numa loja física só terá de aproximar o telemóvel do terminal até aparecer o sinal de pagamento validado. Outra possibilidade é fazer o pagamento por QR Code, apontando a câmara do telemóvel para o símbolo que surge no terminal.

Se o objetivo for comprar online, basta preencher os dados de pagamento na app e autorizar a operação. Também neste caso tem normalmente a opção de ler o código QR Code pelo smartphone para comprovar a compra.

Quais as vantagens de ter uma E-wallet?

Uma das vantagens de guardar o seu cartão (ou cartões) em formato digital é a segurança de saber que, se perder ou lhe roubarem a carteira, não fica sem poder aceder à sua conta nem impossibilitado de fazer compras e pagamentos. Mas há mais.

Práticas e úteis

Sobretudo quando vai a eventos grandes ou festivais, ter uma e-wallet significa que pode sair de casa só com o telefone no bolso – tudo o resto, incluindo o dinheiro que vai gastar, está lá dentro.

Não há trocos, não há contagem de moedas, nem sequer tempo desperdiçado a marcar códigos. Basta apontar o telemóvel e já está.

Em determinados fornecedores, ter uma e-wallet é ainda sinónimo de ter dinheiro guardado na moeda que quiser, podendo usar onde e quando entender.

Permitem poupar tempo

Pode administrar facilmente todas as suas contas e cartões ao concentrá-los numa única plataforma. Além disso terá de memorizar apenas um código, o de acesso à app.

Estas aplicações permitem assim uma maior agilidade em fazer transferências, compras e pagamentos.

Nas compras offline são também bastante práticas: entra na loja, escolhe o produto e, quando chega à caixa, só tem de aproximar o telemóvel do terminal de pagamento, sem perder tempo a introduzir o PIN.

Permitem até poupar dinheiro

Por um lado, a e-wallet permite-lhe definir limites máximos diários de despesa, que evitam deslizes e protegem o seu orçamento.

Por outro lado, há descontos específicos para quem usa aplicações e-wallet que, bem aproveitados, ainda podem poupar-lhe uns bons euros.

Além disso, estas apps possibilitam uma melhor visão de onde e quando fez determinada compra ou pagamento, ajudando à gestão dos seus gastos.

Desvantagens da e-wallet

Como dissemos no início, nem tudo são rosas no mundo das carteiras digitais – e os perigos começam logo pela dependência do telemóvel.

Sem bateria no telemóvel, não há e-wallet

Dizem as estatísticas que cada pessoa tem, em média, 60 a 90 apps instaladas no telefone. E e não é difícil de imaginar como: uma aplicação de entregas de comida, outra de transportes coletivos, mais uma de transporte ocasional e umas quantas de redes sociais.

Se é um facto que concentrar muito do que precisamos no nosso smartphone pode ser bastante cómodo e útil, não é menos verdade que a nossa dependência em relação a este dispositivo também aumenta.

É fácil darmo-nos conta disso quando, por exemplo, nos esquecemos dele em casa ou ficamos sem bateria. Ora, sem bateria no telemóvel não há e-wallet. E se não tiver o cartão físico consigo, pode ficar totalmente desprevenido.

Não pode usar em todas as lojas nem em todos os telemóveis

Se frequenta o comércio mais tradicional, a probabilidade de não poder usar a sua carteira digital aumenta. Isto porque nem todos os terminais de pagamento automático possuem tecnologia NFC, sobretudo os mais antigos.

Do mesmo modo, nem todos os telemóveis têm esta tecnologia. Para saber se é o caso do seu dispositivo, aceda ao menu das definições ou consulte o manual de instruções fornecido pelo fabricante.

Se não tiver NFC, a possibilidade de recorrer a uma carteira digital para fazer compras físicas pode ficar comprometida. A menos que seja possível o pagamento por QR Code.

Podem não funcionar em determinados países

Há ainda a questão da internacionalização. Sendo certo que praticamente todos os países desenvolvidos têm sistemas de e-wallet, a verdade é que os sistemas não são todos internacionais, e por isso o que funciona num país pode não funcionar no outro.

Se viajar muito para fora de Portugal, algumas e-wallets podem não ser a opção perfeita para si.

Atenção às comissões

Por fim, há a questão das comissões. Nas e-wallets que permitem pré-carregamento, a operação pode implicar custos, especialmente se for feita com cartão de crédito (e nalguns casos com cartão de débito também).

Por outro lado, também há bancos a cobrar taxas especiais para quem tem e-wallet e a usa para “escapar” às comissões tradicionais. Basta pensarmos no MBWay, que foi penalizado com comissões sobre as transferências pela maior parte dos bancos em Portugal.

Aplicações de e-wallet em Portugal

São várias as aplicações de carteira digital disponíveis em Portugal. De seguida encontra quatro opções.

Google Pay

Associada à sua conta google, esta app guarda os seus cartões tradicionais e está sempre ativa no telefone Android, o que significa que, para pagar, nem sequer tem de abrir a aplicação. Basta desbloquear o ecrã e aproximar o telemóvel do terminal de pagamento automático.

Apple Pay

Semelhante à aplicação da Google, a Apple Pay é uma e-wallet que até lhe permite fazer reconhecimento facial antes de desbloquear a conta. Foi, claro, desenvolvida a pensar nos telefones e smartwatches da marca.

Meo Wallet

Não teve uma adesão espetacular, mas existe e tem selo português. A Meo Wallet pode ser instalada em telemóveis, computadores e até smart TVs, com a garantia de que não traz complicações por ser internacional.

Além disso, permite guardar cartões de descontos, talões e outros papéis que normalmente só enchem a carteira.

MB Way

O MB Way não é exatamente uma e-wallet, mas permite quase todas as mesmas funcionalidades: pode lá guardar os seus cartões bancários em formato digital e usá-los quando precisar, quer para fazer pagamentos quer para transferir dinheiro para outros utilizadores do serviço.

A aplicação da SIBS permite também o pagamento com o telemóvel em lojas físicas que disponham de terminais de pagamento automático (através da tecnologia NFC ou por QR Code).

Veja também