Inês Silva
Inês Silva
04 Mai, 2020 - 10:36

Emprego em tempos de pandemia: conheça as tendências

Inês Silva

Há menos candidatos a procurar trabalho, mas há empresas com emprego em tempos de pandemia para novas funções e contratações.

mulher a procurar emprego em tempos de pandemia

Em pleno combate contra a pandemia COVID-19, foram várias as empresas a entrar em layoff ou a ajustar o seu funcionamento às regras implementadas para contenção do coronavírus. O país está a preparar, de forma faseada, o regresso à atividade económica e, de acordo com a recente avaliação feita pela Organização Internacional do Trabalho, prevê-se que “a pandemia poderá aumentar o desemprego global em quase 25 milhões”. No entanto, verificou-se uma quebra na procura de emprego e não propriamente um aumento brutal do desemprego. Há até empresas com vagas de emprego em tempos de pandemia.

Naturalmente, não podemos pensar que é tudo “um mar de rosas”, até porque, segundo um estudo da multinacional de recrutamento Korn Ferry, a maioria das empresas portuguesas antecipa uma quebra nos resultados de faturação em 2020, seja ela moderada ou acentuada e para minimizar o impacto, estão a colocar em marcha um conjunto de medidas que implicam a estagnação salarial e cortes nos benefícios.

O coranavírus causou, obviamente, alterações no mercado de trabalho, desemprego e perda de rendimentos. Mas é importante, também, salientar a forma como as empresas se adaptaram para continuar a produzir e a prestar serviços, bem como o surgimento de oportunidades de emprego em tempos de pandemia.

A Jooble, uma plataforma internacional de busca de emprego, refere que, em março, diminuiu o interesse pela procura de emprego, verificando-se assim uma comprovada quebra de mais de 50% no mercado de trabalho. É óbvia a relação entre as medidas de confinamento e a diminuição de candidatos à procura de emprego em todos os países atingidos pela pandemia.

Mercado de trabalho global: novas e velhas oportunidades de emprego em tempos de pandemia

jovem a distribuir mercearia

Há menos pessoas à procura de emprego, no entanto os empregadores continuam a recrutar, apresentamos aqui algumas das tendências mundiais de recrutamento.

No Reino Unido e no Canadá há vagas nas áreas de gestão de projetos, engenharia de software, desenvolvimento de negócios e contabilidade no mercado de trabalho.

Itália, Espanha, Alemanha e Rússia continuam a procurar candidatos para vagas de representante de vendas e suporte, especialista em mecânica, motorista, operário de armazém e administrativo.

Franceses, Alemães e Portugueses estão a direcionar-se também para o setor agrícola.

Em Portugal, a pandemia do novo coronavírus colocou sob pressão as atividades como o retalho alimentar, saúde, transportes e a logística, devido ao acréscimo de trabalho e aos colaboradores em quarentena e/ou a apoiar os filhos em casa, que obrigou as empresas e instituições a reformular planos de recrutamento para dar uma resposta eficaz às necessidades do país.

A COVID-19 influenciou também a forma como os utilizadores da plataforma Jooble procuram emprego. Em Espanha, por exemplo, passou de “limpeza” para “limpeza de hospitais” e em Itália “babysitter” foi substituída por “trabalhos de entrega”.

O emprego online é também uma das mais fortes tendências e está para durar mais algum tempo, é o caso do ensino online com a oferta das mais variedades de aulas particulares que vão desde explicações de matérias escolares até à prática do exercício físico.

Empresas a recrutar em tempos de pandemia

Critical TechWorks

A Critical Techworks quer recrutar 160 profissionais da área tecnológica. Com instalações em Lisboa e Porto, são procurados candidatos seniores com experiência em desenvolvimento de software para sistemas embebidos, mobilidade, produção, logística, venda e pós-venda.

Natixis

A Natixis, uma divisão do Banque Populaire & Caisse d’Epargne, grupo bancário francês, tem 30 vagas no Porto e quer recrutar jovens recém-formados das áreas de direito, gestão e relações internacionais para reforçar as equipas de gestão de recursos humanos, compliance, Know Your Customer, gestão de risco e backoffice, entre outras. As candidaturas terminam a 3 de junho.

Emprego no retalho alimentar

Lidl, Pingo Doce, Continente, Minipreço, Auchan e Mercadona têm várias oportunidades de emprego ativas e em diferentes zonas do país.

Plataforma “Acolhe um trabalho”

Acolhe um trabalho” não é uma empresa, é uma plataforma que pode ajudar a encontrar emprego em tempos de pandemia.

A ideia é poder facilitar o processo de recrutamento de pessoas disponíveis para assegurar a produção de bens essenciais em Portugal.

Os candidatos disponibilizam-se para trabalhar e as empresas publicam as suas ofertas de trabalho.

Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins.