ebook
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Prático e Descomplicado
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
13 Jan, 2021 - 11:19

Tudo o que deve saber sobre estágios curriculares

Catarina Milheiro

Os estágios curriculares fazem parte do plano de estudos de muitos cursos e são um primeiro contacto com o mundo laboral. Saiba mais.

jovem a participar em estágios curriculares

Alguns cursos do ensino superior contemplam a realização de um ou mais estágios curriculares no seu programa de estudos.

Esta é uma etapa importantíssima para os estudantes, uma vez que permite, na maioria dos casos, o primeiro contacto real com o mercado de trabalho na respetiva área de formação.

Por se tratar de uma excelente oportunidade para os universitários, os estágios curriculares permitem a aplicação de conhecimentos e promovem o desenvolvimento de competências. Quer saber mais? Fique connosco.

O que são estágios curriculares e qual a sua importância

Antes de mais, importa compreender o conceito de estágios curriculares. Trata-se de uma breve experiência de integração no mercado de trabalho na área de estudos do aluno em causa e é organizada pelas próprias instituições de ensino.

No fundo, os estágios curriculares fazem parte da avaliação final do curso e, por isso mesmo, têm um peso importante no percurso do estudante, tanto a nível pessoal como profissional.

Atualmente, são poucos os cursos superiores cujo plano académico não inclui a realização de um estágio curricular para a sua conclusão com avaliação positiva. Ou seja, o objetivo é que o aluno consiga com esta experiência os créditos que adquiria ao frequentar uma cadeira normal (ou mais até).

Qual a sua importância?

A realização de um estágio curricular, quando possível, é sempre vista como uma mais-valia para o currículo profissional e para a vida académica dos estudantes.

Funciona como o primeiro contacto com o mercado de trabalho e proporciona a oportunidade de adquirir competências e conhecimentos relacionados com a área de formação.

Para além disto, permite ainda que os alunos percebam melhor como funciona a área de atuação da profissão que escolheram e compreender se querem ou não continuar nesse caminho profissional.

Importa ainda referir que, são cada vez mais as empresas que procuram profissionais qualificados que tenham experiência prévia. Por isso, o facto de ter feito um estágio deste tipo é uma vantagem que atrai a atenção das empresas quando se encontram em fase de recrutamento.

De uma forma geral, a realização de estágios curriculares só traz vantagens para o percurso profissional e académico do estudante.

jovem a realizar a candidatura à universidade online

Como funcionam os estágios curriculares

Existem diferentes formas de funcionamento para os vários estágios curriculares , que variam, normalmente, consoante a instituição e o curso em que o aluno está integrado. Neste sentido, vamos responder às questões mais frequentes em relação ao assunto. Tome nota.

Duração

Não existe uma duração específica para este tipo de estágios. O que significa que, o período de trabalho depende sempre da instituição de ensino e daquilo que é exigido pelo plano curricular de cada curso.

Assim, a duração deste contacto com o mundo laboral pode determinar-se em meses, sendo que neste caso, o mais comum é durar 3 meses. Por outro lado, pode existir um número mínimo de horas a cumprir e que deve ser respeitado.

A quem se destinam

Os estágios curriculares são destinados a todos os alunos que frequentam o ensino superior e que estejam a frequentar um curso cujo plano académico envolva a sua realização. Em alguns cursos existe mais do que um estágio curricular obrigatório.

Contudo, qualquer aluno que esteja a frequentar o ensino superior (preferencialmente no último ano do curso) poderá optar por realizar um estágio deste tipo de forma totalmente autónoma.

Para isso, existem alguns portais como o estagiar.pt ou o Carga de trabalhos, que contêm um vasto leque de oportunidades, por exemplo.

Remuneração

Esta é uma questão bastante frequente dos universitários. Embora a grande maioria destas oportunidades não tenha qualquer tipo de remuneração, alguns casos pode estar previsto o pagamento de uma quantia mensal por parte da empresa.

Por norma, estas são ajudas de custos que pretendem cobrir os gastos com transportes e alimentação.

Full-time ou part-time?

No que se refere ao horário de trabalho podem também existir variações, uma vez que depende não só daquilo que está pré-definido pela universidade mas também pelo empregador. Assim, poderá tratar-se de um regime de part-time ou de full-time.

Assim, podem ser uma das seguintes modalidades:

  • 4 horas por dia, que equivale a 20 horas semanais;
  • 6 horas por dia, que equivale a 30 horas semanais;
  • 8 horas por dia, que equivale a 40 horas semanais.

Avaliação

Em algumas universidades, dependendo do curso, o aluno pode ter de cumprir somente o horário definido para estágio (previamente definido com a empresa) para que possa ser avaliado. Ou seja, a avaliação neste caso passa apenas pela atribuição de uma nota por parte da empresa empregadora.

Contudo, e na maioria dos casos, os alunos têm de elaborar um relatório ou projeto de estágio que será avaliado pelos docentes. A este relatório junta-se uma nota dada pela parte da empresa. Assim, nestes casos, a avaliação é feita com base na entrega e/ou apresentação do relatório de estágio e a nota de avaliação do empregador.

Candidatar-se a estágios curriculares

Como já referimos, na maioria dos casos o estágio curricular está integrado no plano de formação dos cursos e tem caráter obrigatório.

Assim, e de uma forma geral, é a própria universidade que providencia uma lista das empresas com as quais celebrou protocolos de estágio. Isto significa que todo o processo para encontrar um estágio se torna mais fácil para os alunos.

Mais ainda, estes protocolos são extremamente importantes para salvaguardar todas partes. Por isso, é necessário que os envolvidos assinem um documento que descreve detalhadamente os pormenores do estágio.

No entanto, pode também dar-se o caso de a instituição de ensino ter previsto nos seus cursos que o aluno é o responsável por procurar o estágio e enviar a sua candidatura. Nestes casos pode até acontecer que não existam protocolos estabelecidos entre a faculdade e as empresas.

Os alunos terão, então, de fazer a própria pesquisa. Para isso poderão procurar ofertas de estágios curriculares em sites criados para o efeito, como no LinkedIn, por exemplo, nas redes sociais ou, se existir, em alguma plataforma disponibilizada pela faculdade.

Por fim, os processos de candidatura e aceitação do aluno variam de acordo com aquilo que está acordado entre as entidades envolvidas.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].